A madrinha precisa estabelecer um laço profundo com a criança, já que é considerada uma segunda mãe, na falta ou impossibilidade de cuidado dos pais. Isso também significa saber do que seu afilhado gosta, ter interesse genuíno e carinho por suas opções, preferências e anseios. Além disso, seja uma madrinha que provém informação e divertimento, com responsabilidade!

Desempenhando seu papel, toda madrinha deveria:

1. Estar perto
Madrinhas deveriam estar sempre presentes no desenvolver da vida de uma criança, mesmo que a distância seja inevitável.

2. Viver o compromisso
Quando aceita ser madrinha, você assume um compromisso não de presentear sempre a criança, mas de estar envolvida na criação dela.

3. Ser parte
Para fazer parte da vida de um afilhado, é preciso também pensar na logística antes de aceitar. Quais são seus planos futuros, onde pretende estar para dedicar um mínimo de presença na educação?

4. Ser um exemplo
Não só um bom exemplo de pessoa, com bons valores morais e éticos, mas também de profissional responsável, de boa companheira, mulher e, ou mãe.

5. Dar conhecimento
Proporcione todo esclarecimento necessário para toda e qualquer dúvida de seu afilhado. Pode ser que você seja sua única fonte de informação segura ou chance de confidência. Provenha conteúdo útil, sempre que desejado ou não.

6. Ser advogada
Tente advogar a favor das razões do afilhado. Cuidado, não é que você tenha que ajudar a convencer seus pais sempre que estiver errado. Mas seja alguém disposta a respeitar suas justificativas e motivação. Vendo em você seu porto seguro, ele nunca temerá confiar na madrinha.

7. Não mimar
A dica não contradiz a anterior. Madrinhas devem ser companheiras dos pais e procurar sempre, sem ressalvas, respeitar os limites impostos por eles. O que você pode é ser aquele ombro amigo que respeita e acolhe os erros do afilhado mais facilmente que um pai ou mãe acolhem de um filho.

8. Ser fonte de inspiração
Não mime, mas ao mesmo tempo, seja a dinda que vai apresentar as coisas novas mais bacanas, os lugares mais inusitados, os prazeres mais simples. Seja fonte de inspiração e admiração. Mostre possibilidades diferentes das já apresentadas ou conhecidas.

9. Ser justa
Trate a todos os seus afilhados por igual e com o mesmo respeito. Outra atitude bem bacana é acolher seus afilhados em sua família fazendo com que se sintam como sobrinhos de seu companheiro ou primos de seus filhos.

10. Presentear com afeto
Crianças gostam de presentes, mas isso não é o mais importante numa relação entre madrinha e afilhado. O ideal é que haja preocupação com seu bem-estar, e com a qualidade do seu desenvolver. O melhor presente é o afeto.

11. Celebrar junto
Procure estar presente em todas as celebrações, como aniversários. E, se possível, esporadicamente em alguma data festiva como Páscoa ou Natal ou ainda propondo alguma atividade de férias.

12. Viver a rotina
Procure criar momentos particulares com a criança como, por exemplo, brincar, buscar na escola, levar na pracinha. É muito importante fortalecer este laço de amizade e cumplicidade.

13. Ajudar, socorrer, auxiliar
Esta é, afinal, a responsabilidade e o dever de quem estabelece o compromisso de apadrinhar um afilhado. Seja no caso de situações de doença, acidente ou qualquer outra índole.

14. Estar junto nos melhores e piores momentos
Nem sempre a presença da madrinha se faz necessária somente nas comemorações e festinhas. Mesmo que não seja solicitada sua ajuda, esteja presente nos momentos difíceis. Se preocupe com a febre que não cede, preste assistência aos pais.

15. Ser amiga e conhecer preferências
Se madrinha é como uma segunda mãe, precisa conhecer o que o afilhado, das preferências de alimentação até saber quais os personagens e programas favoritos.

16. Ser tão amorosa quanto a mãe
Então, se é como uma segunda mãe, precisa ser tão querida quanto. Madrinhas também devem demonstrar emoção e entrega total, no cuidado e carinho oferecido a seus afilhados. Não faça nada por obrigação ou conveniência.

17. Criar vínculo com irmãos
Se o afilhado tiver irmãos, é muito legal quando a madrinha tem sensibilidade de se relacionar com todos, para que ninguém se sinta excluído. Entre as crianças, nenhuma preferência precisa ser explícita.

18. Ser boa conselheira sentimental
Ser conselheira “pau para toda obra”. Ou seja, ser amiga para todas as horas, disposta a entender e respeitar qualquer assunto. Use sua experiência e desapego por não ser a “mãe” para ser sincera e realista.

19. Facilitar as coisas
Seja aquela amiga do afilhado e da família que está sempre disposta a facilitar as coisas. Não crie conflitos, não entre neles. Seja a referência de acolhimento e segurança, caso necessário.

20. Não dar maus exemplos
Cuide para não ser espelho de maus exemplos e hábitos. Por ser alguém facilmente admirável, alguém de fora do núcleo familiar, é bem possível que você sirva de espelho. Tanto para novidades boas, quanto ruins.

(Autor: Jaqueline Rodrigues)
(Fonte: bolsademulher.com )

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA