Lembre-se de que as pessoas não precisam ser as melhores possíveis para que você possa honrá-las.

Lembre-se de que as pessoas não precisam se completar antes de merecerem conexão.

Lembre-se de que as pessoas não precisam ser perfeitas antes de serem amadas.

Sei que é fácil pensar assim – crescemos ouvindo o que é certo e o que é errado; quem é aceitável, e não, o que é justificável, e não, o que é justo, e não.

Às vezes, essas lições nos guiam na direção certa.

Às vezes, levamos a mensagem errada.

O que aprendemos quando estabelecemos regras e regulamentos, expectativas e padrões para expressar amor e respeito a alguém é que as pessoas imperfeitas não merecem nossa graça.

Quando pensamos dessa maneira, significa que também negamos compaixão e compreensão às pessoas que mais precisam.

É compreensível por que começamos a pensar dessa maneira – que temos o direito de julgar e condenar as pessoas que saíram do alinhamento com a justiça e seus melhores interesses.

É uma suposição inconsciente de que, se os punirmos de certa forma, os ajudaremos a traçar de volta aos trilhos.

O oposto geralmente acontece.

Ninguém sai do caminho porque parou de se importar com o que as outras pessoas pensam – fica fora do caminho porque fica absolutamente aterrorizado com o que as outras pessoas pensam que começam a envergonhar, sabotar e rejeitar a si mesmas, e é aí que os problemas reais começam.

De maneira semelhante, ninguém volta a se reunir porque alguém o intimidou e os julgou.

Eles se levantam quando alguém acredita neles, quando alguém os encontra onde estão, quando alguém mantém espaço para quem eles estão se tornando.

A verdade é que aprender a amar uma pessoa imperfeita também é como aprendemos a amar a nós mesmos.

Porque quando estabelecemos padrões em torno de quem queremos e não aprovamos o que temos, acabamos cortando isso de nós mesmos, pouco a pouco.

Quando temos momentos de fracasso – que todo mundo vai -, começamos a rescindir, começamos a julgar, começamos a acreditar que somos indignos de nosso próprio amor e aceitação.

Então, é claro, assumimos que também somos indignos de alguém.

Quando percebemos que não precisamos esperar que alguém se adapte antes de podermos realmente amá-la, paramos de esperar a perfeição.

Foquemos em quem somos agora.

Nos adaptemos para o amor que temos aqui.

Começamos a nos tornar quem somos – esse eu melhor, mais gentil e mais elevado.

Não porque temos medo de ser rejeitados.

Mas porque sabemos que somos dignos de tempo, de amor e de ser, não importa o quê.

(Fonte: thoughtcatalog)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

(Imagem: Anastasia Shuraeva)

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here