Podemos falar sobre religião por um momento? Pode ser um assunto desconfortável para algumas pessoas – independentemente do local do espectro em que você se enquadre – religioso, em algum lugar intermediário ou não.

Acho a religião – sua teoria, sua prática, seu “lugar” na sociedade e como os indivíduos a abordam – como uma conversa interessante. E muitas vezes é necessário, apesar de qualquer desconforto que possa trazer.

As pessoas costumam falar sobre “ser religioso”, como se fosse uma categoria que se verifica ou não. O padrão para praticar uma fé é a frequência com que você frequenta um local de adoração e o quão envolvido você está nesse lugar. Talvez também, como isso afeta sua abordagem a qualquer coisa na sociedade e, de fato, à sociedade em geral.

Mas, apesar de todas essas categorias, parece-me que ser religioso é tanto uma questão de reconhecimento comunitário quanto de perspectiva pessoal do que isso pode constituir. De qualquer maneira, a religiosidade ou a falta dela são complexas, e não tratá-la como tal é provavelmente o motivo pelo qual nossas conversas públicas sobre religião variam do simplificado ao caótico.

Li algo realmente interessante sobre fé recentemente. Estava em um artigo sobre casamento no The New York Times chamado ” O brinde do casamento que eu nunca darei”. Comparando as dificuldades de se casar com a prática da fé, o autor escreveu algo perspicaz:

Você pode ser ruim em uma religião e ainda ser 100% dessa religião. Só porque você toma o nome do Senhor em vão, de repente você não é um cristão. Você pode ser um pecador. Na verdade, acho que é uma boa teologia que, por mais que tente, você certamente será um pecador, assim como certamente será péssimo, pelo menos algumas vezes, ao se casar.

Esse é um sentimento realmente profundo e muitas vezes esquecido por todas as pessoas, independentemente de seus pontos de vista (não) religiosos. Às vezes, as pessoas o categorizam em um tipo separado de humano quando você afirma ser religioso. (Dependendo de onde você estiver, eles também o farão quando você estiver longe de não ser religioso, ou seja, um agnóstico ou ateu.) A tendência é colocar as pessoas em caixas que criamos sobre quem elas são, com base em suas crenças – ou com base no que pensamos serem suas crenças. Mas os seres humanos, se nada mais, podem ser criaturas complicadas. O mesmo acontece com suas crenças e com a maneira como as praticam.

Sou um católico de berço e pratico essa religião: missa dominical, eucaristia, confissão etc. A igreja é um dos poucos lugares em que posso confiar para ter paz de espírito. É um lugar em que encontro consolo e não preciso ser outra coisa senão o que sou no momento. E talvez também, tendo me mudado um pouco, seja um lugar em que quase sempre confiei para me sentir em casa.

Mas nem sempre sou um “bom” cristão e católico. Mas mesmo quando admito ser pecador, sempre segurei à minha fé como parte da minha identidade. Na minha convicção, religião e espiritualidade andam juntas, não separadamente.

E mesmo nas minhas imperfeições e nas perguntas difíceis que faço da minha fé e de mim mesmo, me pego sempre voltando à posição de que, em última análise, acho que os seres humanos são limitados. Nossa capacidade de entender o mundo, por mais brilhante que seja, é limitada. Nossas versões de amor, verdade, paz e justiça são limitadas. Tem que haver algo mais – religião e espiritualidade é a jornada para estar aberto a esse mais.

Isso nem sempre acontece bem quando você conhece pessoas em uma cultura e em partes da cultura – vida na cidade grande – que, para todos os efeitos, tendem a abraçar mais o secular do que o religioso. Mas é por isso que eu sempre amei a vida urbana – você conhece pessoas de diferentes esferas da sociedade. Sou grato que, para mim, isso sempre foi mais do que norma.

Na infância, eu pensava: “Essa pessoa acredita em algo diferente de mim. Legal. ”E meus pais sempre reiteraram:“ Você trata as pessoas com amor e respeito, não importa o que aconteça. ”Funciona para mim. Na idade adulta, provavelmente tenho a mesma atitude geral – só que agora quero saber por que as pessoas acreditam no que acreditam (ou não), porque acho as histórias interessantes. Mas percebi que essa atitude nem sempre é recíproca.

Uma lista de coisas que me disseram depois de afirmar ou confirmar minha fé:

1. Você é inteligente demais para ser religioso (/ católico).
2. Por que você acreditaria em algo que não pode provar?
3. Então … você não acredita em ciência?
4. [Insira qualquer suposição política sobre católicos / pessoas religiosas aqui.]

Escrever uma resposta a qualquer um dessa perguntas resulta em um artigo totalmente diferente. Mas, na maioria das vezes, esse tipo de pergunta vem com um espírito de condescendência. Os religiosos e os que não são religiosos, tendem a ser igualmente condenadores.

Às vezes acho que, para se dar bem com aqueles que as rodeiam, as pessoas escondem ou diminuem uma parte de sua identidade. Acho que isso é verdade enquanto se navega nas amizades desde o momento em que você é um adolescente saindo de casa, até quando começa a se parecer com algum tipo de adulto bem ajustado. Sou religioso, alguns de meus amigos também – e têm uma fé diferente daquela que pratico. E alguns dos meus amigos não são. E às vezes isso cria uma conversa religiosa muito estranha.

Conversas constrangedoras, mesmo as cheias de paixão, não me perturbam tanto quanto a sensação de que alguém – às vezes um amigo – prefere ignorar a parte religiosa de mim. E estaria mentindo se dissesse que não senti esse sentimento às vezes. Ser religioso quando (alguns de) seus amigos não o são, também pode colocá-lo na posição de apologista por sua fé em conversas públicas – mesmo quando você não pretende ser.

Descobri que, em termos de catolicismo, parece haver essa noção na opinião cultural popular de que os católicos têm uma opinião sobre qualquer coisa. O catolicismo é universal na prática da fé, mas algo que não está na teologia é singular.

Veja a questão do casamento gay. Há padres (e pessoas) que eram pró-casamento gay desde o início. Existem padres (e pessoas) que continuam sendo contra, em todos os contextos. Existem padres (e pessoas) que acreditam que o envolvimento do estado no casamento é totalmente injustificado. Existem padres (e pessoas) que vêem o casamento civil e o religioso como diferentes e separados um do outro. Há uma infinidade de perspectivas mais do que o mencionado acima. O ponto? A fé é complicada.

Como a maioria das pessoas, não gosto de ser visto apenas como um “representante” da minha fé – para meus amigos ou qualquer outra pessoa. Afinal, sou um pecador e, às vezes, posso lhe dar uma impressão errada. Mais importante: pode fornecer apenas uma imagem pela metade do que significa ser uma pessoa dessa fé ou qualquer fé nesse assunto.

Mas também não quero que esse aspecto de mim seja ignorado. Você não vai realmente me ver ou aceitar completamente as partes complicadas de mim que me fazem, eu, se você ignorar minha fé. E é o mesmo para você. Se eu optar por ignorar as partes de você que fazem você, você – para me sentir confortável, então nunca vou te ver completamente.

No final, temos que deixar as pessoas, especialmente nossos amigos, nos verem em todas as nossas partes. Penso que as nossas diferenças são o que nos torna tão interessantes – seja com a religião ou com a falta dela.

Se pudermos abordar essas diferenças com amor e respeito, acho que descobriremos que, mesmo quando nossos amigos são algo que não somos, nossas amizades ainda podem florescer de maneira significativa. E nesse contexto, talvez até nos orgulhe de ser humanos tão diferentes um do outro, e ainda genuinamente capazes de nos chamarmos de “amigos”. Mas primeiro eu preciso ver todas as partes de você e você deve ver todas as partes de mim também.

(Fonte: https://thoughtcatalog)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

(Imagem: Ben White)

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here