“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”
(Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe)

Ao longo de nossas vidas construímos relacionamentos fantásticos que nos ajudam a nos tornar aquilo que somos. Nós decidimos quem irá permanecer em nossas vidas e de que forma, quer seja como amigo ou como um amor.

Mas o que acontece quando estamos em um relacionamento e temos um amigo do sexo oposto? Se somos só amigos, por que meu cônjuge se magoa tanto com este relacionamento?

Em nossa mente o conceito de amizade e amor parece estar bastante claro e definido, mas e na mente do seu cônjuge ou na do amigo? Na teoria parece bem simples, mas quando aplicamos na vida real nos deparamos com um problema: nosso cônjuge também é nosso amigo, mais ainda: ele deve ser nosso melhor amigo.

Na verdade este é um campo muito delicado, mas devemos tomar cuidado sempre para que atitudes aparentemente normais não sejam mal interpretadas nem por parte do amigo e muito menos da parte do cônjuge.

De modo geral, há alguns comportamentos que provocam reações negativas em nossos cônjuges, são situações que devem ser analisadas e muitas vezes evitadas. Veja quais atitudes que podemos tomar que, mesmo sem querer, acabamos magoando nosso cônjuge, e podemos até acabar com nosso relacionamento:

Quando procuramos um amigo para nos auxiliar em algum problema ou para compartilhar algo bom que nos acontece durante o dia ou durante a semana, costuma ser normal e aceitável, mas quando se trata do sexo oposto pode trazer serias complicações.

Primeiramente deve ser analisado que ao dividir uma vida, dividimos os problemas, alegrias e tristezas. Quando procuramos alguém de fora, principalmente do sexo oposto, estamos abrindo margem para dúvidas em nosso relacionamento: por que não eu?

Acabamos provocando no outro o sentimento de inferioridade, uma vez que foi “julgado” como incapaz de ajudar nosso companheiro, de compreender ou até mesmo de lhe proporcionar momentos felizes.

Veja algumas situações que podem causar mal-estar em seu cônjuge:

  • 1. Quando incluímos demais o amigo do sexo oposto em todas as programações que devem ser de família.

    Incluir os amigos dentro do ambiente familiar é bom, mas quando é demais pode causar sérios desconfortos ao cônjuge.

    Existem ocasiões em que o amigo acaba tendo tamanha liberdade que acaba interferindo na vida do casal, dando opiniões quando não solicitado, esquecendo dos limites.

  • 2. Quando há conversas entre si com muita intimidade e carinho

    Intimidade e carinho são atributos de um casal (casado), que conhecem um ao outro com profundidade de sentimentos e emoções. Quando esse comportamento é detectado em um casal de amigos, sendo um deles ou ambos casados, além dos desconfortos, pode-se gerar desconfiança e até mesmo o fim do relacionamento.

    Devemos SIM preservar as nossas amizades, mas com a devida cautela. E quando sentirmos que nosso cônjuge se sente desconfortável em relação a certa amizade, devemos conversar a respeito, sem imposições, mas ouvir qual o real ponto de vista do outro.

    Deixar limites estabelecidos de maneira clara e em que ambos estejam de acordo é a melhor solução para evitar atritos desnecessários. Mas lembre-se: a partir do momento que você resolve dividir sua vida com outro alguém, este alguém também fez o mesmo por você, e, ambos devem ser prioridades na vida um do outro.

    Conversas são a base de tudo, e as duas partes devem ceder para manter um relacionamento equilibrado. Mantenha-se sempre aberto para o diálogo para que no meio desses confrontos, sempre consiga achar uma solução boa para todos, e que não machuque a nenhuma das partes.

(Autora: Mayara Taguti é graduada em Direito pela Anhanguera Educadional, ama livros, música e cinema. É Assistente Jurídico em um Escritório de Advocacia, professora de inglês básico para alunos de todas as idades e ama o que faz)

 

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA