Se o Brasil seguir a tendência de outros países e oficializar a indústria da maconha, nós teremos “uma fábrica de esquizofrênicos“.

A opinião é do psiquiatra Valentim Gentil Filho, professor titular da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), convidado do programa Roda Viva, apresentado na TV Cultura no dia 4 de novembro de 2013 e reproduzido pelo UOL.

Para o psiquiatra, considerado um dos mais influentes do país, a sociedade tem sido conivente e omissa em relação à droga, e os riscos provocados por ela não têm sido bem divulgados. Gentil Filho contou no programa que, segundo estudos bem fundamentados, a maconha aumenta em 310% o risco de esquizofrenia quando consumida uma vez por semana na adolescência. E trata-se de uma doença incurável: “O esquizofrênico pode ter uma vida praticamente normal, mas sempre há uma sequela”.

O psiquiatra sugeriu que, assim como pais permitem que seus filhos consumam álcool em festas, a informação distorcida de que maconha não faz mal fará com que eles deixem os jovens fumarem em casa. E o problema é que, nos adolescentes, que estão em uma fase de “poda” natural do cérebro para a entrada na idade adulta, a droga é especialmente prejudicial.

O professor também fez críticas à chamada luta antimanicomial, que fez o Brasil fechar milhares de leitos psiquiátricos sem proporcionar alternativas. Ele ressaltou que o atual modelo dos Caps (Centros de Atenção Psicossocial) não tem como substituir o atendimento ambulatorial e as internações psiquiátricas. Para Gentil Filho, não se trata de abandonar os pacientes em manicômios, mas garantir o tratamento em fase aguda. Ele reforçou que, atualmente, só um terço dos pacientes psiquiátricos diagnosticados recebe tratamento.

Leia mais: Adolescentes que fumam maconha têm 3 vezes mais chances de desenvolver psicoses na fase adulta

Para o psiquiatra, tanto a luta antimanicomial quanto a vinda de cubanos (pelo programa Mais Médicos) fazem parte de uma visão mais ampla que a medicina, de uma mentalidade que persiste no Ministério da Saúde e tem raízes político-ideológicas. Na prática, segundo ele, o que acontece é que há um número absurdo de pessoas com transtornos graves nas ruas, rejeitadas por hospitais e por outras instituições. “Há uma desassistência fenomenal e nós temos recursos terapêuticos”, lamentou.

Depressão e pânico

O convidado do Roda Viva também falou sobre o aumento no diagnóstico de depressão, que para ele é fruto de diversos fatores, como a ampliação dos conceitos sobre a doença e a descoberta de novas moléculas que se mostram mais eficazes que o placebo.

Ao falar de outros transtornos que têm sido mais frequentes, ele também mencionou a síndrome do pânico. Entre as possíveis causas desse aumento, de acordo com o especialista, estão o maior consumo de estimulantes, cafeína e medicamentos com ação no sistema nervoso e atitudes como a privação de sono, capazes de deflagrar crises. Mas ele pondera que o estresse não é algo novo na humanidade, assim como os transtornos mentais. “Eu prefiro viver hoje do que nos tempos bíblicos”, ironizou.

Leia mais: Sobre a depressão: “Preciso levantar dessa cama”

O programa apresentado pelo jornalista Augusto Nunes e a bancada de entrevistadores contou com Fernanda Bassette (repórter de saúde do jornal O Estado de São Paulo), Ulisses Capozzoli (editor-chefe da Revista Scientific American Brasil), Paulo Saldiva (professor titular da Faculdade de Medicina da USP, especialista em poluição atmosférica), Aureliano Biancarelli (jornalista da área de saúde) e Luciana Saddi (psicanalista, escritora e blogueira da Folha de São Paulo). O Roda Viva ainda teve a participação do cartunista Paulo Caruso.

Assista a seguir, trecho da entrevista onde o Dr. Valentim Gentil Filho fala sobre os terríveis efeitos do uso da maconha.

(Fonte: noticias.uol.com.br)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


18 COMENTÁRIOS

  1. Discussão inútil! O fato de liberar ou não, não vai alterar o números de “Esquizofrênicos” se é que realmente isso acontece as vantagens de liberar são inúmeras é tanta hipocrisia que esse Brasil nunca vai sair disso.
    Quantas maridos chegaram em casa “Fumado” e bateram na mulher ou no filhos?
    Quantas pessoas fumam maconha e saem com carro causando acidentes e matando gente?
    Pegue esses numero faça uma comparação com bebidas alcoólicas gente hipócrita

  2. Assim, a questão da discriminalização da maconha é bem mais ampla, a proibição não vai diminuir o número de fumantes, pois hoje quem quer consumi-la encontra facilmente. Sou total e a favor da legalização pelo simples fato de tirar o lucro da venda das mãos dos traficantes e revertir a impostos, esses no caso serão investidos na educação, na segura, onde quer que seja, pois o pior de tudo é todo esse dinheiro patrocinar o crime organizado no pais. Pois com decorrência disso quem sente na pele são os moradores das periferias, onde sofrem constantemente no meio desse fogo cruzado entre os tráfico e represália da polícia.

    • A legalização da maconha não vai acabar com o tráfico. Vai facilitar o acesso a outras drogas mais nocivas. O tráfico não vai acabar e o fogo cruzado vai continuar. As pessoas continuarão indo em busca do que é proibido (é uma questão cultural e de prazer) e quem mora na periferia vai continuar sofrendo, e, talvez, sofrendo mais.

  3. OFICIALIZAR MACONHA É ABRIR FÁBRICA DE ESQUIZOFRÊNICOS, ..Ou fechar as Fabricas da Industria FARMACÊUTICAS ?…QUE CRIAM UM MONTE DE PORCARIA…A questão é Econômica ,muito mais do que a Realidade imposta por interesses de Saúde Publicas em alternativas com responsabilidade.

  4. Infelizmente há na Psiquiatria duas linhas de trabalho. Essa já manjada do Dr. Gentil, proibicionista e outra totalmente a favor da discriminilização das drogas.
    A discriminilização da maconha não vai abrir a fábrica de esquizofrênicod porque ela já está aberta. Ela só vai impedir que a polícia mande esses esquizofrênicos e outros usuários para a cadeia.
    A ciência por trás do proibicionismo tem outros interesses.
    Se fosse assim, a indústria farmacêutica não dava dinheiro para a campanha contra a liberação nos estados americanos.
    Existe até estudos que provam, lá mesmo nos EUA que a maconha não aumentou casos no Colorado. Então, os fãs de Psicanálise tem que se posicionar diferentemente deste status quo.

  5. Já percebi uns maconheiros disfarçando por aqui…Num país lascado de gente preguiçosa e corrupta, liberar a maconha vai ajudar? Vai ajudar a deixar o povão mais alienado….Maconheiro não quer saber de P**** nenhuma tendo maconha prá ele fumar e um feijão com arroz tá tudo valendo. Por isso que os Comunistas fabianos como FHC querem liberar, por isso que tráfico de drogas e esquerdismo andam de mãos dadas…só pessoas alijadas da realidade acreditam que doutrinas assassinas podem levar ao bem estar comum!!!

  6. Acredito que com a legalização da maconha, o número de esquizofrênicos não aumentaria, tanto é que a maconha está acessível em qualquer lugar hoje em dia, mesmo sendo criminalizada. Isso sem falar da péssima qualidade da erva que é vendida nas “biqueiras”, que é misturada com diversos outros componentes químicos na intenção de render, mas que acabam prejudicando a saúde dos usuários.

  7. Eu vejo tanta gente emitindo sua opinião baseada muitas vezes em interesses próprios e não medindo as consequências de uma possível liberação, isso porque não tiveram que passar uma situação de convivência com um parente, irmão ou filho com esquizofrenia. É terrível essa situação e eu venho acompanhando a mais de 50 anos essa relação da Maconha com o desencadeamento de esquizofrenia e sei que essa matéria é real e preocupante, por isso sou totalmente contra a liberação e mais apoio uma politica de combate extremo ao contrabando e uso dessa e de outras substâncias toxicas.

    • Na moral… cade o surto de esquizofrenia na california? No colorado? Amsterda ate fechou presidio…
      Fabrica de esquizofrenico ê viver nesse hospicio chamado brasil

  8. A legalização inicial impõe um limite de quantidade e um limite de idade para sua compra, portanto, se faz mal para adolescentes, eles não irão comprar, pq será proibida para menores! A primeira vez em que fui comprar maconha do traficante (a policia poderia aparecer, me dar um coro, me levar pra delegacia, e até provar que eu era usuário, ja era) O traficante me ofereceu bala, lança, cocaina, etc. Se eu tivesse comprado da farmácia, não iria ser exposto a violência e a outras drogas. Se proibir a maconha não tem controle, se legalizar, temos!!

    • Essa de liberar ou não ,quem fuma vai continuar liberando ou não ,e quem fuma a cinquenta anos sera que já tá esquizofrênico kkkkkkkkk .Mas quem toma cachaça a 50 anos j´perdeu mulher filhos e tão que nem zumbi nos botecos , a e encostado no inss mamando nas tetas do governo são o que .

  9. A fábrica de pessoas com sofrimento psíquico já está aberta nesse país faz tempo!!!! Como ensinar as crianças a serem pessoas coerentes, a cumprirem suas obrigações, a ajudar os outros, a serem colaborativos nessa sociedade atual??? O que esse funcionamento da sociedade (político, Economico e social) está contribuindo para o adoecimento??? Manchete sensacionalista, baseada no medo, (na moral e nos bons costumes 😡) Que presta um desserviço muito sério para um debate coerente sobre a legalização! Aliás, o que nesse país é levado a sério? Nem 51 milhões de motivos!

  10. Sabe o que é pior … é uma entrevista de 2013 … e voltaram a circular pra provocar uma discussão rasa sobre a legalização! Baseada no medo, na moral e nos bons costumes! E não baseada em politicas de saúde e sociais! Esse país tá condenado!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here