Foi em 1994 quando um funcionário que trabalha em uma empresa de engenharia eletrônica por mais de 30 anos entra no escritório de seu chefe. E o chefe lhe agradece pelo tempo e esforço. Mais de cem pessoas passaram no mesmo ritual de demissão. Posteriormente, o psicólogo James W. Pennebaker, da Southern Methodist University, conseguiu recrutar mais da metade dessas pessoas para realizar um experimento muito simples que durou vários meses.

Segundo o próprio Pennebaker, ele nunca havia trabalhado com um grupo tão hostil e amargo de pessoas. O psicólogo pediu a cada um dos participantes que passasse 20 minutos do dia escrevendo em um diário. Algumas pessoas foram instruídas a escrever o que estavam fazendo no dia, um segundo grupo foi instruído a escrever seus sentimentos sobre sua vida diária e perda de emprego, enquanto um terceiro subgrupo não recebeu nenhuma instrução.

Curiosamente, as pessoas que pertenceram ao segundo grupo (aquele que foi instruído a escrever seus sentimentos sobre a perda do cargo no diário) mostraram uma notável recuperação emocional em relação aos seus parceiros demitidos; além disso, mais de um quarto deles encontrou um novo emprego, embora quase todas as pessoas passassem pelo mesmo número de entrevistas.

Desde então, um grande número de investigações foi desenvolvido onde demonstram o papel terapêutico de um lápis. Mas … como se pode presumir, tudo não é válido, existem certas regras para tornar a escrita realmente terapêutica.

Antes de tudo, é necessário escrever sobre os fatos negativos que nos perturbam e que não queremos contar a mais ninguém, que podem variar entre perda de trabalho, mau relacionamento interpessoal ou dúvidas sobre identidade.

Em segundo lugar, o problema e as experiências relacionadas a isto devem ser descritos, pois esse exercício geralmente facilita uma mudança de perspectiva na compreensão do problema e em sua experiência.

Nesse sentido, uma investigação realizada em 2006 por Sonja Lyubomirsky, professora da Universidade da Califórnia em Riverside, onde participaram 96 pessoas, pode ser citada. Nesse caso, houve apenas efeitos positivos naqueles que: escreveram focados em suas experiências negativas, passaram uma média de 15 minutos por dia neste exercício, deixaram as palavras fluírem sem se preocupar com ortografia ou gramática e focaram em seus sentimentos mais profundos sobre os fatos.

Assim, muitos especialistas recomendam levar em consideração as seguintes perguntas ao escrever um diário: o que aconteceu? Como me sinto sobre isso? E por que me sinto assim?

Curiosamente, Lyubomirsky adverte que escrever sobre experiências positivas pode não ser uma boa ideia, pois muitas vezes a memória da experiência mudou e, quando nos esforçamos para colocá-la no papel, ela é percebida como menos feliz e diminui nossa satisfação com ela. No entanto, se a história for curta e não exigir reflexão profunda ou lembrar-se de um grande número de detalhes poderá melhorar nosso humor.

Assim, podemos reconsiderar na próxima crise emocional, pegar lápis e papel e deixá-los desempenhar seu papel terapêutico.

(Fonte Original: rinconpsicologia.com)
*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here