Algumas atitudes distanciam mais do que água e óleo. Não importa se é o membro da família com quem moramos ou o colega que vemos todos os dias. Seus padrões rígidos, sua maneira inflexível de pensar e seus valores levantam barreiras, cercos e armadilhas emocionais que perturbam seriamente o ambiente em que vivemos.

Como costumamos dizer, em nossos relacionamentos sociais e emocionais o que importa, além das palavras, são certamente as atitudes. Poucas dimensões são tão importantes e interessantes no campo da psicologia quanto os processos que entram em jogo nos relacionamentos.

“Atitude é uma coisa pequena que faz uma grande diferença”
-Winston Churchill-

É preciso dizer que o estudo das atitudes se enquadra nas disciplinas clássicas da psicologia. No entanto, seu desenvolvimento ao longo das décadas nos mostrou que nossas atitudes nos levam a um estilo de vida mais feliz ou, inversamente, à complexidade existencial em que vemos mais conflitos do que oportunidades.

De fato, há um aspecto visível na vida cotidiana. Nossos ambientes mais íntimos são sempre habitados por certas pessoas que, com suas atitudes, seu modo de pensar e agir, facilitam ou impedem seriamente a coexistência. Essas dimensões psicológicas têm sua expressão em contextos sociais e, portanto, ninguém é imune a elas.

As diferentes atitudes que precisamos conhecer

Viktor E. Frankl disse que “tudo pode ser retirado do homem, exceto uma coisa, a última das liberdades humanas: a atitude de alguém em um determinado conjunto de circunstâncias, essa escolha aponta um caminho”.

Tudo isso nos leva à conclusão de que poucas ferramentas são tão indispensáveis ​​e maravilhosas quanto o poder de nossas atitudes. No entanto, você precisa confiar em uma abordagem construtiva, flexível e saudável para sobreviver muito melhor neste mundo às vezes complexo e até contraditório.

Uma das primeiras perguntas que certamente vem à mente é como essas atitudes são formadas e integradas a nós. É interessante saber que elas são aprendidas. Durante a infância “absorvemos”, muitas vezes sem perceber, muitos dos valores, interpretações e atribuições que são transmitidas a nós por nossa família.

No entanto, chega um momento em que flexibilizamos o que aprendemos. Seguindo as experiências que vivemos ou as interações que tivemos nas distintas mídias sociais em que estamos, podemos relativizar muitas das idéias aprendidas no percurso da vida.

Um fato que devemos entender é que as atitudes não são dimensões estáveis ​​nem fixas ao longo do tempo. Muitos podem mudar e ser aprimorados, o que certamente é positivo, porque significa que estamos constantemente crescendo com o objetivo de definir melhor nossa preciosa identidade.

Nem todas as atitudes facilitam a coexistência

Dissemos isso no começo. As atitudes às vezes agem como fontes de conflito, criando distâncias intransponíveis. Isso acontece porque existem indivíduos que sempre adotam uma atitude defensiva; outros são altamente resistentes a mudanças e baseiam suas interações em preconceitos; alguns sugerem um substrato baseado apenas em narcisismo e egoísmo.

Vamos agora ver quais atitudes podemos testemunhar em nossos dias:

Atitude altruísta ou integradora: é a atitude mais positiva e a que mais facilita a coexistência. Baseia-se em qualidades como disponibilidade, abertura, aceitação e preocupação com as quais tentamos obter um benefício mútuo.

Atitude manipuladora: nesse caso, nos encontramos diante das pessoas clássicas que visam um objetivo: seu próprio bem-estar . Todo comportamento e toda palavra fará uso do engodo mais sibilante para alcançar seu objetivo.

Atitude interesseira:  há pessoas que têm deficiências e necessidades diferentes. Por esse motivo, todas as suas ações terão como objetivo apenas satisfazer essa situação de abandono, atraindo atenção ou sendo vitimizadas.

Atitude agressiva: nesse caso, existem indivíduos que gostam de criar uma distância descarada, deixando-se levar pelos preconceitos e por valores agressivos que causam inúmeros problemas.

Quatro atitudes que precisamos ter para sermos felizes

A psicologia positiva nos lembra que a felicidade depende de vários fatores. Um deles é encontrado na genética, outro na nossa situação pessoal (contexto social, educação, trabalho, relacionamentos, saúde …) e o último, o mais relevante de todos, certamente se refere às nossas atitudes.

O aspecto interessante dessa abordagem é que, como indicamos, as atitudes podem ser alteradas, treinadas e trabalhadas todos os dias para melhorar nossa convivência e a abordagem vital com a qual construir um bem-estar autêntico.

Portanto, vale a pena conhecer as atitudes que devemos integrar em nosso cotidiano para começar a perceber mudanças. São as seguintes:

Adote uma abordagem mais favorável ao comportamento das pessoas ao seu redor. Entendendo que os outros nem sempre podem agir como se deseja, é preciso aceitá-los como estão, concentrando-se muito mais em si mesmos.

Aplique uma visão mais positiva do futuro e do que vai acontecer . Devemos ter confiança em nós mesmos e no que o amanhã pode oferecer.

Pare de ficar obcecado com o que você precisa para ser feliz. Muitas vezes, o que é realmente necessário é encontrado dentro.

Seja mais autoconfiante. Sentir-se o protagonista da sua vida, responsável por sua felicidade.

Para concluir, como vimos, o campo de estudo das atitudes é amplo e enriquecedor. Embora às vezes possa ser tremendamente complexo conviver com pessoas que demonstram atitudes hostis e complicadas, o segredo está em proteger a própria pessoa.

Porque, afinal, são nossas atitudes que nos fazem grandes, que nos aproximam da felicidade e nos protegem o tempo todo.

Imagem: Katrin Honesta
Fonte: lamenteemeravigliosa

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here