Algumas pessoas quando procuram por terapia para sanar suas demandas, geralmente buscam um profissional qualificado, que possui títulos de especialista ou que tenha outras formações, pois entendem que apenas alguém que domine a técnica e a teoria é capaz de auxiliá-las.

Contudo, muitas vezes essa linha de pensamento culmina em frustração, não porque o profissional não é bom no que faz, mas porque o sucesso na terapia não depende apenas desses fatores, mas também do vínculo terapêutico.

Como diria Pichon-Rivière – um psicanalista naturalizado argentino que estudou a teoria do vínculo e falecido em 1977 com 70 anos – o vínculo é a maneira como cada indivíduo se relaciona com o outro, criando uma estrutura particular a cada caso e a cada momento, ou seja, uma pessoa pode ir ao psicólogo X e não se sentir satisfeita, mas outra pessoa pode ir ao mesmo psicólogo e se sentir bem, pois são vínculos terapêuticos diferentes que se estabelecem, uma vez que cada pessoa possui a sua historia de vida e sua subjetividade.

Desta forma, a teoria e a técnica são importantes para o processo terapêutico, pois são elas que guiam o terapeuta, porém em um dado momento, não se trata mais de traduzir e interpretar o discurso do paciente, mas é preciso estar em sintonia a esse, partilhar de seu momento, compartilhar de sua angustia e de sua história. Como dizia o terapeuta Carl Jung “conheça
todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”.

Assim, é importante que o paciente sinta-se a vontade para compartilhar de sua vida com o terapeuta, da mesma maneira que esse esteja envolvido afetivamente – com ética e responsabilidade – com esse paciente, a fim de que a interação ocorra de uma forma mais autêntica.

Portanto, o setting terapêutico precisa ser um espaço de escuta e acolhimento, de trocas (de experiência, de sentimentos), de empatia, de cumplicidade e de responsabilizações, de vínculos e aceitações para que se torne possível construir sentidos na vivência do ser e promover mudanças fundamentais na manutenção da saúde do indivíduo.

Compartilhar
Isabella F. Batista
Psicóloga (CRP 06/129341), com experiências nas áreas: Clínica, Social e Organizacional. Amante da arte e da vida, gosta de compartilhar experiências e de conhecer vivências novas. Atualmente trabalha com treinamento e desenvolvimento, possui consultório particular e é colunista do site Fãs da Psicanálise.



2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA