Um dia eu estava no carro e ouvi a gravação de “Sozinho” com a interpretação de Tim Maia, arrasadora.

Foi logo após uma rompante noite de amor.

A partir daí me apaixonei, não só pela música, mas por aquela noite que de efêmera, não saiu mais da minha cabeça.

Nesses dias tratei de juntar os tais: antes, durante e depois. E nesses secretos devaneios me propus a ser mais, a ser melhor, a acreditar novamente que é possível me interessar por alguém.

Mas o inevitável pensamento recorrente de não dar crédito ao sentimento que o corpo exala e a mente defende, está aniquilando a minha coragem.

Li a respeito, dá-se o nome de “Pisantropia” ao medo de confiar em outras pessoas. Mas o que isso necessariamente diz sobre mim?

Certamente tenho medo, seja fundado nos relacionamentos baseados em desconfianças e mentiras do passado ou ainda baseado também no que o futuro incerto me reserva. Para ambos sentimentos Freud atribuiu um nome: “angust”.

Leia mais: O preço é a angústia

Angústia e Ansiedade levam a um sinônimo: Medo!

Se até Freud diagnosticou o desânimo que coloca a paixão como perene, começo a perceber e ressaltar a covardia que convivo diariamente e assumo a mais premente das minhas ilusões: o hoje.

Enquanto permaneço com a atenção voltada naquilo que houve e afasto qualquer tentativa de envolvimento, por mais envolvente que pareça, alimento a ilusão de que não há qualquer verdade em estar apaixonada.

Mas veja, ainda há sobriedade quando reflito que esse encantamento com a noite passada está construído em areia, que para consolidar-se em algo real devo me apossar dele e trazê-lo ao agora.

Leia mais: Você tem pistantrofobia?

Afinal, de tudo o que passei a única realidade que tenho é da série de volúpias e sensações que em mim pulsam e isso chega a ser tocável, compreende? Isso existe, é real. Essas sensações pertencem a mim e delas faço o que quero.

Basta de viver na ilusão de ter medo do que foi ou do que está por vir. Deixar essa deliciosa paixonite escapar entre os dedos é ao menos lamentável. Faço o hoje, realizo bem o agora, aproveito a sensação presente, sem me apegar às tristes lembranças do ontem ou às doces perspectivas do amanhã.

Compartilhar

RECOMENDAMOS

Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores.Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here