A vida de hoje é uma aventura estressante, uma jornada cada vez mais acelerada para lugar nenhum que muitas vezes acaba transbordando. Para lidar com os problemas do dia a dia – e aqueles que não são tão comuns – todos colocamos em prática diferentes estratégias de enfrentamento.

Você pode não estar totalmente ciente de suas estratégias de enfrentamento, mas isso não significa que você não as use para lidar com situações estressantes e conflitantes na vida. Essas estratégias de enfrentamento têm dois objetivos essenciais: mantê-lo à tona nos momentos mais difíceis e resolver o problema.

No entanto, existem estratégias não tão eficazes, maduras e psicologicamente saudáveis. Alguns podem até criar mais problemas do que resolver, tornando-o emocionalmente inferior. Escapismo é um deles. E todos, em maior ou menor grau, somos escapistas.

O que é escapismo? Psicologia da Evasão

Escapismo é uma estratégia que implica a tendência de fugir do mundo real, procurando a segurança e tranquilidade desejadas em um mundo de fantasia. Geralmente, implica desenraizamento da realidade para encontrar refúgio em um universo ficcional e paralelo, embora também possa envolver fantasias relacionadas a um eu melhor, mais poderoso, bem-sucedido ou importante.

Também é conhecida como síndrome de Houdini, aludindo às faculdades do lendário escapista húngaro do século XIX. No entanto, em Psicologia, o escapismo é um mecanismo de prevenção que envolve escapar de conflitos, problemas e / ou responsabilidades diárias.

As estratégias escapistas mais comuns para fugir da realidade

Existem diferentes maneiras de escapar de uma realidade da qual não gostamos. Algumas pessoas podem passar horas tentando desbloquear o próximo nível de um game, enquanto outras se perdem no buraco negro das redes sociais. Existem aqueles que mergulham em maratonas em série e aqueles que desaparecem entre as páginas de um livro ou se envolvem em atividades que não têm significado ou relevância quando teriam coisas muito mais importantes e peremptórias para fazer.

Não é por acaso que um estudo realizado na Universidade de Mannheim revelou que a quantidade de horas que os adultos passam assistindo televisão é um indicador de seu nível de escapismo. Esses psicólogos descobriram que aqueles que experimentam uma pequena necessidade de autorreflexão e introspecção tendem a dedicar mais horas do dia à televisão.

No mundo de hoje, a forma preferida de escapismo é a necessidade compulsiva de estar constantemente envolvido na vida tecnológica, procurando informações aparentemente importantes, tocando ou remexendo nas redes sociais. De fato, vários estudos, incluindo um realizado na Universidade de Duzce , encontraram uma conexão entre o tempo que gastamos nas redes sociais e na Internet em um sentido geral e a tendência ao escapismo.

Até viagens podem ser uma estratégia escapista, como indicado por pesquisadores da Universidade de Surrey, especialmente quando o objetivo dessas viagens não é descobrir um novo lugar, mas apenas fugir do lugar onde estamos, porque é insuportável.

Obviamente, drogas e álcool também são uma estratégia escapista extrema, uma vez que alteram nossas funções cognitivas, produzem uma desconexão do nosso “eu” e tornam mais fácil ignorar a realidade, causando também grandes danos físicos e psicológicos.

Na realidade, todo mundo escolhe seu método de fuga preferido e mergulha no universo alternativo que criou para evitar uma realidade que é avassaladora e com a qual eles não querem lidar.

Do escapismo saudável ao escapismo tóxico

Todos nós carregamos um escapista dentro. De tempos em tempos, sentimos a necessidade de mudar, desconectar, reiniciar… É por isso que tiramos férias, lemos romances, assistimos TV ou vídeos na Internet.

O próprio Sigmund Freud acreditava que o desejo de escapar faz parte da condição humana. ” As pessoas não podem sobreviver com a pouca satisfação que podem roubar da realidade”, escreveu ele.

O desejo de escapar, por si só, não é bom nem ruim. Em alguns casos, a função das estratégias escapistas é permitir-nos lidar melhor com um mundo que é esmagador demais, um mundo que parece impossível de gerenciar e ameaça destruir um “eu” que não está passando pelo seu melhor momento.

Fazer uma pausa, relaxar e desconectar-se de certas preocupações pode ser saudável. De tempos em tempos, você quer viajar para um mundo mais confortável, sem responsabilidades, sem problemas, sem lutas. Esses momentos podem nos ajudar a assumir a distância psicológica necessária para resolver o problema.

No entanto, quando o escapismo se tornar a “SOLUÇÃO”, a estratégia de não enfrentamento por excelência, é provável que mais cedo ou mais tarde tenhamos um problema, em letras maiúsculas, MUITO MAIOR do que o problema que estávamos tentando escapar.

Pare de escapar para começar a enfrentar

Como todos nós, em maior ou menor grau, implementamos estratégias escapistas, é importante estarmos cientes delas. Praticamente qualquer atividade pode se tornar uma válvula de escape da realidade, muitos desses comportamentos podem até parecer positivos. A chave é perguntar se é uma desculpa para evitar a autorreflexão necessária.

Beber um copo de vinho ouvindo música após um longo dia de trabalho pode ser uma maneira agradável de relaxar. Mas se você entra pela porta da casa procurando a garrafa porque não consegue lidar com a realidade da sua casa, precisa parar e se perguntar qual é o problema que precisa resolver.

Quanto mais tempo gastamos para escapar, menos tempo teremos para refletir sobre o que está acontecendo conosco e o que sentimos. Precisamos estar cientes de que correr constantemente não deixará para trás os medos, apenas os exacerbará porque não há lugar no mundo em que você possa fugir de si mesmo.

Um estudo realizado na Universidade de Leiden nos alerta que as pessoas que constantemente evitam lidar com suas emoções intensas experimentam maiores sentimentos de ansiedade e sofrimento emocional ao longo do tempo. E é ai que a tendência ao escapismo psicológico pode se tornar uma bola de neve perigosa. O problema continuará a crescer à medida que nos sentimos “seguros” em outro universo.

Portanto, é importante lembrar que, por mais reconfortante que seja escapar entre as páginas de livros, redes sociais, televisão ou qualquer outra atividade que nos permita desconectar-se das preocupações, os problemas geralmente não desaparecem por si só, nem as situações estressantes ou os conflitos que as geraram desaparecerão.

Embora o escapismo possa servir como uma técnica para lidar com o estresse pontual quando nos sentimos sobrecarregados, precisamos estar maduros o suficiente para saber quando chegou a hora de retornar à realidade e enfrentar o problema.

Enquanto continuarmos evitando o problema, o estresse permanecerá, e isso nos levará a querer evitar uma realidade cada vez mais ameaçadora, deixando-nos em um círculo vicioso.

3 passos para recuperar o controle

O primeiro passo para romper o ciclo escapista é reconhecer que estamos fugindo. Para fazer isso, basta responder a uma pergunta com sinceridade: o que estou fazendo me ajuda a resolver o problema de vez?

O segundo passo é detectar exatamente do que estamos escapando, que problema nos domina. Para fazer isso, podemos nos fazer uma pergunta simples: o que me incomoda / assusta / preocupa?

E o terceiro passo é encontrar soluções que nos permitam resolver o que nos preocupa ou, pelo menos, atenuar a tensão que nos gera. Isso nos ajudará a nos perguntar: como eu quero que seja minha vida? E então devemos trabalhar para que isso aconteça.

(Fonte Original: rinconpsicologia.com)
*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

(Imagem: Bruce Mars)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here