Princesas de capa, heróis de avental – esse é nome do curso online que tem como objetivo estimular o pensamento crítico e combater as diferenças na criação de meninos e meninas.

Criado pela pedagoga Caroline Arcari e com a co-autoria da psicóloga Nathália Borges, o projeto foi desenvolvido pelo Instituto Cores e se vale de web-conferências, e-books, vídeos e fóruns para questionar os estereótipos de homens e mulheres na sociedade e ajudar pais e profissionais da educação e saúde a construírem novas possibilidades para as crianças.

Motes como “não desprincese as meninas, empodere até as princesas” e discussões sobre a construção de novos tipos de masculinidade são focos das atividades do curso, que acaba de fechar sua terceira turma e começa neste final de semana.

“O curso é totalmente à distância e abrimos um turma a cada mês. Por meio da plataforma Moodle, dispomos o conteúdo, que contêm documentários, planos de aula, sugestões e estratégias de educação familiar pra estabelecer igualdade entre meninos e meninas”, explica a pedagoga Caroline Arcari, presidente do Instituto Cores.

O mais interessante é que todas as atividades do curso foram elaboradas por crianças. “O Princesas de capa, heróis de avental é a concretização de um projeto de dois anos elaborado na Escola de Ser [projeto social também dirigido por Caroline], desenvolvido no bairro Rio Verde, em Goiás, inspirado na Escola da Ponte, de Portugal.

Lá, desenvolvemos a autonomia das crianças, que ajudam a gerir o processo de aprendizagem e criamos essas produções”, comenta.

Leia mais: Filha, eu não a quero “princesa”. Você pode ser uma mulher de verdade!

Por isso, princesas de histórias infantis e super-heróis famosos estão nos materiais do curso, como, por exemplo, a Ariel.

“Um exemplo que contestamos é o que acontece com a Pequena Sereia, que se casa aos 16 anos. Questionamos para as crianças: ‘Será que com essa idade vale a pena se casar?

Será que ela precisava dar a sua voz, que fazia parte de sua identidade, para conquistar um príncipe?’ O problema não é ser princesa, mas as situações as quais elas são submetidas que as tornam criaturas frágeis”, exemplifica a especialista.

Leia mais: Nada de princesas: mãe fotografa filha inspirada em grandes feministas

O curso é online, tem duração de 30 dias e abre turmas a cada mês, custando R$ 160. Todos os participantes recebem uma certificação do Instituto Cores.

SERVIÇO:
Endereço: www.escoladeser.org.br/princesas-de-capa
Mais informações: www.facebook.com/escoladeser

Fonte: Crescer

Autor: Vitória Batistoti e Vanessa Lima

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

RECOMENDAMOS




DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here