Costumamos confundir os termos “autoestima” e “autoconfiança”. Se essas duas noções estão intimamente ligadas, elas são completamente diferentes. O sentimento de confiança está correlacionado com a capacidade de acreditar no potencial de sucesso de uma pessoa, quando a autoestima está ligada a uma consciência do próprio valor.

Estes últimos desempenham um papel fundamental no desenvolvimento do ser humano. Desde a infância, o ser humano usa seus conhecimentos e experiências para construir a imagem que fará de si mesmo. Essa percepção permitirá que, ao longo de sua vida, dite suas reações e comportamentos. Para um melhor desenvolvimento da estima, os pais, principais vetores dessa construção de identidade, devem evitar dizer essas 5 coisas aos filhos.

Dizem que uma criança é um livro em branco. Ninguém nasce com uma autoestima previamente estabelecida. A consciência do valor pessoal é construída em torno das primeiras experiências da vida e depende de vários parâmetros fundamentais, em particular o amor dos pais e a segurança emocional.

A partir do momento em que a criança toma consciência de seu “eu”, sua autoestima se desenvolve pouco a pouco, refletindo seus relacionamentos com as pessoas ao seu redor. Como você pode ver, se a autoestima flutua ao longo das experiências da vida, seus fundamentos estão ancorados na primeira infância.

De onde vem a falta de autoestima

É, portanto, desde a infância que certas experiências podem prejudicar a autoestima de uma pessoa. E, às vezes, são os pais, com o desejo de superproteger a criança, que podem dizer palavras ou ter comportamentos que fazem com que esta duvide de suas habilidades.

Este freio favorece certos complexos que podem prejudicar a criança ao longo de sua vida. Medo de fracasso, abandono, medo de desapontamento ou medo de desaprovação, todas as consequências psicológicas que podem prejudicar o desenvolvimento pessoal de uma pessoa .

Dicas para ajudar seu filho a ter melhor autoestima

A melhor maneira de ajudar seu filho a se autoestima é fazê-lo sentir-se amado e apreciado pelo que é. Esse amor incondicional lhe permitirá perceber seu valor, abrindo assim o campo de possibilidades.

Também é importante destacar suas proezas com comentários positivos. Isso permitirá que você promova seu sucesso e desenvolva seu sentimento de confiança. Tome cuidado para não cair em exageros, parabenizando-o pela menor conquista, pois os elogios perderiam todo o seu significado. Incentive seu filho, faça com que ele se conheça bem e desenvolva seus pontos fortes e preferências. Isso é o que lhe permitirá, aos poucos, forjar os elementos que constituirão o adulto que ele será depois.

Por outro lado, certas frases devastadoras da autopercepção devem ser banidas e nunca devem ser comunicadas a uma criança.

5 frases que podem prejudicar a autoestima de uma criança:

1) “Você não vale nada”

Essas poucas palavras podem ser destrutivas para uma criança, especialmente se forem ditas por uma figura parental. Durante o processo de construção da identidade, a criança precisa mais da aprovação dos pais. Fazê-lo entender que isso não tem valor aos seus olhos é pressioná-lo a buscar essa aprovação nos outros. Um círculo vicioso do qual ele mal consegue se livrar.

2) “Pare de chorar!”

Quando punida ou consignada, uma criança expressa suas emoções chorando. Quando você pede que ele pare de chorar, você o faz entender que ele precisa aprender a reprimir seus sentimentos e suprimir sua dor.

3) “Você me decepciona”

Um pai espera o melhor de seu filho. No entanto, você nunca deve responsabilizá-los por suas expectativas. Se seu filho falhar, é importante fazê-lo entender que o fracasso é a melhor maneira de ter sucesso. Guie-o e convide-o a aprender com seus erros.

4) “Você não é suficiente (…)”

Não é inteligente o suficiente, não é forte o suficiente, não é talentoso o suficiente … Tantas frases que podem parecer triviais para você, mas que podem paralisar a construção da identidade de seu filho e afetar sua autoestima. Em vez disso, dê-lhe conselhos para desenvolver suas habilidades e incentive-o a fazer o que quiser.

5) “Você não é mais um bebê para ter medo.”

O medo é uma emoção natural e uma reação biológica ao perigo. Ao longo de sua vida, seu filho pode sentir medo. Portanto, não faz sentido fazê-lo acreditar que esse sentimento deve ser ignorado. O mais importante é incutir nele que ele precisa dedicar algum tempo para entender essa emoção e saber como superá-la.

Fonte: genialidades
Imagem: pixabay

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here