Antes de sair discutindo com as pessoas sobre seus pontos de vista, reflita qual é o seu
lugar no mundo. Como você direciona a sua vida? O que é realmente importante para você
em todos os setores de sua vida? Que bandeira você realmente levanta?

Antes de qualquer coisa, reflita, sinta seu ser, veja o que realmente vale a pena defender,
não fique se desgastando por qualquer coisa, além do mais quando temos um ponto de
vista que se reflete em nossas escolhas mais profundas, na maioria das vezes, não
precisamos discutir com ninguém; não precisamos ficar explicando nosso modo de agir e
pensar, é algo que reflete em nosso dia a dia, em nossas atitudes, em nossos
posicionamentos, reflete completamente em nosso comportamento, na forma como agimos.

Quando as nossas escolhas na vida são de alma, não existe estresse, entendemos o nosso
posicionamento na vida, compreendemos o lugar que ocupamos, sabemos o que realmente
é precioso e o que é lixo.

Vamos aceitando ao longo do percurso da vida quem comunga com os nossos propósitos e
quem não comunga, sem desentendimentos, sem nenhum barulho, apenas entendendo que
cada um está neste mundo com um tipo de necessidade, com um tipo de compreensão,
vamos aceitando as pessoas como elas são, porque compreendemos exatamente quem
nós somos e o verdadeiro significado da nossa existência.

A paz floresce e aceitamos a vida como ela é, aceitamos as pessoas como elas são, nos
respeitamos exatamente como somos. Nos respeitamos mais, e também respeitamos muito
mais o momento do outro e as suas necessidades sem entrarmos em nenhum tipo de
confronto, em nenhum tipo de conflito, apenas pela compreensão e entendimento de que
cada um tem seus direitos e a sua forma de encarar a vida.

Quando estamos certos do nosso caminho, do que estamos realizando, e essas realizações
nos preenchem, sentimos algo bonito, conseguimos perceber a nossa comunhão com tudo
que vivemos, não necessitamos ficar convencendo ninguém do nosso valor, e do que de
fato acreditamos. As pessoas vão olhar e perceberão sem precisarmos falar uma palavra e
se não perceberem não haverá nenhum problema.

As atitudes dizem muito mais do que mil palavras.

Na obra da vida, na construção do seu “eu”, você é peça fundamental, cada um de nós é
peça fundamental, somos construtores, co-criadores, artistas da nossa própria vida, todos
são importantes. Cada ser vivo é importante no desenvolvimento da vida.

Siga certo de que antes de convencer as pessoas do seu lugar, da sua importância, do seu
valor, é importante você sentir o quanto está apto a ser exatamente quem você é, o quanto
se sente confortável em ser você, e o quanto consegue desempenhar os desígnios e
manifestações do seu ser, da sua consciência, da sua alma e do seu coração. Quando
atingir este patamar, seguirá firme, sem se preocupar com os outros, sem querer convencer
ninguém de nada, sem se preocupar se as pessoas irão compreender ou aceitar
determinado ponto de vista. Viverá tudo aquilo que acredita e entende como bom.

Não é possível viver querendo convencer todo mundo sobre porque resolveu seguir por
determinado caminho e não por outro, porque não quer mais abordar determinado assunto,
o porquê de não querer perder tempo com certas pessoas e situações, que não quer ficar
discutindo sobre ou brigando para provar que tem direito de estar em determinado caminho
e ter determinados interesses, sobre a sua falta de interesse em algumas questões.

Fica tudo tão pequeno! E claro, quem não tem afinidades, pouco a pouco vai sendo
descartado de forma natural e vice-versa. Porque as energias boas são atraídas por
energias semelhantes, assim como também as energias negativas são atraídas por outras
de igual teor.

Ninguém precisa convencer ninguém de nada. Tudo vem de dentro para fora.

Então antes de sair por aí defendendo bandeiras, gritando as suas verdades, discutindo
com muitas pessoas contrárias ao seu posicionamento frente a vida, siga com a firmeza de
quem você realmente é. Seja o que acredita. As pessoas vão olhar e entender sem que
ninguém precise dizer nenhuma palavra.

Mahatma Gandhi é um ótimo exemplo. Ele foi exatamente quem ele queria ser, ele foi
exatamente o que acreditava, ele não precisou combater a guerra com guerra, violência
com violência.

O que Gandhi defendia? O que Gandhi acreditava? Ele acreditava e defendia a paz!

Então Gandhi foi ser a paz que acreditava e queria, e ele foi. Assim que ele se posicionou
também frente ao que ele não acreditava, com muita paz e muito amor. Foi com paz que
ele se posicionou diante de opositores, de pessoas que o enfrentavam discordando de suas
ideias.

“Felicidade é quando o que você pensa, o que você diz e o que você faz estão em
harmonia.”( Mahatma Gandhi )

Imagem: Sasin Tipchai

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Patricia Tavares
Sou Psicóloga pós graduada, Reikiana Nível 3.Trabalho há 21 anos em consultório com psicoterapia, hipnose clínica. Já trabalhei em hospital, núcleo de violência da mulher. Acredito na vida, no amor, nos bons sentimentos, no perdão, na beleza da alma, na superação, no ressignificar, na humanidade. Adoro escrever e falar sobre sentimentos, superações, motivar pessoas, conseguir promover o melhor, despertar o que possa ser maravilhoso em cada um de nós e libertar pessoas de suas prisões emocionais, com uma nova e especial forma de viver, independente dos acontecimentos da vida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here