Não seria maravilhoso se o céu tivesse horas de visitas? Eu seria expulso de todas as visitas porque ficaria mais do que o tempo combinado. Eu não gostaria que terminasse. Eu imploraria por mais tempo, como fiz quando você estava aqui. Mas você não está mais aqui. Você está aí. E eu estou aqui – sem você. Tem sido assim há quase 10 anos. Uau, reler essa última frase me impressiona, porque eu não acredito que já faz tanto tempo. Ainda não consigo acreditar que você está aí, mãe.

Quando eu tinha 13 anos, perdi a única pessoa que sempre tive medo de perder. Perdi a pessoa que me fez sorrir através das lágrimas. Perdi a pessoa que deu um beijo de despedida na minha dor. Perdi a pessoa que eu não suportava passar um minuto sem. Eu perdi minha melhor amiga. Perdi a pessoa que me segurava. Eu perdi minha mãe.

Agora, em um milhão de anos, nunca compararia minha perda à perda que outra pessoa experimenta. Não acredito que duas perdas sejam iguais. As pessoas sofrem de maneiras diferentes. A dor é diferente para cada pessoa. Mas direi que para aqueles que perderam a mãe, espero que você tenha encontrado uma maneira de lidar com isso. E espero que, no final deste artigo, você encontre algum tipo de conforto ao saber que não está sozinho.

O que eu quero que aqueles que estão familiarizados com essa perda saibam é que não há problema em ficar com raiva do mundo às vezes por causa do que você está experimentando ou experimentou. Na minha opinião, você não seria humano se não sentisse algum tipo de raiva por isso. Por que sua mãe? Por que minha mãe? Por que coisas ruins têm que acontecer com pessoas boas? Confie em mim, é irritante não saber a resposta para essas perguntas. Você tem que se permitir sentir as emoções negativas. Não fique entorpecido com a dor. Sinta e supere. Prometo que sentirá pelo menos algum tipo de alívio depois.

Não há problema em chorar. Não há problema em chorar quando está acontecendo. Não há problema em chorar duas semanas depois que aconteceu. Não há problema em chorar cinco anos depois que aconteceu. Você pode chorar sozinho no seu quarto. Você pode chorar com a família. Você pode chorar com os amigos. Você pode chorar com um estranho na Starbucks. Você perdeu a sua mãe. As pessoas vão entender. Mais importante, você precisa entender que o que você sente é aceitável e normal. Você ficará bem, eu prometo.

Não há problema em desejá-la de volta. Já fiz isso tantas vezes que perdi a conta. Quando algo realmente engraçado acontece, eu me pego pensando: ‘Cara, eu queria que minha mãe estivesse aqui’. E há muitas vezes em que posso imaginar o que ela diria ou como reagiria e eu começo a rir. E naquele momento, me sinto incrivelmente perto dela. Eu prometo a você que esse sentimento é reconfortante.

Não há problema em não saber como se sentir ou como pensar. Você ganhou esse direito. Perder uma mãe não vem com um manual ou instruções especiais. Ninguém é ensinado a agir de acordo com esta situação drástica. Eu sei que isso pode ser frustrante. E você pode sentir como se não estivesse reagindo da maneira que deveria. Não deixe que os outros façam você se sentir assim. Todo mundo lida com a perda de maneira diferente. Todo mundo sofre de uma maneira diferente. Continue fazendo o que você está fazendo. Eu prometo a você que há uma luz no fim do túnel.

Por 13 anos, fui abençoado com o ser humano mais incrível possível para me criar e estar ao meu lado. Eu costumava dizer a ela que ela era a melhor mamãe de todos os tempos e que eu tive muita sorte de tê-la. Agora tenho 23 anos e ainda digo a minha mãe exatamente essas mesmas palavras. Nesses últimos 10 anos, houve dias em que eu definitivamente tive minhas dúvidas. Mas eu consegui sobreviver. Eu fiz isso por ela. Porque fazê-la orgulhosa sempre foi minha principal motivação na vida.

Sim, as férias são difíceis. Aniversários não são fáceis. Eu sou adulta e às vezes ainda me encolho quando ouço minhas amigas rindo e conversando com as suas mães. Eu não posso evitar. Eu sou humano. Acho mais fácil me permitir sentir a dor do que escondê-la. Porque nunca poderei encobrir o fato de ter perdido uma parte tão grande de mim quando era mais jovem.

Então, o que eu quero que todos saibam é que não há problema em sofrer. Todos nós ouvimos o ditado: “Fica mais fácil com o passar do tempo”. Bem, eu chamo isso de besteira. O tempo não faz a dor desaparecer. Não facilita a vida sem sua mãe. O tempo avança e, gostemos ou não, temos que seguir em frente. Não, não precisamos deixar nossas mães para trás. Nós as levamos sempre. Memórias são coisas bonitas para se refletir. Por favor, certifique-se de fazer isso com frequência, porque mantém o espírito vivo. O espírito delas vive através de nós. Eu amo recordar.

Eu nunca pensei que teria 23 anos e teria que relembrar os momentos com minha mãe porque ela não está mais aqui. Eu nunca pensei que teria que contar aos meus futuros filhos tudo sobre a vó deles através de palavras e imagens. Minha realidade agora é muito diferente do que eu sempre pensei que seria nessa idade. Mas não me considero “mãe sem mãe”. Eu tenho uma mãe e eu tenho um anjo. Espero que você encontre conforto e algum tipo de paz, sabendo que também tem em sua mãe um anjo.

Autora: McKayla Lea Herman
Fonte: theodysseyonline

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here