Má notícia para quem mora nas capitais do Brasil.

Um estudo do Instituto de Saúde Pública de Ontário, no Canadá, descobriu que quem passa a vida perto de avenidas movimentadas tem chances 7% maiores de desenvolver demência ao final da vida.

A pesquisa analisou 6,5 milhões de ontarianos de 20 a 85 anos, a partir de seus CEPs.

E a correlação estava lá: quem morava a 50 metros de grandes avenidas (cerca de meio quarteirão) ficava mais suscetível a doenças do que quem morava a pelo menos 300 metros.

O motivo, acreditam os cientistas, está na poluição do ar e no barulho – que são de enlouquecer qualquer um.

Leia mais:Alzheimer: o cessar lento da memória, não dos laços afetivos

Se o voluntário morasse entre 50 e 100 metros das avenidas, suas chances de demência caíam para 4%, e quem morava entre 100 e 200 metros tinha apenas um risco 2% maior de desenvolver a doença.

“Apesar dos efeitos cada vez mais preocupantes das doenças neurodegenerativas, ainda não sabemos ao certo as suas causas. Há indícios que associam o trânsito a esses males.

Leia mais: “Quer calar a boca?”: a importância de desfrutar de duas horas de silêncio por dia

Alguns estudos mostram que emissões de diesel podem causar inflamações neurológicas. E já se provou que o barulho diminui a capacidade cognitiva em ratos”, escreveram os autores do estudo.

Os pesquisadores também investigaram a relação dos CEPs dos moradores com outras doenças, como Mal de Parkinson ou esclerose múltipla – mas não houve ligação nesses casos.

(Autor: Karin Hueck)
(Fonte: super.abril.com.br)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here