Muitas vezes, a crise de ansiedade parece um ataque cardíaco

Falta de ar, palpitações, dor no peito… Muitas pessoas vão ao pronto-socorro pensando que estão tendo um infarto. Mas o diagnóstico é claro: ansiedade.

Muitas pessoas já relataram terem ido ao pronto-socorro por conta de uma crise de ansiedade achando que seria um infarto.

Neste fim de semana, Miguel estava sentado no sofá com seu parceiro assistindo a um filme, quando sentiu um latejar intenso no peito. Ele sentia falta de ar, tinha palpitações e o mundo estava girando enquanto ele estava coberto por um suor frio. Ele pensou que estava tendo um ataque cardíaco, então foi imediatamente ao hospital mais próximo.

Para sua surpresa, Miguel não estava morrendo. Depois de um eletrocardiograma, raios-X e exames de sangue, o médico do pronto-socorro disse a ele que seu coração estava bem: o que ele acabara de ter era um ataque de ansiedade. Ele então prescreveu remédios e recomendou que ele falasse com seu médico e procurasse um psicólogo.

Esta é uma das muitas histórias que acontecem quase todos os dias. Estas são experiências especialmente intensas para aqueles que sofrem de um ataque de pânico ou ansiedade pela primeira vez.

O que acontece depois? Miguel sentiu-se constrangido e desconcertado, pensou que “aquela coisa de ansiedade” era algo que acontecia com os outros, mas não com ele. O que eu deveria fazer agora?

Mente e corpo têm um limite.

Quando arrastamos há meses uma situação de estresse intenso, o corpo acaba reagindo e é comum levar a crises de ansiedade. Os sintomas são tão devastadores que é comum confundir com um infarto.

Um ataque de ansiedade não é perigoso, mas é sempre uma boa ideia consultar um médico para descartar outros problemas.

Você não estava morrendo, mas você está sofrendo

De acordo com um estudo realizado em 2015 pelo Centro Médico Universitário de Göttingen, na Alemanha, 33,7% da população é afetada por algum transtorno de ansiedade ao longo da vida.

Embora não tenhamos dados atuais, estima-se que em decorrência da pandemia e das crises socioeconômicas, essa incidência tenha aumentado ainda mais.

Transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade social, fobias específicas… O espectro dessa condição mental é muito amplo e, em geral, são comórbidos com outros transtornos, como depressão ou transtornos alimentares, etc.

O mais notável é que o primeiro sinal, o primeiro despertar, costuma ser aquele ataque de ansiedade que pega a pessoa de surpresa.

O estresse sustentado ao longo do tempo, a incerteza e o peso dos problemas atuam como geradores de angústia persistente. A ansiedade está lá, latente, dando pistas como o computador de um carro avisando que há certas coisas que não vão bem.

No entanto, não os vemos. Não damos atenção a eles, porque quando se trata de saúde mental, parece que nunca vai nos tocar, mas toca.

É necessário ir ao pronto-socorro por ansiedade?

Muitas pessoas sentem uma certa perplexidade quando, depois de irem ao pronto-socorro por pensarem que estavam tendo um infarto, são diagnosticadas com ansiedade.

Foi um erro ter feito isso? A resposta é não. Quando você não está familiarizado com os sintomas dos ataques de ansiedade, é comum pensar que existe um problema cardíaco.

Descartar qualquer doença cardiovascular é sempre essencial. Além disso, se tivermos alguns fatores de risco como os seguintes, é sempre necessário ir a um centro médico:

– História familiar de doença cardíaca.
– Tem pressão alta ou triglicerídeos altos.
– sofre de diabete
– Obesidade.
– vive um estilo de vida sedentário.
– faz uso de drogas.

Além disso, é importante levar em conta um detalhe. Pesquisa do Hospital Geral de Massachusetts (Boston) destaca que o transtorno de ansiedade generalizada pode levar a um problema cardíaco. A origem é que esta condição pode acompanhar a pessoa por muitos anos.

Como diferenciar um ataque de ansiedade de um ataque cardíaco?

Embora um ataque de ansiedade e um ataque cardíaco apresentem sintomas semelhantes, existem nuances que marcam distâncias notáveis. Não custa saber como cada um se manifesta para ser prevenido. Embora isso não signifique que, se em algum momento tivermos dúvidas, não devemos ir a um serviço de emergência.

Estas são as chaves que devemos levar em conta.

Ataque de ansiedade

-Dor no peito e taquicardia, fenômenos que não duram mais de 15 segundos. Essa dor aparece sem fazer nenhum esforço. É difícil respirar e é comum acabar hiperventilando. Sudorese e tontura aparecem.

Aos sintomas físicos se somam os psicológicos, como sensação de estranheza, dissociação, despersonalização ou desrealização (isso está acontecendo comigo, isso é real?).

Ataque cardíaco

-Dor muito forte e aperto no peito, que pode surgir de repente ou com esforço. A dor geralmente dura muito mais tempo. Não é uma questão de segundos como o ataque de pânico. Neste caso, dura vários minutos e intensamente.

Além disso, irradia para o pescoço, mandíbula, costas e braço esquerdo.

Tonturas e desmaios aparecem.

A dor é muito mais intensificada pelo esforço.

Aparece algum desconforto estomacal, como se estivéssemos sofrendo de indigestão.

A PRINCIPAL DIFERENÇA ENTRE UM ATAQUE DE ANSIEDADE E UM ATAQUE CARDÍACO É A DURAÇÃO DA DOR NO PEITO, QUE É MUITO MENOR NO PRIMEIRO.

O que fazer após receber o diagnóstico de ansiedade nos serviços de emergência?

Em média, muitas pessoas se sentem perdidas. Depois de ir ao pronto-socorro por ansiedade, é comum não saber quais medidas tomar ou o que fazer. A coisa mais importante é estar ciente disso e não deixá-lo ir.

A ansiedade que não é tratada torna-se crônica e leva a mais problemas e alterações. A saúde mental, como a saúde física, não deve ser adiada. É aconselhável ter em conta algumas das estratégias que podemos seguir:

Fale com o seu médico de família . Se nos foram prescritos ansiolíticos ou outros tipos de medicamentos no pronto-socorro, devemos seguir as orientações prescritas pelo médico.

Entre em contato com um psicólogo para avaliar nossa situação e quais estratégias devemos seguir daqui para frente. Ter um bom diagnóstico e estar ciente dos antecedentes que nos levaram a esse ataque de ansiedade é fundamental.

Além disso, um aspecto deve ficar claro. O ataque de ansiedade é um alerta de que há algo errado em nossas vidas. É hora de fazer mudanças e devemos nos comprometer com nosso bem-estar.

Devemos integrar novos hábitos e outras abordagens em nossas mentes e nossas vidas diárias.

Para concluir, ir ao pronto-socorro por ansiedade é algo que todos nós podemos precisar em algum momento. Depois dessa experiência, é necessário nos conscientizarmos de que é hora de nos cuidarmos como merecemos e precisamos. Não vamos deixar para amanhã.

Via: Resiliencia Mag / com informaçõe de: LMM

Imagem: Pexels

RECOMENDAMOS




A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui