• Recentemente vivi esta experiência com meus melhores amigos, mas de uma maneira um pouco mais trágica: o rompimento. Infelizmente, devido à correria do dia a dia, não tive notícias da crise iminete, só soube do triste resultado final.Nessas horas é perfeitamente normal as pessoas ficarem tristes e chateadas (ou em casos mais extremos chegam a desenvolver depressão), mas se pudermos fazer algo para que não permaneçam assim por um longo tempo é a melhor forma de ajudar: quer seja estando perto e ajudando de fato, quanto identificando a necessidade de ajuda profissional.

    Em caso de uma crise mais comum, os amigos se tornam os “vigilantes da sanidade“, que tentam evitar com que os amigos em crise tomem decisões precipitadas em meio ao desespero (que é sempre um péssimo conselheiro).

    Tanto uma crise quanto o rompimento são situações que podemos vivenciar a qualquer momento de nossas vidas, ninguém está imune. Mas quando vimos alguém próximo passando por esta situação, como devemos proceder?

    Na ânsia de ajudar, muitos acabam “atrapalhando”, mesmo que sem intenção acabam piorando uma situação que por si só já é bastante ruim. Mas como ajudar um amigo, de forma positiva, para que ele enfrente essa crise?

    Segue 3 dicas que usei, e que deram supercerto:

  • 1. Saiba ouvir

    Como diz o ditado popular: “Temos dois ouvidos e uma boca: devemos aprender a ouvir mais e falar menos”.

    Por mais incrivel que pareça, a coisa que as pessoas em crise (qualquer que seja ela, mas em especial as crises amorosas) mais anseiam é apenas serem ouvidas. Mesmo que venham repetir a mesma história, lhe contando novamente os fatos e os sentimentos envolvidos, apenas ESCUTE.

    Portanto, não argumente, questione ou opine enquanto a pessoa fala (exceto em último caso e se realmente lhe for solicitado). Jamais procure um culpado e muito menos coloque a culpa no outro pelo sofrimento do amigo. Lembre-se: ambos sofrem nesses casos.

    Deixar falar é necessario, alguns também choram, nos dois casos esteja de ouvidos atentos e munido de lenços para prestar ajuda nessas horas. Eles precisam desabafar apenas e nada mais.

  • 2. Sugira – e ajude – uma alimentação saudável

    Há outros dois ditados populares que dizem: “Saco vazio não para em pé” e “Coma para viver e não viva para comer.”

    A coisa mais normal em crises amorosas é perder completamente o apetite ou se afundar em guloseimas supercalóricas para sanar aquela sensação de vazio que se instala nesses momentos. Ambas são extremamente prejudiciais à saúde, por isso fique atento e de maneira sutil, sugira a “ter-a-pia da cozinha”.

    Cozinhar é uma terapia excelente, colocar literalmente a “mão na massa” ajuda a distrair do foco da crise a abstrair os pensamentos. Acompanhar nessas horas é fundamental e manter o padrão de uma conversa leve e positiva ajuda a tirar o foco dos problemas.

    Ninguém pensa direito de cabeça quente e essa é uma das formas que temos de ajudar a “esfriar” a cabeça dos amigos para depois eles poderem pensar melhor em uma solução mais coerente ao problema que vêm enfrentando.

    Nesta dica temos duas possibilidades para analisarmos: se nosso amigo é comilão ou se não é comilão.

    Para os comilões: evite as guloseimas supercalóricas, procure tentar receitas mais leves e testar novos sabores à mesa. Inovar é preciso!

    Para os que não são comilões: um pouco de guloseimas pode ser atrativo, mas sem exageiro.

    Se for passar muito tempo cozinhando, lembre-se que terão que comer, evite disperdícios e exageros.

  • 3. Exercícios saudáveis

    “É parte da cura o desejo de ser curado”, Sêneca.

    Exercícios físicos são muito bem-vindos nessas horas, além de queimar as calorias da terapia da cozinha, oxigena o cérebro e eleva a autoestima.

    Não é necessario pagar uma academia ou correr uma maratona, uma caminhada um pouco mais longa somada a uma boa conversa cai bem. Portanto, estimule seu amigo a fazer algum exercício com você, mesmo que seja uma simples caminhada.

  • DICA MASTER:

    Em todas as dicas anteriores, para de fato ajudar seus amigos em crise, mantenha-se bem-humorado. Rir pode ser o melhor remédio para a tristeza que nos abate nessas situações.

    E tenha sempre em mente este fato: crises são passageiras, portanto você está ajudando seu amigo a passar por esse momento difícil, que não durará para sempre, e, com sua ajuda poderá ser mais breve ou mais leve, dependendo do caso. Mas, como toda e qualquer crise, sempre saímos mais fortes e experientes dela.

Autora: Mayara Taguti é graduada em Direito pela Anhanguera Educadional, ama livros, música e cinema. É Assistente Jurídico em um Escritório de Advocacia, professora de inglês básico para alunos de todas as idades e ama o que faz.

Fonte: familia.com.br

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA