Desci do elevador e imediatamente olhei para a porta do lado direito e lá estava uma grande guirlanda de Natal. Me certifiquei de que era o décimo andar, tudo certo, moro no décimo andar.

Assustada lembrei que novembro antecede dezembro e assim o final do ano. Mas já? Já!

Não é raro que a maioria das pessoas se sinta assim nesta época do ano. Os supermercados já vendem panetone, algumas lojas estão enfeitadas, há promoções anunciadas nas mídias sociais, família e amigos começam a se organizar para as festas de encerramento do ano.

Também não é raro que sentimentos de angústia estejam mais latentes. Isso acontece pois todas as idealizações que fizemos no início do ano aparecem como cobrança no seu término.

Frustados, tendemos a ficar ansiosos para ao menos concretizar algum plano que ficou pelo caminho  ou depressivos quando nos deparamos com metas que não foram alcançadas como: o novo emprego, uma relação afetiva estável, troca de carro, dentre tantas outras promessas de ano novo.

Entretanto, perceba que trata-se de algo sazonal. Assim como em outros países com a queda na temperatura, o céu cinza e a consequente monotonia por ter de ficar em casa mais tempo, a depressão pode se instalar nessa época do ano e tende a ser superada com o passar dos meses.

É natural na vida em comunidade esses picos de emoções. Como também é natural que se esqueça da quantidade de experiências que se vivenciou durante os 12 meses vividos. Assim como as estações climáticas do ano mudam, os nossos objetivos também mudam e tendemos a não perceber que simplesmente não tratamos com urgência o que era prioridade no início do ano.

O importante é fazer uma reflexão, muitas vezes dura, entretanto útil, sobre o que nos é essencial e sobretudo pensar se estamos nos cobrando demais, reparar se estamos realmente nos dedicando para conquistar aquilo que seriam nossos sonhos. Desapegar do consumismos e valorizar o encontro com amigos, os nascimentos e as conquistas, não renega a luta pelo alcance dos nossos desejos.

Um modo positivo de pensar, é de que o final do ano simboliza também o final de um ciclo e início de uma época de novas oportunidades. Veja se as metas a serem conquistadas no novo ano que se inicia realmente pertencem a você ou são projeções daquilo que os outros desejam para a sua vida.

Valorizando o caminho que trilhou e ficou para trás, você estará preparado para dar passos mais seguros em direção aos novos horizontes que se abrem.

*Este texto pode ser compartilhado desde que citados fonte e autoria.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores. Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here