“Quando o sujeito depara com a fantasia que sustenta sua neurose, é como se dissesse: ‘Nossa, era só isso? Eu estava sofrendo há tanto tempo só por causa disso?’, Maria Rita Kehl.

Inserir a Psicanálise na educação é uma questão que já deveria ser debatida pelos gestores há muito tempo. Num momento conturbado, em que os valores são invertidos (alunos com total descontrole sobre as ordens dos educadores) e professores cada vez mais com medo de algumas ameaças juvenis e paternas, nesse contexto a teoria psicanalítica pode ajudar a melhorar o ambiente educacional.

Sabemos que a liberdade sexual está cada vez mais presente nos jovens. Freud já defendia que as crianças devem receber uma educação sexual assim que demonstrar um interesse sobre tal assunto. Mas, o terapeuta disse que a psicanálise não pode fazer o papel da educação e não pode ser considerada salvação para todos os problemas educacionais, mas pode auxiliar em um maior conhecimento do funcionamento mental e inconsciente dos sujeitos envolvidos.

A resistência dos pais e pedagogos quanto ao assunto apenas compromete o desenvolvimento saudável do indivíduo, que está na escola para aprender e, muitas vezes, é mais avançado e “atirado”, devido às tecnologias, do que os próprios professores. A nova geração tem um verdadeiro bombardeio de informações com a internet que jamais aconteceu na história.

Diante de tal situação, ou seja, tentar educar as crianças com certos mitos que reprimem ainda mais o interesse sobre a sexualidade infantil só causa dano e mais desejo pelo proibido.

Mas, é válido ressaltar que no momento em que os educadores ou os pais passam a lidar com esse tipo de situação diante de uma criança, fica muito difícil saber concretizar tal aprendizado, uma vez que, por não se lembrarem de sua época de infância, logo, fica praticamente impossível visualizar as verdadeiras duvidas que a criança realmente tem.

Nesse contexto, qualquer explicação que o educador proporcionar a uma criança, não terá validade, já que, muito do que fora explicado, nada iria servir para a mentalidade infantil ou juvenil se o seu inconsciente não vai se satisfazer com tais explicações.

Justamente por isso que o próprio inconsciente do aluno irá gerar as suas próprias explicações sobre a sexualidade.

Nessa perspectiva, os professores devem abordar o seu conhecimento, sem resumir-se a métodos pedagógicos, pois tais métodos trilham objetivos, resultados e metodologias, uniformizando assim o aprendizado e não respeitam as estruturas inconscientes do subjetivismo.

O professor deve lidar com uma sala de aula, negando todo o seu papel repressor imposto culturalmente e aceitar que cada aluno irá digerir o conhecimento proporcionado por ele de uma maneira singular, ou seja, o aluno só irá aprender o que lhe fazer realmente sentido, tendo em vista as suas necessidades psicológicas.

Enfim, o profissional da educação deve ser menos repressor e aceitar que, ao atuar em uma sala de aula, ele vai estar diante de diferentes subjetividades, logo os seus resultados esperados não serão de maneira alguma uniformizados.

Ocupar-se de atividades intelectuais

Walace Mello, professor de filosofia e história, diz que o papel de um professor conhecedor da psicanálise e da filosofia é de orientar os seus alunos a se ocuparem em atividades intelectuais, estimulando assim, o próprio processo de sublimação.

Concordo, porém o acompanhamento de um profissional da psicanálise no ambiente escolar pode ajudar, e muito, na construção do indivíduo, que repele a “opressão” pedagógica e por isso impõe-se como pode. Em muitos casos com a violência, uma vez que ainda não está pronto para argumentar e não conhece outra forma de liberar seus desejos.

A psicanálise é uma teoria a ser aplicadas sobre o real. Essa grande teoria que atravessou o século 20 e não perdeu a atualidade no século 21 é, antes de tudo, método de investigação sustentado por alguns pressupostos teóricos. Não pode ser tomada como dogmas. Ajuda-nos a observar, entender e operar sobre o mundo à nossa volta.

Por isso, nem só para os alunos a psicanálise seria útil na escola. A teoria psicanalítica também pode ser aproveitada pelos educadores que passam por situações estressantes na maior parte do ano letivo. Eles também teriam no profissional um apoio psicológico para tratar de suas neuroses causadas no ambiente escolar. A psicanálise pode ajudar a descobrir um jeito de relacionamento entre professor x aluno, favorecendo a aprendizagem e o desejo de aprender.

Transformações na prática pedagógica

A prática pedagógica pode ser transformada com as contribuições da psicanálise à medida que o professor, pelo menos, possa abrir um espaço de escuta do desejo do aluno e considere que sua atividade intelectual depende da sublimação e da identificação que aquele faz com o professor que tem papel fundamental em despertar o desejo.

Portanto a psicanálise pode contribuir para possíveis transformações pedagógicas sim, pois através dela podemos conhecer a individualidade psíquica de cada aluno; reconhecer o que passa em sua mente através de pequenas observações de gestos que deixam transparecer; dar-lhe amor e ser autoridade ao mesmo tempo, ser conhecedor de convicções aceitas e compartilhadas culturalmente para daí sim, passar a ser mediador entre o aluno e o conhecimento.

Compartilhar
Roney Moraes
Psicanalista; Especialista em Saúde Mental e Dependência Química; Mestre em Filosofia da Religião; Doutor em Psicologia (Dr.h.c); Doutorando em Psicanálise (Phd); Analista Didata da Escola Freudiana de Vitória (Acap); Ex-presidente e membro da Associação Psicanalítica do Estado do Espírito Santo (Apees); Coordenador do Centro Reviver de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas (Crepad); Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL). É colunista do site Fãs da Psicanálise.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA