O que é anedonia?

Anedonia é a perda da capacidade de sentir qualquer tipo de prazer por todo o tempo.

Quais são as causas da anedonia?

A anedonia é o atributo maior das grandes depressões, mas pode acontecer também nos esquizofrênicos, neurastênicos, nos usuários crônicos de drogas (sobretudo durante as crises de abstinência), em pessoas muito ansiosas e naquelas com transtornos esquizoides de personalidade. Parece haver tipos constitucionais com certos graus de anedonia. No sentido bioquímico, a anedonia está associada a baixos níveis de monoaminas (serotonina, dopamina, adrenalina e noradrenalina) no sistema nervoso.

Quais são os principais sinais e sintomas da anedonia?

Os pacientes com anedonia ficam normalmente numa situação de total indiferença consigo mesmos, não têm apego por nada, nem mesmo pela própria vida e costumam ser resistentes a mudar a sua situação, nada fazendo para isso, mesmo diante da insistência de pessoas próximas.

Correlativamente, há uma dificuldade ou incapacidade de experimentar sentimentos negativos. Essas pessoas parecem não responsivas emocionais. Em casos extremos, tanto faz que lhe morra um parente próximo ou que ganhe um grande prêmio numa loteria.

Contudo, há uma gradação de intensidade dos casos de anedonia que decresce dessas situações extremas até outras, mais leves. Por outro lado, embora as pessoas sejam incapazes de sentir prazer em qualquer circunstância, há casos em que o problema se dá com aspectos específicos da vida, como o apetite, o sexo, as relações sociais, as atividades de lazer, etc.

Os pacientes com anedonia têm dificuldades em suas relações sociais, tornando-se desinteressantes, afastando de si as demais pessoas e vivendo em isolamento.

Como o médico diagnostica a anedonia?

O médico diagnosticará a anedonia clinicamente a partir do relato das pessoas próximas ao paciente e de suas próprias observações da falta de reações emocionais do paciente. Não há nenhum exame objetivo que seja capaz de diagnosticar a anedonia.

Como o médico trata a anedonia?

O tratamento da anedonia dependerá do quadro mórbido em que ela esteja inserida. Se ela for, por exemplo, um sintoma da depressão, o tratamento farmacológico deve ser feito com antidepressivos inibidores seletivos da recaptação de dopaminas. Se aparecer em outros quadros patológicos deve seguir também o tratamento deles, principalmente com medicações desinibidoras e ativadoras.

No sentido psicológico, as terapias cognitivo-comportamental ou analítico-comportamental podem ser de grande auxílio ao tratamento medicamentoso.

Como evolui a anedonia?

Um dos problemas do tratamento da anedonia é que esses pacientes dificilmente aderem voluntariamente ao processo terapêutico e pelo menos as tentativas iniciais quase sempre partem mais dos familiares que do próprio paciente.

A anedonia relacionada a quadros mórbidos bem definidos e curáveis tende a desaparecer na medida em que esses quadros também desaparecem. Aqueles casos constitucionais ou devidos a transtornos de personalidade são de mais difícil solução e até mesmo insolúveis.

Quais são as complicações possíveis da anedonia?

A pessoa que sofre de anedonia parece estar emocionalmente “congelada” e se torna socialmente desagradável, o que acaba prejudicando muito suas relações sociais e levando-a a um quadro de isolamento, do qual, contudo, ela não se ressente.

Nota ao leitor:

As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

(Fonte: abc.med.br )

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

1 COMENTÁRIO

  1. Meu nome e Elias . Tenho 52 anos . Sou viuvo e não tenho fihos.
    Sempre sofri com a Depressão desde a infância.
    Me lembro que com 13 anos eu pensava em suicídio.
    Tive várias crises. E com 28 anos resolvi procurar ajuda e comecei o tratamento que faço até hoje.
    Me casei com 20 anos mas nunca tive coragem de falar sobre minha doença com ninguém pois o preconceito é muito grande. Nem pra minha esposa eu consegui falar.
    Enquanto estávamos juntos eu conseguia levar uma vida quase normal. Trabalhava . Estudava. Convivia com meus parentes.
    Em 2009 tudo começou a desabar .
    Pois ela foi diagnosticada com Câncer no Rim.
    Ela começou o tratamento e eu me sentia forte pra cuidar dela.
    Logo em seguida meu pai faleceu e eu tive que cuidar de minha esposa e minha mãe.
    Lutamos durante 4 anos mas ela não resistiu e veio a falecer.
    Depois disso eu não consigo mais sair dessa inércia . Não consigo me relacionar com outras mulheres . Perdi a alegria de viver . Eu cuido da minha mãe que ja tem 83 anos.
    Moramos só nós dois.
    Estou desempregado e luto todos os dias pra superar mas é tão difícil.
    Conheci uma pessoa maravilhosa que me entende pois também sofre com depressão.
    Mas eu tenho muito medo de fazer ela sofrer. Pois tenho todos os sintomas de Anedonia.
    Eu sei que isso não foi causado pelas minhas perdas pois antes disso eu ja tinha esses sintomas.
    Com muito esforço eu procuro me cuidar.
    Pois pra mim é tudo preto e branco não consigo sentir alegria ou vontade de lutar.
    Vivo um dia de cada vez e não consigo mais fazer planos ou sonhar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here