Brincar: importante forma de comunicação infantil.

É por meio deste ato que a criança aprende a reproduzir o seu cotidiano, o que possibilita seu processo de aprendizagem, pois facilita a construção de sua reflexão, autonomia e criatividade. O brincar apresenta papel fundamental para o desenvolvimento integral do ser humano nos aspectos físico, social, cultural, afetivo, emocional e cognitivo.

É necessário conscientizar pais, educadores e sociedade em geral sobre a importância da criança vivenciar a ludicidade: o brincar faz parte de uma aprendizagem prazerosa sobre estabelecer e seguir regras constituídas por si e pelo grupo, contribuindo na integração do indivíduo no mundo que o cerca.

Deste modo, à criança estará resolvendo conflitos e hipóteses de conhecimento e, ao mesmo tempo, desenvolvendo a capacidade de compreender pontos de vista diferentes, de fazer-se entender e de demonstrar sua opinião em relação aos outros.

Perceber e incentivar a capacidade criadora das crianças é de grande importância, pois esta se constitui numa das formas de relacionamento e recriação do mundo, na perspectiva da lógica infantil.

É por meio das brincadeiras e dos jogos que ela consegue extravasar suas tristezas e alegrias, angústias, entusiasmos, passividades e agressividades, envolvendo-se no jogo e nas partilhas, o que proporciona um autoconhecimento assim como o conhecimento do outro.

Leia mais: Criança saudável é espontânea, barulhenta, inquieta, emotiva e colorida!

Além da interação que os jogos proporcionam, são fundamentais para o desenvolvimento dos aspectos cognitivos: memória, linguagem, atenção, concentração, percepção, além do desenvolvimento motor, psíquico e emocional.

Vemos que a ludicidade é uma necessidade do ser humano em qualquer idade, mas principalmente na infância, na qual ela deve ser vivenciada, não apenas como diversão, mas com objetivo de desenvolver as potencialidades da criança.

Em pesquisa (apresentada no vídeo de Michael Moore*) realizada na Finlândia, país cujo sistema educacional consta entre os melhores do ranking mundial, observou-se que o aumento do tempo livre destinado a brincadeiras foi um dos principais fatores para a melhora do desempenho escolar infantil.

Leia mais: O jardim de infância é mais importante que a faculdade

Uma carga horária educacional de muitas horas, além de causar uma baixa na produtividade escolar, ainda pode desmotivar os alunos para o ensino.

Hoje em dia, há uma sobrecarga de tarefas e responsabilidades infantis: além da escola, estão presentes os cursos de línguas, esportes, artes, música, gastronomia… entre outros de uma lista infinita.

Embora favoreçam o desenvolvimento das crianças, quando em excesso, provocam a exaustão e retiram o tempo destinado a principal tarefa infantil… o brincar!

Leia mais: Crianças Precisam Ser Felizes, Não De Serem As Melhores

A preservação do espaço para jogos e atividades lúdicas no cotidiano da criança é fator imprescindível, tornando mais fácil e dinâmico o processo de ensino e aprendizagem, tanto dentro da escola quanto no ambiente familiar.

Bibliografia

– CARVALHO, A.M.C. et al. (Org.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca .São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

– CRAIDY, Carmem Maria, org; KAERCHER, Gladis E., org. Educação infantil: pra que te quero?. Porto Alegre: Artmed, 2001.

– KISHIMOTO, Tizuco Morchida. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. São Paulo: Cortez, 2002.

– ZANLUCHI, Fernando Barroco. O brincar e o criar: as relações entre atividade lúdica, desenvolvimento da criatividade e Educação. Londrina: O autor, 2005.

*Vídeo sobre a educação na Finlândia: https://www.facebook.com/casadajoanna/videos/vb.678507628878466/11314

Compartilhar
Raíssa Tebet
Psicóloga clínica, especialista em Neuropsicologia e Psicologia Hospitalar, com ênfase em acompanhamento Pré e Perinatal. Realiza atendimento psicológico individual, grupal e avaliação/reabilitação neuropsicológica. É colunista do site Fãs da Psicanálise.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA