É politicamente correto pensar que uma pessoa sem uma deficiência séria, uma doença grave, ou alguma carência importante tem a obrigação de ser feliz. Afinal, pessoas assim, mesmo passando por tremendas dificuldades, podem ter muitas atividades, algumas vezes até mais que a maioria das outras que não tem esses problemas que nem sempre reclamam. Então, por que nos queixamos?

Esse discurso me parece de uma tremenda violência, pois obriga a pessoa a calar seus sentimentos e lhe causa culpa. Além disso, a faz se conformar com uma situação desconfortável, já que é “errado” procurar conforto maior na vida. Ela tem que ser feliz para sempre, como as princesas e os príncipes dos contos de fadas.

Existe também a situação inversa. Vou ilustrá-la com um exemplo pessoal. Eu me lembro de que logo após minha cirurgia eu peguei um ônibus, e não sei por qual razão, discuti com o cobrador. A reação do rapaz foi dizer pra eu não descontar a minha raiva, revolta, ou sei lá o quê nele.

Fosse realmente isso e ele estaria certo, pois a ninguém cabe servir de saco de pancadas de ninguém. Mas ele queria, ou melhor, exigia e esperava que eu, como deficiente, fosse sempre feliz e cordato. Para ele, eu teria que aturar injustiças sorrindo; aceitar ser vilipendiado com complacência e me calar ao ser tratado de forma grosseira.

Em resumo, a culpa silencia sentimentos legítimos. Ora, pessoas “frágeis”, doentes, acamadas, idosas, com bengala, deficiência mental, ou ainda em uma cadeira de rodas, não podem ser revoltadas, sentir raiva, nem se queixar. Elas devem ser naturalmente boas e nunca sentir dor, tristeza, frustração e, muito menos, reagir de acordo.

Porém, sofrimento não se compara.

Uma vez vi uma entrevista com uma atriz que teve um câncer de pele. O câncer foi diagnosticado logo, e uma pequena mancha foi retirada da pele da moça sem que nenhuma marca tenha ficado para contar a história. No entanto, ao falar do que lhe adviera, a atriz ficou extremamente emocionada. Sua reação me pareceu sem sentido e exagerada em um primeiro instante. Contudo, refletindo melhor sobre o assunto, conclui que o que não significava nada pra mim, pra ela tinha sido muito sério. Portanto, há que se respeitar a dor e sofrimento alheios bem como a própria, porque até onde eu sei, independentemente da “cara” de cada um, todos partilhamos de alma, coração e sentimentos.

(Autor: R. C. Migliorini,  professor de Arte do Movimento, diretor de cena e ator/bailarino.

Sua especialidade é a Expressão Corporal. Arte-terapeuta formado pelo Instituto Sedes Sapientiae

e Cientista da Religião em mestrado da Universidade Metodista de São Paulo.)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



1 COMENTÁRIO

  1. Concordo plenamente com sua análise. O fato das pessoas nos cobrarem a dita felicidade em função de termos ou não deficiências nos faz sentir culpa todo o tempo. Faço terapia a dois anos e minha psicóloga me disse uma vez algo que nunca esqueci “cada um sabe da sua dor”. Parabéns pelo artigo.

DEIXE UMA RESPOSTA