De acordo com dados de um estudo sobre infidelidade em pessoas casadas realizado no México e publicado pelo Instituto de Psiquiatria Ramón de la Fuente, 70% das mulheres e 90% dos homens foram infiéis pelo menos uma vez na vida, no Brasil os dados são similares. As principais razões para a infidelidade são a insatisfação sexual, dedicando mais tempo ao trabalho que o casal e, em alguns casos, a vingança.

De acordo com os dados, os homens costumam ver reforçada a sua masculinidade quando cometem adultério e são culturalmente analfabetos. “Alguns estudos indicam que, enquanto o fazem para apoiar sua masculinidade e buscar prazer, as mulheres querem carinho, compreensão e carinho” diz José de Jesús González Núñez, presidente do Instituto de Pesquisa em Psicologia Clínica e Social.

“As causas da infidelidade são lógicas: quando uma ou ambas as pessoas deixam de se amar, derivada da falta de afeto, baixa autoestima ou chegada de filhos, ou quando o casal é negligenciado por esse motivo” As disfunções sexuais também são razões, ou por causa de um vício compulsivo no sexo, entre outros fatores”.

E o que dizer da pessoa que é infiel?

De acordo com o doutor em Psicologia Clínica e Pesquisa, Inmaculada Jáuregui Balenciaga , autor do estudo ‘A figura da pessoa amorosa à infidelidade: o outro lado do narcisismo’, muitas vezes no início do relacionamento, essa pessoa está pouco consciente do que está fazendo Em alguns casos, entrevistados para o estudo, os amantes não sabem se sua nova conquista é solteiro ou casado, porque simplesmente ele omite esse dado. Parece que olhos que não vêem, coração que não sente.

Dr. Jauregui conclui, após entrevistar numerosos amantes, que eles são pessoas apaixonadas, apesar do que geralmente se acredita. Além disso, eles geralmente agem contra suas crenças e valores porque sabem que fazem parte de uma farsa, mas que continuam com esse tipo de relacionamento porque se sentem recíprocos e usam o autoengano como mecanismo de defesa.

Esse mecanismo de defesa se torna relevante quando nenhum dos amantes entrevistados experimenta por unanimidade essa triangulação como tal. É até surpreendente que esses casais falem sobre acordos de lealdade quando ambos sabem ao certo que existem relacionamentos fora desse relacionamento, seja com o cônjuge oficial no caso do enganador ou com outras pessoas no caso do amante.

A figura do redentor-amante

A pessoa que entra em um triângulo amoroso como amante tende a justificar as mentiras de seu parceiro porque a identifica como uma ‘vítima’ de um relacionamento que não funciona, que não tem futuro, que é sufocante e insatisfatório. Então ela se vê como a figura redentora que, ao salvar aquela pessoa através desse relacionamento, se salva.

Como a pesquisa de Jáuregui aponta, o amante geralmente é uma pessoa vulnerável que não está completamente satisfeita com sua vida profissional e / ou relacionamentos interpessoais. Assim, ela encontra no triângulo amoroso uma salvação à qual se agarra para superar sua própria crise existencial.

Quando o primeiro estágio do amor e da satisfação sexual mútua é superado, automaticamente nos encontramos no processo de “formalizar” o relacionamento . Esse ponto geralmente é muito frustrante, porque é muito improvável que um relacionamento extraconjugal culpe como um relacionamento oficial e / ou seja aceito publicamente (com ou sem um casamento intermediário).

Não ser capaz de formalizar o relacionamento é frequentemente um motivo de consulta psicológica. Por um lado, não se pretende encerrar o relacionamento e o fato de ser clandestino não parece causar nenhum problema, pois nasceu com essa característica. O que está sendo procurado na terapia é a maneira de gerenciar a frustração e a distância. Também pode ser que a psicoterapia sirva para encontrar uma opinião de um especialista que avalie se há amor ou administrar o fim do relacionamento, porque a outra pessoa decidiu retornar ao parceiro.

O que começa como algo gratuito acaba na dependência

Podemos ver a dependência emocional em relação à pessoa casada. Isso se traduz na insistência em manter um relacionamento assimétrico e na intensificação do quadro ansioso – evitador. Chega a um ponto em que o relacionamento se torna tóxico, pois é um círculo vicioso de paixão, discussão e encontros que não saem disso, nunca se oficializa diante da família ou dos amigos. “Os amantes se entregam como em um relacionamento oficial de amor, enquanto pessoas infiéis parecem se inscrever em uma orientação mais narcísica para receber o que precisam para ter tudo”, diz o estudo.

A pessoa que entra no triângulo amoroso, portanto, ignora ou nega a dominação que está sofrendo, porque as regras são impostas pela pessoa casada sem deixar espaço para manobra. O amante se adapta a essas regras sem estar ciente de como ela muda sua disponibilidade e seu caráter. Ela se torna, então, uma pessoa com grande insegurança que dedica toda a sua energia nesse relacionamento, embora saiba que não recebe de volta o que investe.

Esse tipo de dominação é perfeito porque não é físico, pelo contrário, é uma estrutura inteira de manipulação mental e afetiva na qual as pessoas caem voluntariamente, pensando que são sempre livres.

A relação extraconjugal é, no final, outro exemplo de desordem narcísica: tanto a pessoa infiel quanto seu amante se movem pelo princípio do prazer imediato e não pela realidade, o que implicaria empatia pelas pessoas afetadas.

(Fonte: mundopsicologos)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here