Referindo-se às memórias, Elizabeth Loftus explica que “elas são mais como a Wikipedia, você pode inserir e alterar as informações que ela contém e outras também”. E os momentos altamente emocionais que envolvem decisões políticas importantes podem ser cenários perfeitos para enganos externos ou autoengano.

Os eleitores podem formar memórias falsas depois de assistir a notícias inventadas, especialmente se essas histórias se alinharem com suas crenças políticas, de acordo com uma nova pesquisa (Murphy, Loftus, Grady, Levine, & Greene, 2019) .

A investigação foi realizada na semana anterior ao referendo de 2018 sobre a legalização do aborto na Irlanda, mas os pesquisadores sugerem que as notícias falsas provavelmente têm efeitos semelhantes em outros contextos políticos, como as eleições presidenciais.

O estudo é novo porque examina informações errôneas e memórias falsas em relação a um referendo do mundo real, explica a principal autora Gillian Murphy, da University College Cork. Ela e seus colegas – incluindo a ex-presidente da APS Elizabeth Loftus, da Universidade da Califórnia, Irvine – recrutou 3.140 eleitores on-line e perguntou se eles planejavam votar no referendo e como eles o fariam.

Em seguida, receberam seis reportagens, duas das quais foram inventadas histórias que mostravam ativistas dos dois lados da questão envolvidos em comportamento ilegal ou escandaloso. Depois de ler cada história, os participantes foram perguntados se já haviam ouvido falar sobre o evento descrito na história antes. Nesse caso, relataram se tinham lembranças específicas sobre o assunto.

Os pesquisadores então informaram aos eleitores elegíveis que algumas das histórias que leram haviam sido inventadas e os convidaram a identificar qualquer um dos relatórios que acreditavam serem falsos. Finalmente, os participantes completaram um teste cognitivo.

Quase metade dos entrevistados relatou uma memória para pelo menos um dos eventos inventados; muitos deles se lembraram de muitos detalhes sobre uma história fabricada. As pessoas a favor da legalização do aborto eram mais propensas a recordar uma falsidade sobre os oponentes do referendo; aqueles contra a legalização eram mais propensos a lembrar de uma falsidade sobre os proponentes. Muitos participantes não conseguiram reconsiderar sua memória mesmo depois de saberem que algumas das informações podem ser fictícias. E vários participantes relataram detalhes que as notícias falsas não incluíam.

“Isso demonstra a facilidade com que podemos plantar essas memórias completamente fabricadas, apesar dessa suspeita dos eleitores e mesmo de um aviso explícito de que eles podem ter recebido notícias falsas”, diz Murphy.

Os participantes que pontuaram mais baixo no teste cognitivo não tiveram mais probabilidade de formar falsas memórias do que aqueles que pontuaram mais alto, mas aqueles que pontuaram mais baixo tiveram maior probabilidade de se lembrar de histórias falsas alinhadas com suas opiniões. Essa descoberta sugere que pessoas com maior capacidade cognitiva podem ter mais chances de questionar seus preconceitos pessoais e fontes de notícias, dizem os pesquisadores.

Outro estudo constatou que, ao não julgar os pensamentos, a prática da atenção plena poderia afetar os processos cognitivos que identificam a fonte das memórias (interna-externa), o que resultaria em pessoas com problemas para distinguir entre as experiências imaginadas e as reais.

Loftus diz que entender os efeitos psicológicos das notícias falsas é fundamental, pois a tecnologia sofisticada facilita a criação não apenas de relatórios e imagens falsas, mas também de vídeos falsos.

“Com a crescente capacidade de tornar as notícias incrivelmente atraentes, como vamos ajudar as pessoas a evitar serem enganadas? É um problema no qual os psicólogos científicos podem ser qualificados de maneira única para trabalhar ”, concluiu Loftus.

Referência do estudo:

Murphy, G., Loftus, EF, Grady, RH, Levine, LJ e Greene, CM (2019). Memórias falsas para notícias falsas durante o referendo sobre o aborto na Irlanda. Psychological Science, 956797619864887. https://doi.org/ 10.1177 / 0956797619864887

(Fonte Original: psyciencia.com)

(Imagem: Bruce Mars)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade por Naná cml para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here