A verdade é que os efeitos que a infância gera em cada pessoa são particulares. Existem aqueles que tiveram uma infância que pode ser classificada como fantástica, têm uma inclinação acentuada para encontrar os ganchos negativos que podem fazer. Esse comportamento tende a ocorrer quando, consciente ou inconscientemente, procuram justificar comportamentos adultos inapropriados ou prejudiciais.

Embora existam aqueles que tiveram infâncias muito complicadas aos olhos de qualquer observador, conseguem curar suas feridas, perdoam e continuam uma vida de adultos satisfatórios para si e para aqueles que estabelecem relações com eles.

Todos nós podemos vir a fazer as pazes com o passado e deixar de nos sentir vítimas de qualquer experiência vivida. Isso às vezes acaba sendo uma reação natural das pessoas, enquanto outras vezes exige um pouco de trabalho interior.

Além da capacidade de cada pessoa de assumir a responsabilidade pela vida que deseja, podemos revisar algumas feridas que, se geradas no passado, podem ter consequências em nossa vida adulta.

A ferida do abandono:
Sentir-se abandonado na infância pode resultar em manter nossos relacionamentos ou nos manter em um nível mínimo de comprometimento ou envolvimento, precisamente por causa do medo de repetir uma situação de abandono. Além disso, essas pessoas podem se sentir pouco merecedoras de carinho. O principal argumento para o pequeno mérito é que, se eles os deixaram, é porque eles não foram amados e isso geralmente está localizado na caixa: Eu não mereço amor.


Livro

A ferida do abuso:
Qualquer forma de abuso infantil pode ser uma âncora difícil de superar. O abuso físico é talvez o pior, gerando medo e rejeição aos relacionamentos ou transformando as vítimas desses abusos em agressores sexuais, não necessariamente vinculados à pedofilia. Existe também a possibilidade de uma personalidade submissa, com pouca auto-estima e carregada de inseguranças.

A ferida das comparações:
Muitas pessoas sofreram durante a maior parte de sua infância com comparações contínuas, a fim de fazê-las sentir-se diminuídas em relação a outra pessoa, muitas vezes essa outra pessoa sendo um irmão ou uma figura próxima. Isso pode promover um vínculo de rivalidade e suspeita. Os resultados frequentes incluem uma relação de amor e ódio para a fonte com a qual eles eram continuamente comparados.

A ferida da perda de um ente querido:
Duelos vividos durante a infância, especialmente os que envolvem os parentes mais próximos. A perda de pais ou irmãos, até avós, pode deixar uma marca profunda, em que há um colapso da fé e uma espécie de divórcio com a vida, considerada má e injusta. Ele pode permanecer para sempre e se fortalecer com cada experiência indesejada.

A lesão causada pela separação de seus pais:
Testemunhar a separação dos pais e ter que se adaptar a uma vida diferente e dividida pode ser um grande trauma. Na idade adulta, esse trauma geralmente se manifesta em relacionamentos de casal, de um lado ou de outro, procurando maneiras de destruir o relacionamento ou não cometer ou, do outro lado, manter os sindicatos a todo custo, especialmente onde há filhos, mesmo quando o A felicidade já se foi há muito tempo.

Infância

Certamente, há situações que desejamos não ter experimentado. Mas não podemos mudar nada do nosso passado. Não faz sentido punir a nós mesmos ou procurar culpados, muito menos afetar negativamente nossas vidas no presente e no futuro. Temos que aprender a superar e ser felizes com quem somos. Só podemos nos conectar com essa felicidade abandonando o que dói, perdoando e continuando nossas vidas com a melhor atitude que temos.

(Fonte: Reencontate.guru)
(Imagem: Simon Rae)

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here