Foi assim o acontecido.
Aniversário de 75 anos de vó Zizi. Na mesma data, comemoração das bodas de ouro com vô Nofrinho. Sobrado cheio de filhos, netos, bisnetos – bacalhoada. Chegou o momento de cortar o bolo. Todos falavam ao mesmo tempo:

– Corta o bolo de baixo pra cima, vó!
– Não fala o “desejo” senão ele não acontece, hein?

Foi aí que vô Nofrinho surpreendeu a todos:
– Este ano vamos contar a todos o nosso “desejo”, meus filhos…
Protestos, assobios, gritos. Mas vô Nofrinho não se abalou:
– Sua avó e eu queremos experimentar um baseado.

Um silêncio sepulcral envolveu o ambiente. Vó Zizi continuou:
– Tudo que a gente vê fala dessa erva. É filme, é música, é artista fumando. Agora, com essa idade redonda, nós queremos provar. O que é que tem?
A turma do deixa-disso tentou dissuadir o casal – maconha era péssimo para saúde, levava a outras drogas, podia cegar – mas não houve acordo.
– Não morro sem conhecer esse tal desse “beque” – sentenciou Vô Nofrinho e saiu da sala.

Lilita, a filha mais velha, virou-se para o marido e perguntou, atônita:
– E agora, Conrado?
– É fazer o desejo dos velhos…
– É, mas quem vai arrumar o fininho?
– Dentro daquela tua caixinha de maquiagem não tem um?
– Tem, Conrado, mas é pra quando eu tô com cólica.
– E você tem cólica menstrual todo dia, Lilita?
– Cada um com seus problemas. E você? Não arruma um lá dos seus?
– Meus?
– Os que estão naquela lata, no teu cofre, que eu sei.
– Aquilo é crack, mulher. Se a dona Zizi fumar aquela bomba ela vai ver Santa Rita de Cássia dançando bolero!

Nesse momento, o caçula Joquinha gritou do quarto:
– O biso caiu!
A emoção pela festa levara vô Nofrinho a uma brusca queda de pressão. Formou-se um rebuliço. Lilita chamou logo o vizinho, doutor Levy, cardiologista recém-formado. O médico entrou no quarto e fez um longo exame no vovô. A família ficou impaciente.
– Todo esse tempo! Será que aconteceu alguma coisa grave?

Conrado resolveu bater na porta. Doutor Levy saiu e acalmou a todos:
– Dei uma ponta das minhas pro seu Onofre e outra pra dona Zilá. Os dois agora estão na paz.
E, antes de voltar para o quarto enfumaçado, disse:
– Alguém podia trazer um prato de doce que os dois estão numa larica forte?

(Crônica do livro “Clássicos de mim mesmo”, de Carlos Castelo, Matrix Editora).

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Carlos Castelo
Carlos Castelo é psicanalisado, escritor, letrista e um dos criadores do grupo de humor musical Língua de Trapo. É colaborador do Estadão e das revistas Bravo, Ponto (Sesi-SP) e Bula. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here