O diagnóstico atual da depressão é baseado em avaliação clínica, com base no que os indivíduos relatam sentir. Pessoas com depressão frequentemente descrevem uma inabilidade de sentir prazer com as coisas das quais costumavam gostar, necessidade de se isolar e fadiga, entre outros sintomas.

Mas alguns casos de depressão não são tão facilmente identificáveis apenas clinicamente. Pior ainda, muitas pessoas ainda acreditam que depressão é apenas um estado de espírito, sem motivos físicos para acontecer. Por isso a notícia de que agora é possível apoiar este diagnóstico com exames de imagem é animadora para muitas pessoas. Pesquisadores conseguiram identificar algumas regiões cerebrais que são afetadas em pessoas com depressão.

Uma dessas regiões cerebrais afetadas pela doença é o sistema límbico, que apresenta reduções em sua massa cinzenta. Esta região é responsável pelas emoções, comportamento e motivação. Outra região é a pré-frontal, que envolve a tomada de decisões e o comportamento cognitivo.

A maioria das pesquisas anteriores comparava grupos de pessoas com depressão e pessoas saudáveis, mas este estudo foi um pouco diferente. Cynthia Fu, uma das pesquisadoras da Universidade do Leste de Londres (Reino Unido), diz que até algoritmos foram utilizados no trabalho.

“Identificamos padrões nas regiões cerebrais que são mais comumente identificadas no grupo de pacientes com depressão. Então questionamos se o mesmo padrão poderia ser encontrado em outra pessoa e se isso indicaria que ela também está sofrendo de depressão”, descreve ela.

Para fazer isso, foi aplicada uma forma de análise chamada Aprendizado de Máquina, usando algoritmos desenvolvidos através de teorias da inteligência artificial. Ela funciona ao reconhecer padrões em dados e aprender com esses padrões para fazer previsões em novos dados.

Esses dados vieram de exames de ressonância magnética em 23 adultos com depressão profunda e 20 indivíduos saudáveis.

Leia Mais: 7 Sinais de que seu parceiro está com depressão

Tratamento ideal

O estudo também analisou possíveis abordagens de tratamento para os pacientes. Os pesquisadores queriam saber se a ressonância poderia indicar se aquele paciente teria uma boa resposta a medicamentos ou a terapia psicológica. “Descobrimos que há padrões específicos no cérebro que distinguem o quanto a depressão de uma pessoa vai melhorar se tratada com antidepressivos ou com terapia psicológica”, diz a pesquisadora.

Os pacientes com grande potencial para responder ao tratamento com medicamentos tinham uma densidade maior na região da massa cinzenta relacionada à motivação. Já os pacientes com baixo potencial tinham maior densidade em áreas do cérebro envolvidas na recompensa. “Com base nisso, conseguimos dizer se um paciente responderia bem à antidepressivos”, resume a cientista.

Um desafio do estudo é aprender a identificar áreas do cérebro que são específicas da depressão, e não de outros transtornos como a o transtorno bipolar ou a esquizofrenia.

O estudo foi publicado na revista British Journal of Psychiatry, e mostra que a depressão está ligada a uma mudança na estrutura cerebral. Outros pesquisadores apoiam os resultados da pesquisa, que deve ser replicada em outras universidades em breve.

(Fonte: sciencealert)

*Tradução equipe Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise

A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here