Viver com uma pessoa que sofre de depressão pode ser desafiador, confuso e desgastante. Reconhecer as várias maneiras pelas quais a depressão afeta os relacionamentos pode ajudá-lo a gerenciar suas próprias emoções, afinar suas habilidades de enfrentamento e entender melhor o domínio da depressão sobre seu ente querido.

Por que as coisas são tão diferentes agora?
Recuar ocasionalmente para dar uma nova olhada em seu relacionamento pode ser útil para esclarecer por que as coisas parecem diferentes. “Às vezes você está no meio de algo antes mesmo de perceber”, diz Beth Esposito, chefe de operações clínicas da Samaritan Behavioral Health em Dayton, Ohio.

“Garanta a ele que você estará com ele por um longo tempo e que deseja fazer parte da vida dele”

Entender o que esperar quando seu ente querido está deprimido é um começo. Esposito oferece essas dicas:

    • Socialização reduzida: Você pode ter mais tempo sozinho se o seu ente querido se afastar de situações sociais, como ir ao cinema, sair com os amigos e participar de eventos e férias em família.
    • Mudanças nas interações: Seu ente querido pode ser menos comprometido, mais irritado, mal-humorado e argumentativo. Ele também pode desenvolver padrões de pensamentos negativos.
    • Intimidade: A intimidade pode ser afetada, dependendo do nível de depressão. Você pode começar a questionar por que seu ente querido não quer ficar com você quando não é realmente um reflexo do desejo dele por você.
    • Mudanças nas atividades típicas: Seu ente querido pode abandonar coisas de que costumava gostar, como exercícios, hobbies ou certos hábitos diários. Ele pode ter dificuldade em concluir tarefas. Um pai pode não querer mais jogar bola com seus filhos.
    • Comunicação: Seu ente querido não pode mais se envolver em comunicação aberta. Você também pode perceber mudanças no estilo de comunicação dele.
    • Vários tratamentos: Algumas pessoas não respondem bem ao tratamento do câncer. Da mesma forma, a depressão do seu ente querido pode não responder à primeira tentativa de tratamento. Pode levar várias abordagens de tratamento para encontrar uma que funcione.

Maneiras de ajudar o seu ente querido

As emoções e atitudes da família podem ter um impacto positivo e negativo na depressão. Uma atmosfera de crítica ou hostilidade pode multiplicar as chances de uma recaída da depressão, enquanto a terapia focada na família pode reduzir drasticamente a taxa de recaída de alguns tipos de depressão.

Esposito diz que é importante ser honesto consigo mesmo. Se você está comprometido com o relacionamento, “fale sobre sua consideração incondicional e positiva por ele“, diz ela. “Garanta a ele que você está lá por muito tempo e que deseja fazer parte da vida dele.” Esposito descreve essas maneiras adicionais de apoiar sua amada:

  • Supere o estigma: A principal barreira para o tratamento da depressão é o estigma geral da saúde mental. Olhar para além do estigma pode ajudar vocês dois a buscar orientação e ajuda.
  • Evite fazer perguntas que começam com “por que”: Essas são perguntas vergonhosas. Em vez disso, crie um diálogo aberto com seu ente querido e realmente ouça.
  • Não minimize ou ignore as lutas dele: Quando ele diz: “Não posso fazer isso”, não responda: “Claro que pode” e depois espera que as coisas melhorem. Esperar que ele simplesmente “supere isso” não é realista e pode levar a mais tensão no relacionamento.
  • Seja solidário, mas não capacite: Pode haver momentos em que seu comportamento ou suas decisões não sejam do interesse de ninguém. Você pode ficar tentado a simplesmente concordar em evitar conflitos ou facilitar a vida para ele naquele momento. Mas não há problema em responsabilizá-lo. Pode ser difícil inicialmente, mas com o tempo, você estabelecerá um padrão melhor para resolver os problemas e ajudá-lo a melhorar.
  • Definir prazos: Permitir que a depressão governe o relacionamento geralmente gera discórdia e descontentamento. Se ele não quiser procurar tratamento ou o tratamento atual não for mais eficaz, é importante discutir um prazo para a ação.
  • Renomeie declarações como “você sempre”. Se ele sair do controle, diga: “Sinto medo quando você fica com raiva”. É importante compartilhar com ele como o comportamento dele afeta você. Isso traz mais equilíbrio à conversa.

Dicas para cuidar de si mesmo
Esposito diz que um tempo dedicado ao autocuidado é fundamental. Embora possa ser tentador dedicar toda a sua energia e recursos ao seu ente querido, encontrar um equilíbrio entre ajudá-lo e ajudar a si mesmo pode ajudar os dois. Esposito oferece estas dicas:

    • Coma bem e se exercite. Você pode ficar tentado a deixar de lado uma boa nutrição e se exercitar quando a dinâmica do relacionamento o dominar. Mas é exatamente nesse momento que você precisa se aprofundar e proteger essas principais práticas de autocuidado.
    • Manter relacionamentos externos positivos. Essa pode ser sua tábua de salvação quando os desafios do relacionamento aumentam. Você pode ter que dizer a si mesmo diariamente que merece e tem direito a esses relacionamentos e ao alimento emocional que eles proporcionam.
    • Crie uma perspectiva melhor. Você pode sentir saudade da vida como era antes da depressão tomar conta. É da natureza humana pensar em seu ente querido como você sempre pensou nele e não como ele é agora. Aceitar essa mudança pode aliviar suas frustrações e melhorar suas perspectivas.
    • Termine algo todos os dias. Seguir e ter um objetivo pode dar a você uma sensação de realização e um impulso quando outras áreas da vida se sentem fora de controle.
    • Encontre alegria no riso e na música. Humor, música e risadas usam uma parte diferente do cérebro. Eles podem ser uma diversão e convidar variedade para sua vida, tornando-o mais completo e equilibrado. Isso pode afastar seus próprios sentimentos deprimidos.
    • Procure estrutura. Manter-se organizado e construir estrutura em sua vida não pode ser subestimado. Garantir que sua vida diária seja estruturada ajuda a sentir e ser produtivo.
    • Defina limites e prazos. Seja honesto consigo mesmo sobre o que você está disposto a fazer no relacionamento. Pode chegar um momento em que o relacionamento comece a afetá-lo mais negativamente, especialmente se ele não buscar ajuda e não se comunicar. Sair do relacionamento pode se tornar sua melhor opção de autopreservação se você já tentou de tudo.
    • Procure intervenção externa ou profissional. Mantenha-se consciente de sua própria saúde mental. Tenha um amigo íntimo com quem você possa conversar abertamente ou um profissional, é importante procurar orientação quando a vida se tornar esmagadora.

Autora: Beth Esposito
Fonte: premierhealth.com

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here