Então senhoritas, existe um acontecimento clássico em um relacionamento, o famoso pedido de tempo. Mas o que ele significa?

Existem duas linhas de pensamento para se obter essa resposta. A primeira linha e a mais óbvia é a da dura verdade por trás desse pedido. De cara já podemos pensar em várias explicações: Ele não quer mais; ele não sente mais o mesmo; ele conheceu outra pessoa; ele está te enrolando; ele não tem coragem de dizer a verdade.

A segunda linha de pensamento é a da esperança: Ele está perdido, assustado com a tamanha intensidade do seu sentimento e não consegue dar um próximo passo; ele está envolvido em problemas e não quer ser um estorvo para você; ele está em crise existencial e precisa ficar sozinho; ele quer um tempo por que precisa de um tempo, simples assim.

O primeiro caminho é extremamente assustador, no entanto, o mais real. Não queremos ir por ele porque significaria romance acabado, THE END, GAME OVER. E para nós mulheres, o fim é como a morte, difícil de aceitar. Às vezes os sinais da ruína estão na nossa cara dançando ula-ula de sainha néon, e nos recusamos a ver.

Mas quando o cara pede tempo, todos os letreiros luminosos piscam no nosso cérebro apontando para a ala da nossa cegueira hiperativa, nos obrigando a buscar uns óculos especializados em ingenuidade estapafúrdia. Mesmo assim, corremos para ouvir opiniões de terceiros, ignorando completamente nosso instinto feminino.

Desesperadas para ouvir de alguém que este namoro tem conserto. Você enfia a faca na garganta das suas amigas e pergunta se está enganada, mas elas, sinceronas, sem medo da morte dizem na sua cara que ele não te ama mais. E provavelmente minha cara, sinto lhe dizer, elas estarão na maioria das vezes certas.

Outras vezes pode ser que aconteça de não haver sinal algum. Ele era o namorado perfeito, companheiro, carinhoso, bom de cama, bem sucedido. Vocês acordavam agarradinhos com o canto dos passarinhos. Dançavam juntos na chuva toda vez que caía tempestade, e achavam tudo lindo, mesmo com gripe iminente. Davam de comidinha um ao outro, na boquinha, cheios de guti guti. Mas… Numa bela manhã de sol… TEMPO.

Essa palavra maldita que causa confusão mental e dor. Ele fode seu psicológico, você não consegue entender nada, mas só pode haver uma explicação: ele conheceu outra mulher. Daquelas que vem a Terra enviada pelo capeta só para estragar o romance guti guti dos outros. É claro que pode ser verdade essa viagem toda, porque o que mais existe neste plano terreno são homens capazes de mascarar seus sentimentos.

Neste caso você não identificou os sinais e se sente mais tola que a Sandy na propaganda das Havaianas. A dor se amplifica porque além de perder seu amor você foi ENGANADA. Ambos machucados, coração e ego. Ele esmagou sua auto-estima como se esmaga uma barata cascuda, e você odeia baratas cascudas e você o odeia. Mas isso tudo é só uma suposição, então o que fazer?

Leia Mais: Dar um tempo na relação

Bom, se optar por essa linha de pensamento com certeza não deve aceitar o tal tempo, porque ta na cara que esse tempo é só uma desculpa. Termina logo esse relacionamento mandando ele pra aquele lugar, sem passe de volta. E trata de esquecer esse cara. Vai pra balada “cazamigas”, baixa o Tinder e todo aplicativo que já inventaram para espairecer a mente. Distraia-se. Faça o que goste e tudo que deixou de fazer por ele.

Mas miga sua loka, não se force a nada, entenda o que eu digo, faça o que tiver VONTADE. Se você nunca foi de sair pra dançar, beijar na boca por beijar, de nada adianta agora fazer isso, mesmo porque você não precisa provar nada para ninguém.

Eu sou da turma que curte a fossa primeiro, com tudo o que tem direito, NETFLIX e sorvete! Deixe o arrependimento para a Nutella no estômago e não outra coisa, se é que me entende. Se sentir suja e usada só pioraria as coisas. Então ache algo que te faça bem neste momento que logo ele aparecerá de mãos dadas com o TEMPO que ele te pediu, e esse tempo gata, pode ser que tenha peito e bunda. Mas pelo menos você enterrará de vez essa história.

Leia Mais: Um dos maiores vilões dos relacionamentos…

O contra de pensar dessa forma, é que se por um milagre da vida realmente ele só queria um tempinho para se encontrar ou algo sublime, você poderá perder todas as chances com o bofe, caso tenha feito “besteirinhas” nesse período.

O segundo caminho é o mais fácil, que todas as Alices têm em mente. Se você do fundo do seu coração acredita que esse tempo não é apenas uma desculpa para terminar por pura covardia, aceite. Acredite e tenha paciência. Continue vivendo sua vida normalmente, pelo menos vale à pena tentar. Mas respeite esse pedido dele. Não fique mandando mensagem toda hora perguntando como quem não quer nada – e aí como está o tempo hoje? Nublado ou o céu já abriu? – Não force a barra, mantenha-se firme nesse propósito, porque senão tudo será em vão. Deixe-o sentir saudade, deixe-o se encontrar, criar coragem.

Aceite deixando claro seus sentimentos por ele e seu respeito pela situação. Mas também deixe avisado que mesmo para tempo existe limite. Assim como ele cura, também pode destruir e você não pode esperá-lo para sempre. Nem deve hein, faça meu favor.

As pessoas costumam ser radicais demais quanto a isso, o mundo anda desconfiado, descrente e isso é nada menos que triste. Eu ainda acredito nas pessoas, e se não acreditarmos nunca, perderemos a chance de encontrar algo realmente bom e especial. Cada caso é um caso, óbvio, até meu filho de três anos sabe disso. Mas entendo que nem sempre o pedido de tempo é uma desculpa ou sinônimo de término e desamor.

Eu já pedi um tempo, sendo que tudo que eu queria mesmo era um tempo, e no final deu tudo certo. Mas aí você se pergunta, e se não der nada certo e você quebrar a cara? Daí minha amiga, garanto que não será nem a primeira e nem a última vez. A cara a gente remenda e a dor uma hora passa. Sempre passa. Com disse, não estou incentivando papéis de trouxa, estou incentivando a fé e a esperança, o que o mundo realmente precisa nestes tempos difíceis.

Compartilhar

RECOMENDAMOS

Mia Coutinho
Publicitária por formação, aeromoça por opção e escritora por paixão. Virginiana, perfeccionista, mãe do Henri. Entre fraldas e mamadeiras, entre pousos e decolagens, entre artes e artimanhas, ela escreve. Escreve porque para ela, escrever é como respirar: indispensável à vida! É colunista do site Fãs da Psicanálise.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here