É necessário encontrar um equilíbrio no que fazemos para manter uma boa saúde mental e física. Isso inclui exercício físico. Um novo estudo sugere que o treinamento atlético excessivo não apenas causa cansaço no corpo, mas também esgota o cérebro (Blain et al., 2019). De fato, alguns atletas podem sofrer de “síndrome do overtraining”, na qual seu desempenho cai quando experimentam uma sensação avassaladora de fadiga.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores impuseram uma carga excessiva de treinamento aos triatletas, mostrando uma forma de fadiga mental. Esse cansaço incluía atividade reduzida em uma parte do cérebro importante para a tomada de decisões. Os atletas também agiram de maneira mais impulsiva, optando por recompensas imediatas, em vez das maiores recompensas, que demorariam mais para serem alcançadas.

“A região pré-frontal lateral afetada pela sobrecarga do treinamento esportivo era exatamente a mesma vulnerável ao trabalho cognitivo excessivo em nossos estudos anteriores”, diz o correspondente autor Mathias Pessiglione, do Hospital de la Pitié-Salpêtrière, em Paris. “Portanto, essa região do cérebro se apresentou como o ponto fraco da rede cerebral responsável pelo controle cognitivo”.

Juntos, os estudos sugerem uma conexão entre o esforço mental e físico: ambos requerem controle cognitivo. Eles sugerem que a razão pela qual esse controle é essencial para exigir treinamento atlético é que manter o esforço físico e atingir uma meta distante requer controle cognitivo.

Pessiglione e seus colegas recrutaram 37 atletas masculinos competitivos e de resistência, com idade média de 35 anos. Os participantes foram designados para continuar seu treinamento normal ou aumentar esse treinamento em 40% por sessão, por um período de três semanas. Os pesquisadores monitoraram seu desempenho físico durante os exercícios de ciclismo realizados nos dias de descanso e avaliaram sua experiência subjetiva de fadiga usando questionários a cada dois dias. Eles também realizaram testes comportamentais e ressonância magnética funcional (RM).

As evidências mostraram que a sobrecarga de treinamento físico levou os atletas a se sentirem mais cansados. Eles também agiram de forma mais impulsiva nos testes usados para avaliar como eles fariam escolhas econômicas. Essa tendência foi mostrada como um viés a favor de recompensas imediatas sobre aquelas que exigem mais tempo. Os cérebros dos atletas que estavam sobrecarregados fisicamente também mostraram uma diminuição na ativação do córtex pré-frontal lateral, uma região chave do sistema de controle executivo, na tomada dessas decisões econômicas.

Os resultados mostram que, embora o esporte de resistência seja geralmente bom para a saúde, o exagero pode ter efeitos adversos no cérebro. “Os estados neurais são importantes: as mesmas decisões não são tomadas quando o cérebro está cansado”, diz Pessiglione, que sugere que pode ser importante controlar o nível de fadiga para evitar tomar más decisões nas esferas política, judicial ou econômica.

Referência:

Os dados foram analisados por meio de questionários e entrevistas. Impacto neuro-computacional da sobrecarga de treinamento físico na tomada de decisão econômica. Biologia atual: CB . https://doi.org/ 10.1016 / j.cub.2019.08.054

(Fonte Original: psyciencia.com)
*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

(Imagem: Bruce Mars)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here