Há pessoas para as quais olhamos e desconfiamos que, em seu íntimo, estão circundadas por “trevas”. Há outras que, ao contrário, olhamos e vemos luz. Estas são uma inspiração à nossa evolução. O equilíbrio, pois, é sempre possuirmos em nosso interior a maior quantia possível de luminosidade, e isso pode ser conquistado se nos abrirmos verdadeiramente ao Amor.

Há pessoas para as quais olhamos e desconfiamos que, em seu íntimo, estão circundadas por “trevas”. Seu modo de agir nos dá pistas de que, diferentemente do que pode aparentar, dentro do seu coração rolam soltos o pessimismo, a desesperança, os conflitos. Muitas vezes, apenas confusão. Confusão por não se compreender. Confusão por não se ajustar. Confusão por não se encontrar.

Por não saber nem por aonde começar. É uma guerra interna. A pessoa, com ela mesma. E é uma briga perdida, pois não há como uma parte dela sair vencedora e a outra perdedora. Enquanto houver conflitos internos, sempre haverá perdas. Perdas que, em sua maior parte, são pessoais e intransferíveis.

Há outras pessoas que, ao contrário, olhamos e vemos luz. Elas iluminam onde passam. Sensibilizam corações, amolecem calosidades da vida, tornam nosso dia melhor, nossos problemas menores, o ambiente mais leve… São um convite ao autoconhecimento, ao auto=resgate e à iluminação, às vezes, sequer sem nada fazer diretamente. Pode ser um colega, um terapeuta, ou até mesmo um desconhecido.

Há pessoas que, assim que as vemos pela primeira vez, já constatamos que são pura iluminação. Muitas vezes, basta apenas a sua presença para nos levantar. Conviver periodicamente com elas, trocar ideias, ouvir suas lições, então, pode significar a mudança do rumo das nossas vidas. São sempre bem-vindas, a qualquer pessoa, a qualquer lugar.

Todavia, a maioria dos seres humanos não é nem tanto escuridão, nem tanto luz. Oscilam entre um e outro. Ora uma porcentagem maior deste, ora daquele. E o equilíbrio, diversamente do que possa parecer, não é a divisão perfeita entre ambos. Uma vida equilibrada virá quando formos mais luz. Nem que seja mais luz apenas para nós mesmos, o que já é uma conquista e tanto!

Vale a pena darmos uma chance a ele na nossa vida. Simples assim: parar, silenciar, conectar, sentir. Sem estudos ou técnicas complicadas. Só nós e a nossa disposição, a nossa vontade e a nossa predisposição à iluminação, que nos é inerente, não tenhamos dúvida! A escuridão, pois, vai ficando, pouco a pouco, para trás…

Abrir-se ao Amor, permitir-se, entregar-se: isso pode mudar o mundo! Começando com o nosso mundinho particular. Expandindo, depois, mesmo sem querer, para o entorno. Porque, sim: chega uma hora em que ele transborda. Não cabe mais apenas no nosso peito. E é automática a sua ligação com os todos os amores expandidos das outras pessoas. E assim surge a luz! Aquela que cada um nós e o planeta tanto precisam…

Compartilhar
Susiane Canal
Servidora pública de profissão, escritora de coração. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


1 COMENTÁRIO

  1. Geralmente, gosto das postagens deste site por conterem certa beleza nas palavras utilizadas e na forma clara como o conteúdo é exposto. Nessa postagem, porém, me senti mais lendo um artigo religioso do que algo realmente atrelado à psicanálise. Sou formado em psicologia? Não. Faço psicologia? Também não. Sou, contudo, um leitor que tem apreço em entender a mente humana, por isso venho acompanhando o site e lendo livros de psicologia. O que eu estou tentando passar é que esta postagem deveria ter focado menos na “(…) energia vital universal. O grande espírito. A divindade. (…)” e ter se focado mais nos aspectos sólidos da mente humana. Por mais que seja atribuída uma “conexão” do nosso íntimo com essa “força superior”, venho em busca de compreender a natureza da minha mente sob um aspecto psicanalítico, não um espiritual. Desde já, enfatizo que sou grato pelo trabalho de vocês, mas eu, como leitor, esperava mais.

DEIXE UMA RESPOSTA