Indicado originalmente para pessoas que sofrem de narcolepsia e distúrbios de sono, o modafinil passou a ser usado para aumentar o poder de concentração e sensação de “alerta”.

Os alunos das universidades de Cambridge, Oxford e Harvard confirmam o uso desta droga e aprovam a sua utilidade, mas um novo estudo comprovou que o Modafinil (também vendido como Provigil) melhora a concentração, a atenção e a capacidade de aprender, sem ter consequências mais graves, como dependência química.

Esse estudo, publicado no European Neuropsychopharmacology, considerou 24 pesquisas realizadas entre 1990 e 2014. O remédio foi dado a pacientes saudáveis, que não tinham passado horas sem dormir.

O modafinil atua nas funções cognitivas do cérebro humano. A droga age diretamente na chamada “inteligência fluida”, que uma pessoa utiliza para solucionar problemas e pensar de maneira mais criativa.

Não se iluda, o modafinil não nasceu com a tarefa de substituir o energético que os estudantes usam durante as longas madrugadas de estudos. O medicamento foi criado para impedir que pessoas com narcolepsia caíssem no sono e depois foi adaptado para que soldados pudessem ficar acordados durante a noite. Mas, com o passar do tempo se notou que além de melhorar a vigília, havia também aumento do poder de concentração. Para estudantes com tendência a se distrair facilmente, encontrou-se então a solução ideal para a temporada de vestibulares, concursos ou para ajudar na finalização de teses e dissertações de mestrados. E para esse fim, o modafinil vem sendo usado já há algum tempo.

O novo estudo não revela, contudo, quais serão os efeitos colaterais em médio prazo. Estudos anteriores com outras substâncias alardeadas como “smart drugs” (“drogas inteligentes”) perderam efeito em curto tempo. Em pessoas muito criativas, chegou-se a observar uma queda de rendimento, mas nada consistente que poderia passar de observação no estudo.

Tem mais: é importante lembrar, porém, que o estudo não é decisivo. Outros medicamentos chegaram a ser apontados como solução para esses mesmos problemas.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores.Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here