“Zootopia: essa cidade é um bicho”, é a mais recente animação dos Estúdios Walt Disney, lançado no Brasil em março de 2016. Entretanto, além de uma simples animação, traz em sua narrativa aspectos valiosos para refletir as relações humanas na pós-modernidade.

– NUNCA DESISTA E ACREDITE SEMPRE EM VOCÊ

O filme inicia com tal mensagem de efeito, presente em sua música tema “Try Everything”, gravado pela cantora Shakira. O filme mostra em diversos momentos como é preciso olhar além das dificuldades, conhecer as próprias limitações e fazer destes elementos negativos, potencialidades e o grande diferencial na luta pelos sonhos.

– NÓS PODEMOS SER O QUE QUISERMOS?

Esta é outra frase muito marcante. O filme propõe a reflexão de até que ponto somos determinados por fatores que impedem a mudança, sejam eles biológicos, culturais, sociais, psíquicos ou histórico. A determinação muitas vezes é essencial ao desenvolvimento e sem dúvida participa em grande proporção na construção da personalidade, entretanto não pode ser considera como algo imutável ou enquadrado, se fosse dessa maneira por qual motivo continuaríamos buscando o desenvolvimento pessoal dia após dia?

– NÃO SEJA REFÉM DOS TRAUMAS DO PASSADO.

O passado muitas vezes permanece vivo no presente, sabemos desde Freud que o passado representa um aspecto que precisamos elaborar para poder continuar construindo nossa história da melhor maneira possível. Neste sentido, não podemos deixar que as possibilidades da vida se empalideçam por conta de algo que já passou, mesmo que para isso seja necessário ajuda profissional. É preciso elaborar tais traumas e se permitir vivenciar a si mesmo de modo criativo, como uma oportuna significação da experiência vivida.

– A FAMÍLIA COMO BASE

Muitas vezes a família não compreende muito bem os sonhos dos integrantes mais jovens, entretanto é fundamental que o desejo seja acolhido em sua totalidade. O afeto recebido dos cuidadores principais é uma poderosa força, e a palavra de apoio nessa relação é o que edifica os sonhos e é um elemento muito importante para fazer possível a concretização deles.

– A DIVERSIDADE!

Muito além de tudo o que já foi dito, a grande mensagem é a importância da diversidade para a completude nas relações. A pluralidade existencial é algo puramente humano e assim como destaca o poeta e escrito argentino Santiago Kvladof “Se fôssemos todos iguais, não poderíamos ser semelhantes. Seríamos, em troca, sinistramente idênticos, e portanto, perfeitamente substituíveis uns pelos outros”. A diversidade é o fator que demonstra a grande beleza humana. É verdade que, às vezes, é muito difícil de entrar em contato com o diferente, entretanto o diverso nunca deve ser encarado como uma ameaça, pelo contrário, precisa ser indiscutivelmente acolhido enquanto característica humana.

Compartilhar
João Paulo Zerbinati
Psicólogo Clínico de Orientação Psicanalítica, atendendo em Itápolis-SP. Graduado pela PUC-Campinas. Mestrando pela Faculdade de Ciências e Letras, UNESP-Araraquara. Membro do grupo de pesquisa SexualidadeVida USP\CNPq. É colunista do site Fãs da Psicanálise.



2 COMENTÁRIOS

  1. Poderíamos colocar aqui também o fato de que as aparências enganam ou que a primeira impressão NÃO é a que fica?
    No filme há dois grandes exemplos disso, então não podemos usar o pré julgamento para não nos relacionarmos com alguém ou mesmo para confiarmos 100%. E o que nos parece duro ou indiferente pode nos surpreender com uma doce e sincera amizade.

    • Muito bem colocado, Sandra. As cinco reflexões que coloquei neste texto são apenas para iniciar o debate, mas existem diversos outros pontos que poderiam ser aprofundados, como o que você acabou de mencionar. Obrigado pela colaboração.

DEIXE UMA RESPOSTA