Durante a vida intra-uterina, o nosso cérebro se forma cercado de uma sensação de aconchego, paz e harmonia. Vivemos no paraíso – e o nascimento corresponde a sermos expulsos dele. A partir daí, passamos a experimentar aqueles que talvez sejam os piores tempos da nossa vida: temos frio, fome e sede; nos sentimos desamparados, realmente desesperados, quando não somos atendidos imediatamente por nossas mães.

A hipótese que tenho defendido a respeito da origem do amor é a de que resta em todos nós uma espécie de “nostalgia” daquela sensação que experimentamos durante a “fusão” uterina. Desejamos retornar a esta situação, agora no sentido figurado.

Nossas primeiras experiências de união romântica são, de novo, com nossa mãe, aquela que nos nutre, cuida de nós e nos dá serenidade com sua presença. A recíproca é verdadeira: ela também experimenta uma forte sensação de algo completo durante a gestação. E, desde o nascimento, temos um persistente sentimento de vazio interior. É como se, ao nascer, deixássemos para trás um pedaço de nós mesmos. Assim, a solidão é a falta de algo que nos foi tirado – e por isso buscamos uma parceria amorosa. Se nos sentíssemos completos, o amor não existiria.

Ora, nossas mães também se sentem incompletas. Na gravidez, elas se apegam a nós como remédio para o vazio que sentem. Ao nascer, trazemos de volta essa sensação, que às vezes é responsável por fortes depressões, tão comuns nesse período.

Em princípio, mãe e filho se amam: estão unidos por um tipo de aliança incondicional, que não depende das peculiaridades da personalidade dos envolvidos. Com o passar dos anos e o desenvolvimento da razão, os processos que nos ligam deixam de ser exclusivamente físicos e passam também pelo crivo da nossa reflexão. Pode ocorrer de um filho descobrir características muito desagradáveis – sob o seu ponto de vista – no modo de ser da mãe. Ou o contrário: a mãe vê seu filho amado se tornar uma criatura muito diferente do que ela esperava que fosse.

Ambos os processos são bastante frequentes. Poderíamos presumir, então, que a maioria dos filhos deixa de amar suas mães e vice-versa? Essa visão não corresponde aos fatos. Pelo que nossas mães representam, nos inclinamos para a condescendência: somos mais compreensivos e tolerantes com elas. Da mesma forma, a mãe tende a minimizar os defeitos do filho.

Em alguns casos, não somos capazes de amar nossas mães – ou nossos filhos – nem mesmo levando em conta esta parcialidade.

Quando as diferenças no modo de ser, de pensar e de agir são muito grandes, não há como negar que aquela pessoa, um dia tão importante para nós, agora provoca revolta, ressentimento e, por vezes, repulsa. Isso é errado? Seria um sinal de fraqueza de quem não consegue amar a mãe – ou o filho? Certamente não. Isso significa que as diferenças se tornaram tão fortes que nem mesmo toda a tolerância em relação aos nossos elos originais foi suficiente para manter acesa a chama do amor.

(Autor: Flávio Gikovate, psiquiatra)

Compartilhar

RECOMENDAMOS

Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


2 COMENTÁRIOS

  1. Fui criada pelos meus avos maternos desde quando nasci, não tive convívio com meus pais e hoje com 25 anos não interesse pela vida deles, não desejo nada de ruim mas no tenho vontade e já não sinto mais a falta deles em minha vida, todos da minha família não comentam sobre eles comigo porque já sabem que eu não quero saber.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here