“Homem não chora” é uma expressão mais do que ultrapassada. Tanto que ele não só chora, como sofre, entra em depressão e pode ficar anos até conseguir esquecer um antigo amor. Por isso, aquele esteriótipo de homem fortaleza que aguenta qualquer pancada da vida, construído culturalmente pelas antigas sociedades, está se esvaindo para dar espaço a um conceito moderno de masculinidade.

Mais do que uma demanda cultural, é uma nova percepção daquilo que os filhos e as mulheres desejam dos homens. Não esperam mais apenas um provedor que trabalha, sustenta casa e representa uma autoridade frívola e sem afeto. O mundo anseia por homens que também cuidem da casa, que tomem conta dos filhos e, principalmente, dos sentimentos de toda a família. Companheiros que sabem compreender e estão abertos ao diálogo, pais que dão carinho e dizem “eu te amo” para seus filhos.

Se engana quem pensa nisso como uma obrigação. Homens não estão mudando apenas pelos outros, mas por si mesmos. Os machões de coração de ferro, na verdade, nunca existiram, isso sempre foi uma máscara de macheza que impunha uma necessidade de mostrar uma infalibilidade, uma insensibilidade que, de fato, não define virilidade, mas procura se defender de um forte e medíocre preconceito por ser associada a sensibilidade feminina, tipo de pensamento que é um grande prejuízo à nossa sociedade.

Isso porque os homens também têm sentimentos, também amam e querem o direito de demonstrar que existe um coração enorme dentro do peito capaz de disseminar carinhos, exibir doçura, empatia pela tristeza do outro e se emocionar com os primeiros passinhos do filho.

Homem também chora assistindo a um filme, porque seu time perdeu o campeonato e se debulha por dias devido a um amor que se foi. E chega a cair em depressão por causa disso ou outro motivo que o entristece e tira sua vontade de sair da cama. O coração de um homem é capaz de se quebrar, sim, mesmo que ele diga que não ou se esconda atrás de um “está tudo bem.”

Por mais masculinos que sejam, também são capazes de ficar magoados quando entram em alguma discussão, quando a mulher briga ou uma pessoa que estima esquece do seu aniversário. Nó na garganta não é apenas para mulheres e crianças, chorar compulsivamente também não. E eles fazem isso muito, mesmo que escondidos. Nesses momentos, eles também precisam de colo, cafuné e atenção. Cansam da rotina, esgotam-se emocionalmente e, muitas vezes, têm vontade de explodir.

E quem acha que homem não sente medo, está muito enganado. O primeiro pavor é de não ser aqueles homens que esperam que eles sejam. Da mesma forma, temem perder sua mulher, o emprego. De serem rejeitados e traídos. Podem ter medo de outros homens e até de algumas mulheres. De caminhar na rua de madrugada, do escuro à noite, ou de ficarem sozinhos, mesmo que jamais consigam admitir.

A sensibilidade masculina nunca será igual à feminina, mas, com certeza, representa os sentimentos mais frágeis que um homem naturalmente pode ter e a devida permissão para senti-los. Em uma forma de expressão máscula e, ainda assim, com uma alma capaz de ser tocada.
Isso não é vergonha, nem diminui a masculinidade de ninguém, apenas demonstra que aquele que veste cueca, antes de ser um homem cabra-macho, é também uma pessoa sensível, gentil e capaz de amar.

E são homens assim que todos desejam ter por perto e, principalmente, como todo ser humano deveria ser.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

(Imagem: Ric Rodrigues)

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Luciano Cazz
"Luciano Cazz é publicitário, ator, roteirista e autor do livro A TEMPESTADE DEPOIS DO ARCO-ÍRIS." Quer adquirir o livro? Clique no link que está aí em cima! E boa leitura!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here