Se por muito tempo permanecemos adormecidos pelo feitiço do amor romântico, a partir do momento em que nos damos conta de que tudo era uma farsa e de que o tal príncipe destinado a nos tirar daquele sono solitário jamais viria, o jogo vira bruscamente.

Ao declarar morte ao sentimentalismo meloso e às demonstrações exageradas de afeto, muitas das idealizações e juras de amor eterno deram lugar a uma suposta racionalidade caracterizada pelo desapego e pela disputa de quem se importa, demonstra e cobra menos dentro de um relacionamento.

Nessa de levar uma vida moderninha, ninguém quer assumir o papel antiquado de ser a pessoa que se interessa mais do que a outra na relação.

Desde situações mais simples, como ser a primeira a mandar mensagem no dia ou chamar para sair, a outras mais complexas, como se abrir ou exigir respostas em momentos mais tensos, há sempre uma barreira que nos impede de agir espontaneamente, levando-nos a um calculismo prévio para cada movimento e proporcionando um desgaste imenso.

Leia mais: Mensagem visualizada e não respondida

Isso porque, basicamente, os relacionamentos modernos sustentam-se em jogos psicológicos tão subliminares que não servem para outra coisa senão encher nossas cabeças com futilidades.

Dentro dessa nova moda, por exemplo, a regra diz que, se ele levou duas horas para te responder no WhatsApp, isso quer dizer que você deve esperar mais duas para responder e não parecer a desesperada que olha o celular de minuto em minuto, certo? Errado.

O medo da entrega e de um lance mais sério tem nos levado ao ridículo da covardia amorosa. Se após a primeira ou segunda noite de sexo rola a menor demonstração de intimidade, a primeira resposta é correr.

Leia mais: Você não deixa ninguém entrar na sua vida

Carinho na frente dos outros nem pensar. Falar sobre aquela música que te faz lembrar de vocês dois? Brega. A ideia de demonstrar seu gostar te enche de calafrios por saber que a recíproca não virá. Dizer um “te amo”, então, é declarar a própria morte em praça pública.

Afinal de contas, para que se arriscar tanto se expressando se já fazemos o suficiente através de interações nas redes sociais?

A verdade é que um like não é sinônimo de amor e que é preciso muito mais atitude do que demonstrar suas emoções através de um clique. Dessa forma, enquanto permanecermos compenetrados nesta fria competição de ver quem “está mais nem aí”, o melhor orgasmo da sua vida deixará de ser compartilhado, assim como seus melhores momentos juntos nunca serão recordados em voz alta.

Leia mais: A solidão nas redes sociais – Leandro Karnal com Marília Gabriela

Seguindo esse caminho fatal, provavelmente seus relacionamentos incipientes serão rompidos assim, do nada, com um deixando a vida do outro sem saber de sua importância e significado durante o tempo em que estiveram juntos.

Ah! E é claro que isso acontecerá através da internet, sem qualquer exigência de uma conversa cara a cara, já que você pode até sofrer e chorar as pitangas por aquele término, mas ninguém precisa saber.

Seja por uma síndrome de querer ser a diferentona que não se machuca ou seja por medo de perder a pessoa amada — já que a mãe Diná não está mais aqui para trazê-la de volta —, estamos nos enfiando cada vez mais em uma lógica de modernidade tóxica na qual a entrega é terminantemente proibida e se permitir sentir está fora de cogitação.

Leia mais: Somos a geração que não quer relacionamentos

Ao desprender tanta energia desconstruindo filmes da Disney e se convencendo de que tudo não passa de mera ficção, fugimos cada vez mais de nossa própria realidade e da constatação de que sim, ainda gostamos de nos envolver, andar de mãos dadas, gostar, gozar e, se der vontade, se sentir livre e à vontade para dizer que quer repetir tudo mais uma vez.

*Texto publicado originalmente por Bianka Vieira no Site Lado M e reeditado com autorização do administrador

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



71 COMENTÁRIOS

    • “os homens estão aprendendo o que as mulheres sempre fizeram”
      Não, colega. O texto mostra o quão frias as pessoas têm se tornado, ainda mais agora com tanta tecnologia. Não são as mulheres as famosas por serem melosas, querer discutir relação etc? Como, então, você pode dizer que elas sempre foram frias? Tem cada uma…

    • Concordo……mas acho que os homens descontam na mulher errada. Depois de muito serem tratados assim…..daí quando encontram a mulher certa não sabem valorizar……acham que ela é igual as outras.

    • KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    • Falou tudo Thiago!
      Elas estão cada vez mais folgadas, se achando… culpa dos troxas que ficam babando ovo nas fotos que elas postam pra alimentar o ego.

      • O texto refere-se às demonstrações de amor no geral, não a um gênero especifico. Retrata o fato de não poder demonstrar mais o que sente por insegurança do que “recebera de volta, medo e até, por mais bizarro que seja, vergonha do que sente! Que falta de interpretação de vocês meninos, Ricardo e Thiago.

    • Para mim, não tem ninguém aprendendo nada com isso a não ser o manuseio e configuração de aplicativos cada vez mais pautados pela superficialidade dos relacionamentos. Engano do Thiago achar que isso é uma guerra entre os gêneros, esse entrave é exclusividade de seres humanos x tecnologia. Até mesmo porque, o tradicional relacionamento “homem e mulher” abriu espaço para a diversidade, para o amor. Onde você (Thiago) descartaria a “culpa” pelos jogos psicológicos e frieza desenvolvidos em um relacionamento homossexual, entre dois homens? Não me diga que um terceiro elemento, feminino, tem responsabilidade nisso, né. prfvr

  1. Gostei muito do texto. Apenas acho que faltou nele algum tipo de solução para o problema, ainda que fosse utópica. Você realmente acredita que no fundo essas pessoas desejam viver o amor romântico novamente? Eu acredito que não. Se elas desejam esse desprendimento e distanciamento é porque elas são desprendidas e distantes. Seu desejo é o que você é. O que acha?

    • Como assim solução Monique? Neste caso o “problema” não é o problema, ele é um fato, ele existe, ele funciona assim, cabe as pessoas aprenderem a conviver com ele, muitas reclamam e não aceitam, outras se adaptam e tiram proveito dessas características.

      A parte interessante deste link é que justamente a mina que eu vi postar em sua timeline é do tipo que só se interessa por caras espertos que não demonstram interesse por ela.

      Pode falar o que quiser, pode chorar, reclamar e espernear, mas olhe ao teu redor, teus amigos, conhecidos, olhe para você mesma, quando alguem te quer você não quer, quando alguem te esnoba você pira de paixão. Essa técnica funciona, dificil é você admitir.

      E é justamente assim que eu ganho a mulherada.

      Se você sabe como as coisas funcionam, tudo fica mais fácil, gostando ou não, aceitando ou não, não importa, nem eu gosto, mas as coisas são como são e não é aquele mais forte ou mais inteligente que sobrevive e evolui, e sim o mais adaptável. Eu.

      • Acho que o intuito do texto não mostrar que você tem que aprender a conviver com esse fato, acho que o texto é uma crítica às pessoas que agem dessa maneira.
        E assim, na boa? Conheço casais de namorados muito felizes e que estão longe dessa realidade de ”quem se importa menos”, pelo contrário, os dois se importam e fazem questão de demonstrar tal coisa

    • Não existe solução, porque não existe fórmula mágica. O texto é uma constatação dos tempos atuais…cabe a nós resgatarmos o “amor romântico”, ou nos afundar no individualismo.

    • Monique, realmente é um ótimo texto. Com relação à solução, não creio que de fato ela exista como uma regra geral. Não consigo imaginar um caminho, até porque cada um é constituído por diversas histórias de vida e formas de ser-no-mundo e estar-no-mundo. O que me parece é que nós, seres humanos, temos andado perdidos no tocante aos nossos sentimentos, em nossas neuroses pueris. Talvez por essa causa acredito que fomos aprendendo a nos tornar distantes em muitos tipos e níveis de relações. A solução pra mim seria que cada um buscasse se conhecer melhor: saber quem de fato é… saber dos seus medos… tornar-se menos alienados de si.

  2. Muito verdadeiro o texto. Nós, sempre contraditórios, agimos de uma forma que, no fundo, nos machuca e sufoca nossos verdadeiros desejos. Somos felizes assim???

  3. Na realidade, este texto não tem como objetivo dar uma solução, mas sim foi feito para se refletir a respeito. Realmente acabamos nos tornando pessoas frias diante de todas as coisas que passamos, parece que ninguém mais quer se dar ao gosto de uma relação amorosa. Ótimo texto, aliás.

  4. Ótimo o texto, eu já passei por essa fase e já superei também, hoje sou mais espontâneo entretanto tenho minhas prioridades mas não tenho medo de demonstrar afeto afinal quem foge de confronto que seja, emocional, é covarde hahaha

  5. Acho que o medo de ser rejeitado ou ser ser trocado tem sido o protagonista das relações e por conta dele deixamos o lado frio tomar conta. Um simples “oi” ou “bom dia” já se torna o suficiente como demonstração “eterna” de afeto. O “felizes para sempre” tornou-se “que seja eterno enquanto dure”, e dura pouco acredite. Antigamente quando algo estragava, se empenhava para consertar, hoje é substituído com facilidade por algo mais novo e moderno. Assim também é nos relacionamentos. O alvo não é mais fazer o outro feliz, e sim quem pode machucar mais. Não se pode dar segurança para prender uma pessoa, mas sim a insegurança de perde-la. Seria mais fácil se pudéssemos agir sem seguir a risca tutoriais de como ser poderosas e sedutoras, fazendo justamente o oposto que nós gostaríamos. Não, não é instinto animal, é burrice de quem gosta de complicar as coisas. Tudo pode ser tão mais simples, causaria menos estresse, menos decepções. Cabe a cada um começar a repensar seu modo de agir, pois o que era o diferencial, já se tornou banal.

  6. Bom o texto, acho que ñ é preciso respostas, tão pouco solução para problema, não existe o problema, o distanciamento, o afastamento é um tipo besta de agreção, indiferença é uma idiotisse que cometemos e nos atinge em cheio, só faz mal a nós mesmos..

  7. Parece que esse texto foi escrito por mim há uns anos atrás. Hoje, aos 30, fico feliz em ver que eu já superei isso. Não há mais jogos mentais, nem ansiedade, nem perda de tempo tentando interpretar cada atitude ou omissão dos outros.
    O segredo é entender e respeitar a sua individualidade e também a do outro. Tem que buscar um relacionamento saudável e maduro, baseado em afinidades.
    Deve ter muitos meninos bacanas que adorariam te dar esse amor que você almeja, mas você deixa eles na “friendzone” e deseja os que não te dão bola. Isso acontece demais! Já pensou que pra esses que não te querem você é chata e grudenta igual seus amigos da “friendzone” são pra você?
    As pessoas acusam os outros de serem egoístas, mas muitas vezes elas é agem de maneira egoísta, pois não exercitam a empatia, não entendem que cada um tem seu tempo, suas vontades, e isso tem que ser respeitado. De repente a pessoa não pode ou até mesmo não quer responder sua mensagem agora, ou nunca. Pra que insistir? Pra quer se enlouquecer analisando demais cada atitude? Melhor fazer alguma atividade, planejar seu futuro, ser o melhor de você pra quando chegar uma pessoa madura e a fim de relacionamento.
    Enfim, são pontos pra refletir. Espero que um dia você leia as angústia desse texto como se tivesse sido escrito por uma pessoa do passado que você não conhece mais. Boa sorte!

  8. Acredito que as pessoas tem adotado cada vez mais esta postura…especialmente as mulheres, porque os homens vem demonstrando ao longo de anos e anos de história que valorizam aquelas que realmente se preocupam mais em receber do que dar. As que se mostram muito disponíveis, solícitas, carentes e apaixonadas são as que choram em busca de conselhos nos ombros de uma amiga que se preocupa mais com a própria vida e não se esforça tanto em nome do amor, e ainda assim tem vários homens a seus pés.
    Convenhamos que devemos buscar um equilíbrio saudável…Sem criar uma disputinha. Saber dar e receber sem sufocar e/ou controlar.
    Os excessivamente carentes precisam aprender a gostar mais de si e de suas próprias vidas para serem interessantes ao outro. E os excessivamente desapegados aprender que se doar não significa se perder. #Sóacho.

  9. Acredito que as pessoas tem adotado cada vez mais esta postura…especialmente as mulheres, porque os homens vem demonstrando ao longo de anos e anos de história que valorizam aquelas que realmente se preocupam mais em receber do que dar. As que se mostram muito disponíveis, solícitas, carentes e apaixonadas são as que choram em busca de conselhos nos ombros de uma amiga que se preocupa mais com a própria vida e não se esforça tanto em nome do amor, e ainda assim tem vários homens a seus pés.
    Convenhamos que devemos buscar um equilíbrio saudável…Sem criar uma disputinha. Saber dar e receber sem sufocar e/ou controlar.
    Os excessivamente carentes precisam aprender a gostar mais de si e de suas próprias vidas para serem interessantes ao outro. E os excessivamente desapegados aprender que se doar não significa se perder. #Sóacho.

  10. Infelizmente, me deparo com isso com frequência. O problema é que sempre sou eu que sou aberto, as mulheres nunca revelam nada. E quem acaba saindo perdendo é quem se dedicou, quem viveu o momento.
    Não sou fã de joguinhos. E deve ser justamente por isso que estou constantemente fora do jogo.
    Eis que um dia aparecerá uma mulher antijogo pra não jogar comigo.

    • Você é dos meus. Odeio joguinhos! Porque não ser natural?! Estar com saudades e ter que esperar o outro se manifestar para dizer algo é muito complicado para mim. Esse sentimento sufoca, pelo amor de Deus gente, jogue limpo desde o início, pessoas sensíveis como eu sofrem muito!

    • Também sou antijogos Gabriel e tive a benção de namorar uma pessoa tão antijogo como eu. Não precisamos ficar pisando em ovos e isso é bom demais! Bom, sou católica e certa época rezei pedindo intercessão à São José, pedindo uma pessoa bacana na minha vida. Deu certo para mim.

  11. Goste muito do texto é a pura realidade do mundo atual..as pessoas estão vivendo sentimentos artificiais e sendo cada vez mas infeliz*..

  12. Estamos virando robôs e as pessoas não estão se dando conta! A influência do inconsciente coletivo excedeu a individualidade! Necessitamos desesperadamente de nos achamos!

  13. Como assim solução Monique? Neste caso o “problema” não é o problema, ele é um fato, ele existe, ele funciona assim, cabe as pessoas aprenderem a conviver com ele, muitas reclamam e não aceitam, outras se adaptam e tiram proveito dessas características.

    A parte interessante deste link é que justamente a mina que eu vi postar em sua timeline é do tipo que só se interessa por caras espertos que não demonstram interesse por ela.

    Pode falar o que quiser, pode chorar, reclamar e espernear, mas olhe ao teu redor, teus amigos, conhecidos, olhe para você mesma, quando alguem te quer você não quer, quando alguem te esnoba você pira de paixão. Essa técnica funciona, dificil é você admitir.

    E é justamente assim que eu ganho a mulherada.

    Se você sabe como as coisas funcionam, tudo fica mais fácil, gostando ou não, aceitando ou não, não importa, nem eu gosto, mas as coisas são como são e não é aquele mais forte ou mais inteligente que sobrevive e evolui, e sim o mais adaptável. Eu.

  14. Excelente o texto. Estava em um relacionamento que terminou há pouco tempo e sentia exatamente isso, tanto por parte dela, quanto minha. Agora que terminamos eu me sinto mal por ter agido tão desse jeito. É algo mais forte que eu. Não existe solução ao problema, como perguntaram acima. Acho que o quê pode ser feito é uma conversa originária de alguém com experiência que te faça enxergar que isso não é uma competição. O casal só tem a perder.
    Esse artigo pode não ter sido uma conversa, mas percebi que precisava ler pra perceber certos vícios meus em relacionamentos.

  15. Interessante o texto. Essa geração de “calculistas” infelizmente está deixando de viver e saber o que realmente é amar e ser amado pura e simplesmente por uma questão de orgulho. Não há sensação melhor do que externar um sentimento independente de saber se ouvirá ou não algo similar. Quando vc diz a pessoa amada o quão importante ela é em sua vida, dificilmente ela se resguardará e não responderá da mesma forma.

  16. Faça tudo com amor, veja com quem você vai se envolver, quando fizer isso e se você sentir que ela joga assim ou você acaba com aquilo ou aquilo vai estragar tudo, enfim não preciso de ninguém pra ser feliz, quando me envolvo eu vivo a relação e me entrego mesmo, porém pra desapegar também é fácil, não dependam de ninguém pra ser feliz, todos queremos um alguém mas que venha pra somar. Se eu levar um pontapé eu fico orgulhoso de mim por ter sido eu mesmo e ter feito tudo aquilo por aquela pessoa, entendam, quem perdeu foi ela e não eu então não me arrependo do que eu fiz e sim do que não fiz.

    • Não jovem. A autora critica a forma fria como as pessoas estão levando o relacionamento nos dias de hoje, seja homem ou mulher. Não chame de drama a forma como alguém age como um apelo por algo que falta na relação ou por algo que o outro não entende. A forma como você critica é que é infantil e tediosa.

    • Ela não fala de drama.
      Talvez as pessoas estejam tão imersas no paradigma do distanciamento emocional que quando alguém escreve sobre demonstrar sentimentos, imagina logo demonstrações dramáticas de sentimento.
      Desaprenderam que é possível ser super aberto e demonstrar com toda a sinceridade os sentimentos e vontades diante do/a companheiro/a, dos amigos, da família, sem que seja dramático, pesado e traumático.
      É possível ser simples sem ser distante. É possível confiar em pessoas, mesmo sabendo que todas elas erram e nos decepcionam. Basta confiar em si mesmo.
      Devemos parar de agir segundo esperam da gente. De ter a nossa imagem para o público, uma imagem para o/a companheiro/a, para o meio profissional, para o meio religioso, para esse e aquele grupo de amigos. Precisamos reaprender a sermos nós mesmos, sem drama. Mas com muita coragem e alegria.

      • Excelente!
        Penso exatamente assim…
        Várias faces para uma msma pessoa pra que?
        Questionei isso e não fui respondida, aliás fui. Tipo ou é assim ou tchau. Eu disse tchau.
        Será impossível um relacionamento que não pese?
        Um amigo psicólogo me disse que certo seria se todas as pessoas, antes de se relacionarem amorosamente, aprendessem sobre si. Fizessem terapia e tal. Evitaria os dramas e indiferenças que todo relacionamento pode apresentar.

  17. Fico pensando pra que tanto medo de mostrar o que sente? Pra que??? O mundo tem confeccionado pessoas previsíveis e no mínimo que enlata as atitudes e sentimentos em série!

  18. E não é que acontece isso mesmo? Falo por mim que as vezes fico me achando a antiquada por querer esse amor romântico de volta. Mas como já foi dito, acabamos virando adaptáveis a situação. Se der bom dia respondemos do contrário, por mais que a mão coce, ficamos dias, semanas com o coração apertado, mas não vamos atrás. Transbordamos sentimentos e deixamos que eles escorram pelo ralo…
    A solução seria perder esse “medo” de deixar alguém ficar, mas infelizmente perdemos mais tempo com os padrões “moderninhos” do que nos preocupando com a nossa felicidade e o nosso coração.
    Ótimo texto!

  19. Isso se chama praticidade, vivemos em um mundo onde não queremos “quebrar” a cabeça com situações ou pessoas que não possam nos dar um devido “lucro”. Então optamos por viver nessa casca de racionalismo, onde nos tornamos cada vez mais irracionais.

  20. É tão simples aceitar a queda definitiva do engano e do egoísmo que é o romantismo. Ta na hora d aceitar q a forma de viver os relacionamentos mudou… O choro é livre e a mudança de pensamento é inevitável. E não exagere ao ponto de desacreditar em relacionamentos verdadeiro e no amor… O q acontece é que, sabendo das opções, perdemos menos tempo sendo infelizes c pessoas q n interessam. É frio? Veste um casaco!

  21. Aí você lê um bom texto e nos comentários tem aquela famosa discussão entre homens e mulheres. Hoje em dia tanto os homens quanto as mulheres são culpados. As pessoas não podem ser elas mesmos por correrem o risco de serem considerados bregas e sofrer a rejeição, hoje em dia as pessoas gostam de ser enganadas para que aceitem o outro e no final nem essa pessoa é ela mesma. As pessoas estão cheias de rótulos e pouco conteúdo, o que manda hoje, aliás é sempre mandou, mas hoje com as redes sociais um pouco mais é o status.

  22. A maior parte dos comentários só reforça a essência do texto!
    Olhar para os outros com teus olhos, experiência e marcas da tua alma, é negar amor e respeito ao próximo, e caminhar no cenário descrito.

  23. Eu já estou começando a cansar de demonstrar todo o meu afeto pela menina que estou ficando. Já fiz duas cartas pra ela, dei celular de 800 reais pra ela, perfume importado, camisa de futebol, falei que íamos andar de avião um dia (ela recusou, mesmo sabendo que quer voar pois nunca foi). Sempre que posso pego ela no trabalho pra evitar que ela pegue ônibus. E no final ela vira pra mim e diz que está assustada comigo.. Só pq é meu primeiro envolvimento com uma mulher. e tenho 29 anos.
    Como eu disse pra ela: mulher nenhuma nunca me deu moral, nunca quis nada comigo. Você foi a primeira. Quero te proporcionar, tudo aquilo que ninguém nunca me proporcionou. Queria tanto proporcionar ela a voar mas está difícil. rs

  24. Antes ficar solteiro do que ter um relacionamento ridículo como os de hoje, não tenho saco pra jogos, me desculpem os que batem no peito com orgulho por cultivarem o desapego amoroso, mas isso é atitude de covardes frustrados, o que parece força nada mais é que fraqueza, amar e demonstrar que ama é para os fortes, fracos fingem não se importar, deixam de viver a felicidade plena em troca de um sorriso amarelo e um orgulho falso de não se envolver de verdade… Na verdade, os durões e duronas são assim hoje não por opção, mas por fraqueza e medo de se darem mal novamente, e por isso tentam disfarçar esse medo ridicularizando os casais apaixonados, se achando superiores aos que amam sem limites, mas bem lá no fundo, morrendo de inveja.

    Ótimo texto!

  25. Ótimo texto. Umberto Eco, escritor italiano, disse que “as redes socias têm criado uma legião de imbecis” e há alguns q acham q é só no âmbito político. Enganam-se. O problema atinge o lado emocional/de relação também. O texto relata uma tentativa de fuga, mas qdo o amor atinge mesmo, não há como fugir. É um padrão. Mas, infelizmente as pessoas têm perdido esse feeling (nem digo de romantismo), mas da interação com o outro. Não experimentar a fase do “quem não é louco no amor?” de Jane Austen em “Orgulho e Preconceito”, onde o “a boca seca, o sangue ferve…” na presença do objeto do amor é trágico. Só lamento por quem não viveu essa experiência ou, na busca por ser uma referência no ‘frozen’ amoroso, fica na pseudo tentativa de enganar, não sabendo q estão se enganando.

  26. De tudo, jamais permita que a sua felicidade dependa de algo que você possa perder, viva um sentimento verdadeiro não fingido sem limites no demonstrar e no respeitar. Compreenda os algo’s a mais, os olhares, os hmm’s kkk as frases do tipo ‘uhum sei’ sempre c aquela cara de desconfiada no fim kkkk De tudo… Ame mais!!! Uma vida inteira é preciso para amar alguém.

  27. No meu ponto de vista relacionado ao texto, vejo que as pessoas hoje, so vale o que tem, a famosa palavra ”status”, ou seja, viver de aparência, claro que existe as exceções. Portanto, procuro viver a minha vida da melhor forma possível, respeitando a individualidade do próximo e sempre fazendo o bem para as pessoas, nao adianta tentar mudar as coisas ou aconselhar como o ser humano realmente tem que viver. As pessoas tem que se alto avaliar e ver se esta agindo da forma correta, julgar todo mundo sabe, mas ser julgado, ninguem quer. Nao existe solução concreta para o caso! E sim, começar a enxegar a vida como se fosse uma roda gigante. O mundo da varias voltas!!! Fiquem todos com Deus. Abss!!!

  28. Achei esse texto muito confuso. Não consegui acompanhar o raciocínio do apego versus liberdade de expressão, que é o que parece estar sendo discutido.

  29. Obrigado pelo texto. Veio a calhar perfeitamente. É como se escrevesse “Douglas, é assim e não como você está fazendo”, mas ainda questiono: eu posso mudar, mas se o outro ainda se manter na defensiva? Sentimentos, anseios, emoções, como lidar e ainda ficar bem?

  30. Na real,se existe interesse no parceiro(a) a pessoa deve se entregar,viver,amar cada momento,mesmo que tudo isso não seja pra sempre(eterno).Defensiva? Só se existir algo que impeça o casal de serem felizes.Sou do tipo romântico que ainda dá flores…e ainda quero ser feliz!!!

  31. Ótimo texto, porém não acho que o problema seja a tecnologia, mas sim a forma como ela tem sido usada. A questão é que basicamente vivemos em uma geração na qual as pessoas morrem de medo de sofrer e da rejeição, então a tecnologia virou uma válvula de escape, uma máscara. Todo mundo é perfeito, ninguém tem defeitos, o inferno são os outros.

DEIXE UMA RESPOSTA