Todos nós em algum momento da vida, ou em toda ela, passamos a nos colocar no papel de vítima.

Não existe ser humano que nunca tenha passado por isso.

Em algum momento da sua vida, você com certeza desejou que alguém sentisse dó de você. Ou arrumou uma gripe (a gripe é só um dos muitos exemplos de doenças psicossomáticas) para que alguém cuidasse de você. Ou contou uma história dura da sua vida para mostrar o quão sofrido você foi ou é.

Infelizmente, é muito fácil seguir o caminho da vitimização. Isso porque a maioria das pessoas está fazendo isso. A vitimização é algo que está arraigado no inconsciente coletivo. Por isso, temos que fazer muito esforço para mudarmos de comportamento. Isso claro, se você tem o desejo de mudar para uma vida melhor.

Por que sair do papel de vítima é melhor?

Existem sim muitos ganhos com esse comportamento, é verdade:

  • Atenção das pessoas;
  • Massagem ao ego;
  • Carinho.

Só que as perdas são muito maiores e mais dolorosas:

  • Falta de objetivos produtivos;
  • Atração de mais sofrimentos;
  • Relacionamentos doentios;
  • Falta de amor próprio;
  • Baixa autoestima;
  • Depressão;
  • Esses são alguns exemplos dos resultados de uma vida na vitimização.

A pergunta é:

COMO EU SEI SE ESTOU VIVENDO OU NÃO NO PAPEL DE VÍTIMA?

Comece a partir de hoje se observar melhor.

Sócrates pregava isso fortemente:

“Conhece-te a ti mesmo”.

1.   Observe suas conversas com outros

Em torno de que elas giram?

  • Sofrimento?
  • Doenças?
  • Crise?

2.   Observe seus pensamentos

Em torno de que giram seus pensamentos?

  • Ninguém me entende?
  • Não sou capaz?
  • Não consigo?

3.   Observe suas atitudes

O que atrai sua atenção?

  • Acidentes nas avenidas por onde passa?
  • Noticiários sensacionalistas?
  • Morte?

Todas essas são atitudes de pessoas que “gostam” do sofrimento. É só começar a falar de uma desgraça, que enche aquela roda de pessoas em volta, cada um com uma história pior do que a da outra pessoa.

E esse tipo de atitude é tão comum, que nem consideramos isso como parte de algo ruim. Já faz parte da vida. Quanto mais próximos dessas atitudes descritas acima nós estivermos, mais chances de agirmos como vítima nós temos.

Por isso, se você quer ter uma vida de sucesso: PARE IMEDIATAMENTE!
Você nunca vai ver uma pessoa de sucesso tendo atitudes assim.

Pessoas de sucesso não tem tempo para agir assim.

Enquanto muitos estão assistindo jornais que só trazem notícias ruins, eles estão ganhando tempo estudando maneiras de melhorar o mundo.

Enquanto muitos estão falando sobre desgraças, eles estão dando palestras motivacionais.

Enquanto muitos sentem prazer em parar o carro para ver acidentes, eles seguem sua viagem rumo à felicidade.

Você quer sair da armadilha da vitimização?

Então comece por abandonar os hábitos que foram descritos nesse texto. Pode ser desafiador no começo, mas no final, vai valer a pena.

Conhece mais alguma característica que nos leva a uma vida de vitimização? Deixe escrito no seu comentário abaixo.

Um grande abraço e sucesso.

(Autor: Rodrigo Simonassi)

(Fonte: eftprosentir)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



4 COMENTÁRIOS

  1. Já passei por muitas situações ruins, mas o pior foi a depressão. Por causa da doença me senti abandonada, sozinha, isolada do mundo e extremamente triste. Porém, sempre que possível procurei ajuda, nos familiares, amigos e tratamento médico. Mas, o pior aconteceu qdo um “amigo”, num momento de depressão crônica, em que eu estava no fundo do posso, me disse, sem dó nem piedade, sem a mínima empatia, que eu me fazia de vítima e responsabilizava ” todo” mundo pela minha infelicidade. Aquelas palavras foram cruéis pra mim. No contexto da conversa, apesar de estar vulnerável e sensível, percebi que ele estava transferindo pra mim alguma mágoa, ódio ou frustração, porque ele não falou com amor, falou pra me ferir mais ainda do que já havia ferido ( tínhamos um envolvimento emocional muito forte há cinco anos e era uma relação muito tóxica da qual não conseguia me libertar porque o amava). No fim, depois daquela fatídica conversa nunca mais nos falamos. Me distanciei dele, me desapeguei. Hoje, sei que realmente estava me vitimizando. Acho que para não perde-lo. Não perder sua atenção pelo menos. Mas sei tbm que o que ele fez foi tão cruel que daquele dia em diante sai da crise, me ergui sozinha e, resolvi que nunca mais na minha vida vou me vitimizar, muito menos me envolver com alguém tóxico. Superei, e continuo superando, um dia de cada vez. Não guardei nenhuma mágoa do que aconteceu pois cresci, amadureci e me tornei uma pessoa muito melhor. Concluindo, acredito que relacionamentos tóxicos nos levam a nós vitimizar, como co-dependentes de pessoas que costumo denominar vampiros emocionais. Estes, só ficam nas nossas vidas até perderem o interesse e conseguir seus objetivos: sugar suas energias, obter vantagens emocionais e até financeiras. Depois, usam de crueldade e frieza para tirar você dá vida deles. Fazem de tudo para te afastar da vida deles e ainda te culpam por tudo. É um paradoxo, mas neste momento, qdo são desmascarados e confrontados, simplesmente te rotulam de “vitimas da vida” te responsabilizam por tudo! Eles nunca assumem nenhuma responsabilidade, não sentem culpa, não pedem perdão, não se compadece. Isto é doentio, beira a psicopatia. E eu? A vítima? Aprendi identificar estes sujeitos e manter distância. Nunca mais me senti “vitimizada”.

  2. Totalmente eu neste momento ,que vergonha, o que ganhei solidão.Pois as pessoas somem, inventam desculpas para não conversar com você, dizem que estão ocupadas, mudam de assuntam , mostram impaciência, e pior de tudo é que eu sei mas continuo no mesmo erro. Vamos agora para luta e ver se dá certo.
    Obrigada pelas dicas.

  3. É o que eu mais desejo, sair desse estágio de vítima. Eu tento de tudo mais acabo caindo no mesmo erro, estou perdendo pessoas que me amam, e que eu amo por conta disso. Não sei mais oq fazer 🙁

DEIXE UMA RESPOSTA