Enquanto escrevia esta introdução eu deletei o primeiro parágrafo umas seis vezes. Meus pensamentos vão desde “Vá direto ao ponto” até “Esta frase não faz sentido.”Para ser bem sincera, eu provavelmente já estava chegando ao ponto e minhas frases certamente já faziam sentido.

Oi. Eu sofro de um mal crônico. Eu sou uma pessoa que pensa demais. Prazer em conhecê-los. Dizer que é um pouco cansativo viver com um cérebro de um pensador exagerado é atenuar o problema. Apesar das tentativas de acalmar os pensamentos incessantes, ainda assim esse ciclo não para. Abaixo estão algumas coisas que todos os pensadores exagerados estão cansados de analisar demais (sério mesmo, nós simplesmente não conseguimos ser diferentes).

1. Aquela mensagem de texto de nosso ser amado.
“Eu estou bem.” O que significa isso? Por que é um ponto e não uma exclamação? Os pensadores exagerados são conhecidos por quebrarem a anatomia de uma mensagem de texto até a última pontuação.

2. Aquele comentário do chefe.
Lógico que nós sabemos que um pouco de crítica não quer dizer que vamos ser demitidos, mas não podemos evitar fazer uma tempestade em copo d´água quando se trata do nosso trabalho. Mas a nossa análise extrema pode realmente atrapalhar o nosso desempenho. De acordo com um estudo da UC de Santa Barbara, pensar demais sobre uma tarefa pode realmente ser uma distração e afetar o resultado. Droga.

3. A primeira impressão é a que fica.
“Será que eu ri alto demais?” “Será que opinei demais sobre a decisão da Suprema Corte?” “Será que tenho algo nos dentes?”

4. Os planos de fim de semana.
Ou qualquer outro plano, na verdade, porque a nossa natureza indecisa entra em jogo. Nem mesmo tente nos perguntar sobre onde iremos jantar.

5. A briga que acabamos de ter com o nosso amigo.
Sabe aquelas montagens que acontecem nos filmes quando duas pessoas estão brigadas? Bem-vindo à primeira fila da mente de um uma pessoa que pensa demais. Não só repetimos as palavras fortes que usamos, mas nós também mapeamos em nossos cérebros o que poderia ter acontecido se tivéssemos dito algo diferente. Esse resultado é sempre muito melhor.

6. Nossa separação dolorosa.
Relacionamentos fracassados são basicamente a nossa kryptonita. Mas fiquem tranquilos, pensadores exagerados: toda essa ruminação pode ser útil, afinal de contas. Um estudo publicado na revista Social Psychological e na Personality Science descobriu que aqueles que analisam a separação deles com mais frequência, através de uma série de questionamentos, recuperaram sua autoestima mais rapidamente do que aqueles que não o fizeram. Um litro de Ben e Jerry tampouco não é uma má ideia.

7. O que significa se nossa perna está doendo ou se ficamos resfriados por mais de um dia.
Em outras palavras, leia: hipocondria. (Mas sério, se você está muito preocupado, por favor consulte um médico.)

8. O tweet que acabamos de enviar.
Bem, nós pensamos que era engraçado, mas, aparentemente dois seguidores que acabamos de perder não. Delete.

9. O pior cenário.
Para os pensadores exagerados, “precisamos conversar” ou “vamos marcar uma reunião” pode muito bem significar faça as suas malas. Nossos cérebros disparam instantaneamente para o resultado menos favorável, como um mecanismo de defesa. No entanto, pesquisas mostram que esse pensamento negativo ou hostil é pouco benéfico. Uma mentalidade amarga é associada a maior risco de estresse e até mesmo alguns problemas de saúde física.

10. O fato de nós não conseguirmos parar de pensar exageradamente.
Sério. É cansativo.
Para ser bem sincero, não é uma simples questão de “desligar o cérebro”. Quem pensa demais não consegue evitar de se perder nos cantos mais recônditos de suas mentes. Mas enquanto estamos trabalhando para “deixar isso de lado” cada vez mais (OBS: meditação ajuda), nós não vamos reclamar se você adicionar um ponto de exclamação em vez de um ponto no final dos seus textos. Sabe, caso seja necessário.

 (Tradução: Simone Palma, do site www.brasilpost.com.br)
Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



4 COMENTÁRIOS

  1. Muito legal Simone , alguns episódios pareceram obcessivos , esqueceu de citar ,

    que pensar demais nos tira o sono , já perdi algumas noites aliado a cafeína é

    claro hehe !!!

  2. Sem dúvida me identifiquei com TODOS os pontos, mas o que mais me identifiquei é o 10! Não parar de pensar que você não para de pensar é intrigante… Sinceramente, para nós que não conseguimos parar as piores perguntas que nos podem ser feitas são as de escolha… “Você prefere qual gênero de filme?” Nesse momento todos os filmes e gêneros que você assistiu na sua vida começam a aparecer na sua mente e você lembra de quais você mais gostou e a qual gênero eles pertenciam, pensa nos prós e nos contras de cada gênero etc… É uma loucura, e nisso você leva uns 5 minutos pra responder uma “simples pergunta”.

  3. Tem Solução!
    Pensamentos inúteis incessantes são energia gasta sem aplicação construtiva. Algo similar a uma caixa d’água que dispõe de uma entrada e muitas torneiras de saída, que em algum momento se esgotará. O hamster que caminha em sua gaiola no poleiro circular, também é um exemplo.
    De todos os nossos pensamentos diários precisamos ter um grau de aproveitamento, foco em soluções e controle sobre eles. Fiscalizar, descartar e validar os diálogos mentais ou distrações, é algo que tem tratamento, se aprende e treina-se. Os resultados podem ser imediatos e duradouros. Ganha-se qualidade de vida, produtividade e espaço limpo na mente.
    Primeira Solução: White Chestnut é uma essência de Flores de Bach – especialmente indicada para tal situação. Claro que se agregam outras essências na fórmula, mas aí depende dos fatores causantes, da personalidade, da motivação e outras variantes emocionais do momento. Algumas pessoas com insônia já dormem bem desde o primeiro dia de tratamento.
    Sinais ou Lembretes Externos: (Toda vez que eu ver o sinal x, verifico o que estou pensando)
    Espalhar sinais que fazem a pessoa perceber o tipo de pensamento que está produzindo. Os pontos vermelhos colados no espelho, geladeira, carro são um exemplo.
    Usar uma pulseira ou anel, um aviso no celular, ou outro que seja algo constante em seu dia.
    Basta conectar o sinal externo com a observação criteriosa da utilidade do pensamento, e se perguntar: O que estou pensando tem qualidade e utilidade neste momento? Sim… então Parabéns! Não? … então eu posso fazer melhor!

DEIXE UMA RESPOSTA