O ser humano é imensamente complexo e possui capacidades que algumas vezes, nem nos damos conta. Podemos superar desafios, construir grandes máquinas, realizar as mais diversas proezas, resolver os mais elaborados cálculos. Ainda assim, se deixa abater por situações simples, estagna diante do menor obstáculo e muitas vezes, toma decisões erradas. Sim, decide, escolhe, opta. Que grande maravilha! Eis que ele tem livre arbítrio para tomar suas decisões. Nada novo, não é? Porém, esquecemos constantemente disso. É algo que devemos lembrar e usar em nosso favor.

Entendemos que atitudes positivas ou negativas diante dos acontecimentos, têm uma relação bem estreita com nossas próprias experiências pessoais e que podem influenciar nossa visão. Podem, mas não precisam afetar.

É possível treinar nossa mente para ver o lado bom da vida e das situações. Ainda que isso não mude o fato vivido, pode mudar a gente. É necessário (re) avaliar e analisar os próprios pensamentos e entender como eles podem afetar nossa percepção. Isso é essencial para poder ver a vida de forma diferente e reaprender a ser mais leve, mais feliz.

Positividade? Pode ser. Perdoem-nos os pessimistas, murmuradores e desgostosos. Aqueles que exaltam a própria infelicidade e correm atrás das “sujeiras” da vida. Elas existem? Sim, só não vale o esforço correr para elas. Viver nessa sintonia não é nada bom.

É notório o bombardeio de notícias ruins feito por alguns meios de comunicação. É necessário filtrar e absorver apenas o que for construtivo. Não precisamos de lixo emocional para acumularmos em nossas vidas.

É inquietante a quantidade de pessoas que desenvolvem uma mania bem estranha: ir atrás de notícias ruins, buscar ou se alimentar de fofocas e maldades. Notícias tóxicas que têm o poder de nos intoxicar.

Isso me faz lembrar do urubu e do beija-flor. Ambos são pássaros, possuem penas, mas têm instintos bem distintos quanto aos seus alimentos. Um busca o seu alimentos em dejetos, em outras criaturas mortas. O outro, busca as flores para se alimentar do néctar. É a natureza deles, não têm outra opção.

Nós temos! Podemos escolher o que vai povoar nossa mente. Isso é um grande poder, é fato! Optamos como vamos levar nossas vidas. Se cheios de pesos ou mesmo com desafios, sermos leves. Escolher olhar o lado negro da vida ou ver o lado colorido. Ou o cinza, se assim preferir.

Não é negar a existência do mal, ele existe e já tem muitos fãs. É simplesmente não dar força a ele nem a sua proliferação. Escolher espalhar amor em meio a um mundo escasso de bondades. A capacidade de escolha é privilégio do ser humano.

Então, dê pausas, se dê momentos! Embora saibamos da nossa finitude, aproveitar as pausas da vida pode fazer o percurso, valer a pena.

Então, lembre-se: Filtre notícias e fique somente com o que vai te fazer evoluir.

Compartilhar
Layde Lopes
Assistente Social por formação, psicanalista por vocação, coach por opção, practitioner em PNL por missão e escritora por paixão. É colunista do site Fãs da Psicanálise.



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA