Você já se pegou em alguma das situações abaixo?

– Eu estava pensando nessa mesma música que você começou cantar.

– Nossa, como você descobriu que eu iria falar isso?

– Ohh, eu pensei em você neste instante e você me liga.

Essas são só alguns de vários exemplos de situações que a maioria das pessoas já se viram envolvidas. Essa comunicação instantânea espontânea cérebro a cérebro existe, mas muitos consideram uma simples coincidência.

Um grupo de neurocientistas internacionais e robótica foram tentar provar cientificamente que isso não é coincidência e descobriram pela primeira vez que os cérebros humanos podem de fato “falar” diretamente um ao outro, mesmo a milhares de quilômetros de distância.

Um estudo da comunicação cérebro-cérebro conduzida em coordenação com a Harvard Medical School provou que a interação extra-sensorial mente-mente pode acontecer através de grandes distâncias, aproveitando diferentes caminhos na mente.

O estudo, co-autoria de Alvaro Pascual-Leone, diretor do Centro de Berenson-Allen e Professor de Neurologia da Escola Médica de Harvard, descobriu que a informação pode ser transmitida com sucesso entre dois cérebros humanos com distâncias superiores a 5.000 milhas de distância.

Os pesquisadores estavam curiosos se alguém pudesse se comunicar diretamente com outra pessoa, e testaram sua hipótese através da leitura da atividade cerebral de uma pessoa para outra. Ocorrendo então, uma comunicação neuro-física de ‘mensagens instantâneas’.

“Na pesquisa foram transmitidas com êxito as palavras “hola” e “ciao” em uma transmissão de um local na Índia para um local na França mediada por computador cérebro-cérebro usando eletroencefalograma ligado a internet (EEG) e assistida por robô e estimulação magnética transcraniana guiada por imagem”.

Usando eletrodos ligados ao couro cabeludo de uma pessoa para gravar as suas correntes cerebrais (sinalização elétrica) durante um pensamento-ação, o computador poderia interpretar esse sinal e traduzi-lo para a saída de controle como um robô ou uma cadeira de rodas motorizada.

comunicação mente-a-mente-3

O estudo mediu um segundo cérebro humano na extremidade de recepção. Os participantes que tiveram a transmissão com êxito estavam entre as idades de 28 e 50 anos. Um indivíduo foi responsável pela interface cérebro-computador (BCI) e era o remetente das palavras escolhidas para o estudo, os outros três foram atribuídos a tarefa de receber a mensagem com a interface cérebro-computador e sendo observados seus padrões de ondas cerebrais .

Embora os padrões de EEG tivessem de ser traduzidos do código binário, a saudação ‘Hola‘ e ‘Ciao‘ foi realizada com sucesso e enviada com confirmação de volta ao remetente, na Índia a partir de França. Quando as mensagens foram enviadas, os indivíduos apresentaram estimulação cerebral fosfenos, que são flashes de luz, que ocorrem na visão periférica como uma espécie de código morse – como uma seqüência.


Isso comprova inicialmente experiências que as pessoas sabem quando um ente querido morre, mesmo estando a milhares de quilômetros de distância, fenômeno estranho que parece existir fora das barreiras tempo/espaço e aceitamos como limitações para a comunicação pessoa-a-pessoa.

Talvez possamos nos livrar de nossos celulares em breve, uma vez que aprendemos a “falar” diretamente com nossos destinatários, usando apenas as nossas mentes.

(Fonte: http://yogui.co/estudo-comprova-comunicacao-mente-mente-grande-distancia/)

(Fontes: CNETthemindunleashed)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA