Você está sempre cansada? Nós também! As vezes parece que estamos até sendo repetitivas mas o nosso estado constante é “exausta” desde que as crianças nasceram. Bom, infelizmente nós não temos previsões muito otimistas para o futuro, mas nós podemos dar algumas explicaçōes do porquê mães (e pais) estão operando no limite das suas capacidades físicas. Na próxima vez que alguém perguntar porque você está tão cansada ou alguém insinuar que as coisas não são tão difíceis assim… lembre-se deste post aqui!

Mães nunca mais dormem uma noite inteira. Nunca. No começo é porque o recém nascido acorda a noite inteira, depois porque quando ele começa a dormir umas 4, 5 horas de uma vez, as mães acordam em pânico sozinhas: “Meu Deus porque ele não acordou?? Está tudo bem?” Depois tem a fase na qual as mães não conseguem dormir mais porque acordam com um choro de criança fictício que só existe na cabeça delas. Ah… ou elas não dormem por falta de espaço na própria cama já que tem muita criança lá na casa dos 5 anos que adora dormir na cama dos pais. E de preferência na transversal, deixando 10 centímetros para as mães no pé da cama. E ainda nem estamos falando da adolescência, imagina que delícia deve ser dormir sabendo que o filhote está numa festinha? E com os filhos adultos, o relógio biológico já está alterado mesmo pelos eventos noturnos das últimas décadas que as mães aprendem a funcionar sem dormir e não dormem mais.

Não há tempo ocioso. Tentar gravar o número de alguém no telefone não é uma tarefinha tão simples. A pessoa lhe manda uma mensagem de texto e você quer apenas acrescentar o nome dela a sua lista de contatos. São pelo menos umas oito tentativas antes de desistir completamente, porque simplesmente os filhos ficam em cima, tentando tocar na tela. É difícil explicar pra alguém que “Não tenho tempo nem para colocar um número num telefone”. A não ser que você esteja no banheiro. Sim, porque para muitos pais e mães, naqueles 5 minutinhos de paz sentados na privada, dá para fazer muita coisa além do óbvio. Eles podem, por exemplo, conseguir checar o feed de notícias. E até há casos de fingirem mesmo uma vontade de ir ao banheiro só para checar o feed de notícias. A menos, claro, que os filhos acompanhem você ao banheiro como num comboio e fiquem lá dentro lhe dando aquele apoio moral. Então realmente não vai existir nenhum lugar seguro e isolado, mesmo na hora de fazer o número 2.

Não existem dias de folga. Todo mundo, independente de ter filhos, pode se sentir exausto. E qualquer pessoa, que não está bem, tem o legítimo direito de tirar um dia de folga para descansar. Mas pais e mães não tem dia de folga nem se estiverem doentes. Ficar doente é o pior, porque você simplesmente não pode estar doente. Bem, você pode até ficar doente, mas você não pode agir como tal. Se você está em frangalhos, e resolve não ir para o trabalho para se recuperar, mesmo assim você ainda precisa dar conta da casa, fazer comida e ver a roupa. E as crianças ainda precisam se sentirem amadas. Os pais ficam, então, potencialmente doentes em todos os momentos ja que nunca terão chance de se recuperar 100%.

Cérebros sobrecarregados. Há uma enxurrada de requisições, uma infinidade de “Mamãe. Mamãe. Mamãe. Mamãe” e ainda um monte de perguntas do tipo: “O que é isso?” E não importa qual resposta é dada, há sempre um arsenal infinito de “Por quê? Por quê? Por quê? “. E tem ainda os pedidos de músicas e o “me conta uma história, mamãe”. Não estamos dizendo que os diálogos com os pequenos seja algo ruim, é claro que faz parte e pode ser divertido. A questão é que eles são intermináveis. Acontecem a cada segundo. Sim, nós sabemos, eles vão crescer, as perguntas vão diminuir e dependendo da idade vão sair cada vez menos palavras e as poucas que surgirem podem até nem serem bonitas como gostaríamos. E então vão aparecer problemas muito mais difíceis de serem resolvidos, o que significa que a sobrecarga no cérebro jamais desaparece independente de quantos anos seu filho tenha.

Hora extra para cuidar do casamento. Às vezes, os casais ficam até duas horas da manhã assistindo qualquer coisa na Netflix. Porque querem desfrutar um tempinho um com o outro. Aí se sentam como preguiças num sofá cheio de migalhas de biscoito, enquanto comem pipoca um ao lado do outro, sem ter que estabelecer nenhuma conversa. Isso para um casal com filhos pequenos pode ser quase tão bonito como assistir o pôr do sol numa praia de Cancun, com uma margarita nas mãos. Quase. É só algo tranquilo, calmante. E é necessário para a estabilidade conjugal. Vale a pena pagar o preço de desistir de uma noite inteirinha de sono, para não acabar desistindo de ficar casado.

Desgaste físico. Nem estamos falando sobre a obviedade do que a gravidez faz com seu corpo. A história aqui é das consequências enquanto eles estão crescendo. O que dizer das sessões constantes de levantamento de peso? 8 quilos de um num braço, 12 quilos de outro no outro braço. E eles nem são como sacolas de supermercado porque afinal eles se contorcem, pulam, o que definitivamente faz a tarefa de carregá-los ser ainda mais puxada. E a brincadeira de querer correr, correr para que a gente não consiga alcançá-los? Sem contar os super heróis que aparecem repentinamente por trás do sofá querendo se pendurar nos seus ombros ou aquele ninja que resolve testar a própria força na sua barriga. Há pouca ou nenhuma chance de conseguir ser pai ou mãe sem ir dormir com alguma sequela física ou precisar de uma consulta por causa de uma hérnia de disco.

Em função de limpar (inúmeras vezes). Quem nunca, como pai ou mãe, tem alguma história para contar sobre uma ou várias situações em que um filho vomitou no tapete, dentro do carro, em cima de você ou em cima da cama? Claro que todo mundo precisa limpar sua própria casa e ter hábitos de higiene é premissa de qualquer ser humano. Mas a quantidade de vezes que a gente precisa limpar a casa e os corpinhos (de terra, tinta, areia, chocolate, suco ou vômito (!)) é algo bem distante da realidade de quem não tem criança. Brinquedos, roupas, tigelas, pratos, copos… a sequência do suja-lava-suja-de-novo-lava é interminável. E vai continuar assim com os filhos em plena puberdade, onde provavelmente ainda mais roupas serão deixadas pelo chão.

Sim, mães e pais estão tão cansados que, às vezes, eles até se deitam no chão. E ficam lá, largados, se espreguiçando no tapete. Agora você já sabe o por quê. E mesmo quando eles estão no chão, eles ainda estão felizes. Eles só estão muito cansadas pra sorrir.

Esta é uma tradução livre do texto “This Is Why Parents Are More Exhausted Than You Think They Should Be”.

(Fonte: tudosobreminhamae.com )

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA