Uma das máximas da vida é “nunca implore um amor.” Nunca, nunca mesmo! Quando temos que insistir para alguém ficar nas nossas vidas ou encontrar motivos para que ela fique, é porque o sentimento já morreu há tempos.

Confesso que admiro pessoas que permanecem em relacionamentos na esperança de salvá-los. Permanecer não é para qualquer um. É para os fortes. Porque, é muito difícil esquecer as ofensas, enfrentar o medo da solidão e ter coragem de recomeçar. Permanecer em um relacionamento que já teve seu fim decretado é, praticamente, um período de sacrifício e tortura psicológica. Todos os dias você precisa se convencer de que há motivos para continuar, de que a pessoa vale a pena e de que aquele momento é passageiro. A questão é: até que ponto isso vale a pena?

Na minha opinião , quando um amor acaba, acaba. Simples assim! É necessário desatar os nós, liberar perdão e seguir a vida. Não acredito que os anos de sofrimento valham mais a pena do que a felicidade que o destino nos reserva. Acho que devemos nos abrir para o novo e nos permitir! Então, se eu pudesse lhe dar um conselho, seria: deixe ir.

Deixe ir. Abandone o barco. Abra mão. Ninguém é âncora para segurar relacionamentos em meio às tempestades. É necessário entender que quando as pessoas não querem assumir um compromisso, arrumam as desculpas mais esfarrapadas e, por que não dizer, criativas: os signos são incompatíveis, os gostos musicais não batem e os horários de acordar são motivos de brigas homéricas. Sabe, a vida é mais do que isso. Nem todo amor foi feito para durar. As pessoas mudam, as vontades e os sonhos também. Os verdadeiros amores surgem nas

eventualidades, nas horas inesperadas e das formas mais inusitadas. Acontece quando você desencana e se desliga do mundo. Mas, acredite, acontecem!

Não perca a oportunidade de ser feliz, porque o primeiro amor não deu certo. Não deixe seu amor passar por medo de sair dessa zona de conforto. Não esteja sempre procurando respostas, sinais, bocas. Destino gosta de pegar a gente de surpresa mesmo. Como dizia Machado de Assis: “não se luta contra o destino; o melhor é deixar que nos pegue pelos cabelos e nos arraste até onde queira alçar-nos ou despenhar-nos.”

Permita-se viver um novo amor sem bagagens passadas e pare com a mania de achar que a vida tem a obrigação de te recompensar pelas batalhas vencidas. A obrigação em ser feliz é sua! E só sua!

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


1 COMENTÁRIO

  1. Verdade. Porém, não é fácil deixar ir, passei por isso e depois que terminou , estou paralisada não foi primeiro e nem segundo que não deu certo. Chego a pensar que todo Romantismo que temos, mesmo os que digam que não existe alma gêmea ou amor verdadeiro; a maioria que diz isso pra si ou pro mundo, na verdade do ser acreditar no fundo da alma e pede a Deus ou a quem acredita que esteja errado e que tenha. Viver sem amor e triste e vazio. Hoje tenho muito medo de até olhar para alguém, por que não quero de novo sofrer . Sempre tive inveja das pessoas que constrói muros e não se apega ou não se apaixona, quero ter um. Sei que amamos ou apaixonamos pelo cérebro , mas é o coração que nos alerta da dor da: perda, da insegurança, do medo e viramos não só âncoras , pior fazemos a pessoa ser tábua de salvação , e viramos cola super bonder. Eu sei, sou assim, so uma vez senti ser livre de medo de se falar algo errado ou fazer , com isso, motivo da pessoa se livrar do relacionamento que sabemos que não existe, porém ego é muito forte para realmente deixar partir, ficamos no “namoro” todo custo, sendo costurando.
    Porém, esse ( o que você sem rédeas do medo) me pediu um tempo e pior, criei essa linha , esse resgate do sofrimento, que este tbm alimentou e até hoje mesmo eu ter namorado outros , a linha está lá; ter de novo esse amor que nunca mais tive ou recebi.
    Como eu penso, a emoção é um.ser invisível cruel, o vento podemos fechar janela de tiver nos pertubando , o sentimento não.
    Obrigada pelo espaço.
    Thatawanna Lemos
    Recife, 30 Janeiro 2017.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here