Você quer ser feliz. Infelizmente, seu cérebro nem sempre está em um tipo de humor cooperativo. O que acontece?

Honestamente, a felicidade não é um objetivo útil. É isso mesmo. Felicidade é algo muito vago e abstrato. Peça às pessoas que definam a felicidade e você receberá respostas clichê e inúteis ou ela será rapidamente transformada em uma discussão de 2 horas e alguém vai sair infeliz! E muitas pesquisas mostram que nem sempre somos muito bons em prever o que nos faz felizes. As vezes, depois que conquistamos o que queríamos….não era bem isso!

Mas nosso cérebro tenta. Difícil. É uma máquina natural de reconhecimento de padrões, procurando o que funciona e o que não funciona, generalizando o que nos disseram que VOCÊ TINHA QUE TER, fazendo previsões e registrando experiências. Condicionamentos.

Ás vezes faz uma curva errada, desenvolvemos maus hábitos e nem sabemos em que rua estamos mais feliz. Entramos em uma espiral descendente que não é nada divertida.

A boa notícia é que realmente temos muito controle sobre nossa felicidade – se conseguirmos ultrapassar essa palavra vaga e pensar nas ações concretas a serem tomadas para chegar lá. Estudos mostram que 50% da nossa felicidade está sob nosso controle. (Se isso não parece muito, é a metade de tudo!)…mas é preciso treino, mudança de hábitos, desconstruções de modelos antigos, alteração de imagens mentais….vai desistir?

Alex Korb é neurocientista da UCLA no departamento de psiquiatria e autor do The Upward Spiral Workbook. Vamos resumir bastante do que o Alex recomenda e aprender o que a sua massa cinzenta realmente precisa para aumentar ao máximo a produção de sorrisos.

Veja como a neurociência te instrui a ser feliz: Bem resuminho!

1.Desaprenda os pensamentos inúteis: sempre que você estiver perdido em pensamentos negativos, não pergunte a si mesmo se isso é verdade, pergunte se isso é útil. Seus pensamentos são apenas pensamentos – os sussurros do seu sistema límbico e do seu estriado. Os pensamentos são algo que você tem, mas eles não são quem você é. Liste os pensamentos negativos e dê nomes bobos a eles. Se quiser, sorria bastante, porque lá adiante você vai dar muita risada do que te incomodava.

80% das coisas com que nos preocupamos, nunca acontecem!!!!

2. Faça mais coisas: Mais pequenas coisas boas são melhores que poucas grandes coisas quando se trata de felicidade. Pode ter projetos grandes, mas não se esqueça dos pequenos movimentos. Então, faça mais coisas para obter mais resultados. Karma = ação. Mova-se, enfrente desafios. A ação cura o medo! Trabalho voluntário? Exercício Físico? Terminar uma coisa que você procrastinou? Olha aí a produção de Ocitocina, Endorfina e Dopamina…os hormônios do bem estar.

Ficar no celular, ou na frente de uma tela o dia todo não produz hormônio nenhum.

3. Seja Social: Nenhum homem é uma ilha. (No mínimo, você é um arquipélago). O que acontece quando você estuda as pessoas mais felizes e analisa o que elas têm em comum? Houve uma resposta clara para o que diferenciava essas pessoas de todos os outros. E não foi dinheiro, inteligência, idade, sexo ou raça. Foram relacionamentos fortes, complementares, não saturados, saudáveis. Agora, não esqueça…trate sua vida como um bonsai: Precisa regar, mas também tem que aparar de vez em quando. Saber a hora de fechar os ciclos. Usamos o confinamento para punir as pessoas não é? Mas cuidado com essas criaturas tóxicas nas relações…caia fora!

Relacionamento aqui não é um substantivo e sim VERBO! Tem que praticar.

4.Se livre de hábitos tóxicos: Pensar sobre o que você gosta em você é o primeiro passo para construir um você melhor. Mate os hábitos inúteis lentamente. Levam 21 dias para trocar de hábito praticando todo dia (é científico!). Agora, a autocrítica ativa a “região do erro” do cérebro para nos ajudar a regular nosso comportamento. Mas também pode facilmente levar a mau humor. Então, vamos ativar uma rede diferente …

A pesquisa mostrou que os hábitos podem ser mais fáceis de mudar se você não se concentrar em suas piores qualidades, mas em seus melhores atributos (Epton, Harris, Kane, van Koningsbruggen, & Sheeran, 2015). Pense no que você mais gosta em você: que qualidades você não gostaria de mudar? Esse tipo de foco é recompensador e ativa o núcleo accumbens (Dutcher et al., 2016).

Em vez de autocrítica, tente autoconfiança. Auto flagelar-se não vai te fazer melhor. Gostar de você mesmo vai.

5. Mais Gratidão: você não precisa comprar nada nem conquistar nada para se sentir mais feliz. Você só precisa apreciar o que você já tem.

A maior parte da felicidade é perspectiva! Muitas pessoas questionam essa. (Para o registro, a ciência e os estudos de Harvard afirmam que estou certo e elas estão erradas).A gratidão é o melhor exemplo. Isso é bom. Muito bom. Mas nos esquecemos disso. Nós aceitamos as coisas como garantidas. Pense no que mais importa para você na vida. Entes queridos, casa, carreira, saúde. Agora imagine perdendo todos eles. Tudo!

Agora não pense, sinta por um segundo. Perder todas essas coisas que significam muito … Ok, isso é suficiente. De volta à realidade: você não perdeu nada. Mas outras pessoas estão nessa situação. Você não é um deles. Sente-se com sorte? Você deveria.

Você acabou de ganhar alguma coisa? Na verdade não. Você teve que realizar alguma coisa? Não. Nada realmente mudou – exceto sua perspectiva. Você olhou em volta e percebeu como é bom tê-los. Isso é tudo. Você não precisa comprar nada, fazer nada ou realizar qualquer coisa. Você só tem que apreciar o que você tem e ser grato por isso para obter um impulso.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Genaldo Vargas
Psicanalista, Palestrante, Professor Universitário, Viajante do mundo, curioso e eterno aprendiz..... É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here