Eu amo ensinar .Eu fico de pé todos os dias na frente da sala de aula e converso sobre um assunto que eu amo para um monte de crianças engraçadas. Posso pendurar pôsteres coloridos com citações inspiradoras, ter um suprimento infinito de canetas de gel, ter o maior número de post-its do mundo e escrever em um quadro branco com dez marcadores coloridos diferentes.

Eu uso esses marcadores para desenhar diagramas de células, microscópios e DNA e tudo mais. Tenho luzes estreladas penduradas na borda da metade do meu quarto. Eu mostro o trabalho incrível dos pôsteres de ciclo celular dos alunos por todas as paredes. Dou-lhes adesivos quando obtêm uma resposta correta (ou apenas porque quero) e eles os colocam em suas pastas. Eu brinco com eles e ocasionalmente almoçamos juntos. Eu realmente gosto da presença deles. Eu realmente gosto da minha carreira.

Mas se esta fosse a minha rotina de todos os dias, seria bom demais para ser verdade. Alguns dias, as crianças simplesmente não querem fazer nada. Eles não gostam das minhas piadas. Eles estão cansados ​​de ficar acordados estudando uma parte da noite. Eles não gostam da minha personalidade peculiar. Pedir que eles guardem seus telefones resulta em um “foda-se” e vinte minutos mandando-os para a coordenação.

Dizendo-lhes para abaixar a voz quando estão gritando em sala de aula resulta em: “Isto é saco” e “Você só reclama.” Pedir para eles se concentrarem em seus trabalhos escolares advém da resposta: “Oh, meu Deus, pare de se incomodar”. Se for um dia especialmente “difícil ”para eles, eles sairão da aula dizendo:“ Essa aula é uma droga ”. Ou serão escoltados enquanto dizem:“ Essa aula é estúpida e seu sistema de classificação é idiota.”

Todos os dias recebo um comentário como esse de vários alunos. Todos os exemplos (reais) acima ocorreram em um único mês. Eu fico calmo. Tento impedir que uma situação se agrave até esse ponto, mas na maioria das vezes ela surge do nada. Quando o desrespeito acontece, eu tenho que notificar a secretaria. E quando isso acontece, tenho a tarefa de entrar em contato com a casa deles para notificar os pais. Eu posso ou não obter uma boa resposta. É sempre uma coisa arriscada de se fazer.

Os professores são instruídos a se concentrarem nos aspectos positivos, porque os negativos serão pesados para se ouvir. Eu concordo totalmente. Portanto, nunca levo trabalho para casa comigo (o que significa ficar na escola até quase jantar algumas noites) e tento não verificar meu e-mail. Por quê? Porque muitos professores, inclusive eu, sofrem de depressão clínica.

Alguns antecedentes da minha história com doença mental: fui diagnosticado com TOC aos 6 anos, mas a intervenção precoce ajudou a eliminar a maioria dos sintomas aos 8 anos. Aos 12 anos, fui diagnosticada com depressão e ingeri diferentes tipos de medicamentos por 14 anos.

Eu tomo remédios para ansiedade há três anos. Na faculdade, passei um tempo em um hospital para pessoas com pensamentos relacionados ao suicídio. No ano passado, a pessoa com quem eu deveria estar para sempre de repente terminou comigo por texto e nunca mais falou comigo – resultando em Transtorno de Estresse Pós Traumático (TEPT).

Apesar da doença mental, nunca deixei isso abalar minha vida. Poderia acabar com o meu dia, talvez a minha semana, mas eu sempre soube que iria perseverar e me formar na faculdade e me tornar professora de ciências do ensino médio.

No começo, pensei que a doença mental me impediria de ser o melhor professor que eu poderia ser. No entanto, isso me deu muitos pontos positivos. Sou intuitivo e posso sentir quando um aluno está sofrendo. Eu posso puxá-los de lado para uma conversa franca e eles vêem meu genuíno cuidado por eles.

Inúmeras vezes, neste ano escolar, tive alunos entrando na minha sala apenas para chorar, desabafar e tentar ser ouvido. Então, eu estou lá para ouvir. Sou empático e sensível, e um aluno que está sofrendo a perda de um ente querido ou seu cão de estimação parte meu coração por eles. Eu escuto. Eu amo meus alunos porque aprecio tudo o que eles passaram.

Mas, às vezes, as crianças não reconhecem o que os professores passaram. E é aí que a empatia se perde. As crianças fazem comentários ofensivos e projetam sua frustração em mim, a professora. Eles estão com raiva de si mesmos por esquecerem o dever de casa, então me dizem que minha turma é inútil e burra.

Elas estão brigando com o namorado via mensagem de texto e peço que guardem o telefone, então eles me mandam para aquele lugar. Eles querem brincar com seus amigos, mas eu os paro e digo que há lições que preciso ensinar para que respondam: “Você só quer ter algo para reclamar”.

No final do dia, sei que fiz um bom trabalho. Eu usei minha doença mental para me conectar com os alunos. Mas também repito os aspectos negativos que me foram apontados hoje: sou irritante, devo me foder, minha turma é péssima, reclamo demais, grito com eles por tudo, meu sistema de classificação é estúpido.

E então continuo repetindo essas mensagens. Eu me pergunto o que fiz para fazê-los pensar dessa maneira. Eu me pergunto se fui muito severo ou pedi demais deles. Mas a verdade é que nada disso foi minha culpa. Mas ter doença mental a torna real. E porque me disseram que essas coisas são reais, e minha mente está processando isso tão literalmente, estou no ponto de inflexão da depressão. Eu vou para casa todos os dias com depressão.

Minha característica mais valorizada é a empatia. É a capacidade de se conectar com os outros sem ter que passar por algo semelhante a si mesmo. Um dia, tive um aluno conversando comigo e pedi desculpas por não ter esclarecido as instruções da tarefa, porque na noite anterior eu estava no pronto-socorro por um acidente de carro. A aluna disse que estava arrependida por não saber. Mas ninguém deve contar a alguém pelas coisas ruins que passou para obter empatia e respeito. Você só precisa tratá-los como se eles já tivessem lhe dito que passaram por algo ruim. Porque todo mundo tem. Todos. Incluindo professores.

Mesmo que eu passe a noite chorando, vou trabalhar no dia seguinte com tanta energia quanto no dia anterior. Pego meus marcadores coloridos e escrevo os planos no quadro. Mas na parte de trás da minha cabeça, estou repetindo esses comentários. E enquanto eu os reproduzo, um aluno entra na classe e diz: “Ugh, essa aula é tão chata.” E eu quero me voltar para ele e dizer muitas coisas, como, por exemplo, que  passei três horas depois da escola fazendo a tarefa legal de hoje. Ou como minha avó faleceu no mês passado. Ou como eu tive que encontrar um novo lugar para ficar quando meu ex terminou comigo, agora eu moro a uma hora no porão dos meus pais. Quero dizer que tive que fazer minha maquiagem no carro porque meu alarme disparou tarde demais e eu chorei na viagem aqui de qualquer maneira.

Eu quero dizer que estou triste. E quero dizer que estou triste porque tenho depressão e isso está me sobrecarregando cada vez mais com os abusos emocionais de alguns estudantes com os quais lido todos os dias. E como eu simplesmente não estou bem.

Mas eu não digo isso. Eu não posso dizer isso. Por isso, digo: “Sente-se todos, e começaremos depois que eu comparecer”.

(Fonte: thoughtcatalog.com)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here