Viver no caos não é fácil. Não é fácil manter o equilíbrio quando o ataque chega, quando o vento agita nossos cabelos e sussurra mensagens de medo com um gosto de incerteza em nossos ouvidos.

Somos projetados para responder emocional e cognitivamente rapidamente quando o pânico ocorre. No entanto, o ideal no meio desses cenários é manter a calma.

Do campo da psicologia e da sociologia, já concluímos que a palavra do ano para este 2020 será, sem dúvida, “medo”. Os eventos atuais já mostram todo aquele caleidoscópio contido neste termo e no qual ele é integrado desde o fantasma do comportamento mais irracional até as reações mais integrativas. Aqueles que assumem o medo, mas optam por enfrentá-lo, realizando comportamentos proativos para resolver um problema.

O psiquiatra Karl Augustus Menninger apontou que os medos podem ser trazidos à tona e é quando damos os passos mais firmes . É fácil dizer, mas realizá-lo é possivelmente o ato mais complexo e traumático do ser humano. Porque quando o caos bate à porta e a calma se afasta, nossa mente corre solta e, o que é ainda mais perigoso, faz do medo um inimigo de dimensões extraordinárias.

Nesses contextos, a calma deve germinar. Essa dimensão também pode ser treinada porque, afinal, o medo em si, a ansiedade e os comportamentos irracionais são mais um vírus que podemos aprender a conter.

Em meio ao caos, devemos aplicar uma abordagem mental baseada na calma

Chegamos a um ponto em que estamos vivendo de “más notícias” . Televisão, rádio, nossas redes sociais … Os dados perturbadores, os fatos preocupantes e as mensagens negativas estão ganhando dos positivos.

Além do mais, em média, as notícias negativas são sempre compartilhadas antes das notícias de esperança. Fazemos isso sem sequer aplicar o filtro da prudência, sem às vezes avaliar se esses fatos são verdadeiros ou não.

Bem, é verdade que temos o direito de saber, que informação é poder e que devemos estar em contato com a realidade imediata. Mas há momentos em que interpretamos as circunstâncias e certos fatos como esmagadores e de repente um sentimento de desamparo desperta. Não saber o que pode acontecer amanhã é sem dúvida o que mais nos assusta e nos limita.

Somos criaturas acostumadas a ter controle sobre a realidade imediata (ou pelo menos pensar que temos). De repente, experimentamos que estamos no meio do caos, que o que tivemos ontem como certeza é incerto hoje, nos machuca e nos perturba.

O que podemos fazer nessas circunstâncias?

A calma é uma atitude e ocorre quando você aceita que não pode controlar tudo.
Em um contexto de incerteza, a ansiedade aumenta. Além disso, há outro fator: nosso ambiente, as informações que recebemos, as pessoas que nos cercam, infectando-nos com suas emoções, seus medos … Nada gera angústia tanto quanto a própria incerteza.

Por exemplo, é muito pior não saber se vamos perder o emprego do que ter a certeza de que o perdemos. O cérebro funciona de maneira diferente. Portanto, precisamos aprender a tolerar a incerteza.

Devemos assumir que , embora não tenhamos controle sobre certas coisas, temos controle sobre como escolhemos reagir a elas . Essa é a chave.

Agir com calma é a melhor atitude. É a abordagem mental pela qual podemos responder de maneira mais precisa, razoável e ajustada, dando o melhor de nós mesmos.

No meio do caos, pensamentos catastróficos não nos ajudam, eles nos afundam. Em meio a dificuldades, a um cenário de dúvidas ou problemas, a mente deve ser nossa aliada e não aquele adversário que nos atrapalha a cada passo.

Portanto, é vital que consigamos “limpar” do nosso foco diário o pensamento que atrapalha, alimenta o medo e que, em vez de nos ajudar a encontrar uma solução, acrescenta outro problema.

Sejamos conscientes deles e eliminemos o diálogo interno negativo. A calma deve ser aquele farol capaz de nos guiar no escuro.

No meio do caos … quem você escolhe ser?

Responder, em tempos difíceis, à pergunta de quem queremos ser, pode nos ajudar em meio ao caos . O herói ou a vítima? Quem ajudou ou piorou a situação? Alguém para se orgulhar ou uma figura que escolheu imobilidade e pânico?

Você escolhe, decide qual trilha e que marca deixará nos dias em que somos obrigados a dar o melhor de nós mesmos.

Em cenários de crise, a calma é aquela companhia capaz de traçar caminhos mais serenos e bem-sucedidos. De mãos dadas, vemos as coisas com mais clareza para saber como reagir, ser proativo e responsável.

É hora de ativá-lo, é tempo de, em um presente de mudanças e incertezas, agirmos juntos com serenidade, inteligência e tranqüilidade.

(Fonte: lamenteesmaravillosa)
(Imagem: Andrea Piacquadio)

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here