Podemos comer por necessidade física, mas também por causa da necessidade emocional. E isso é bem conhecido por algumas pessoas com ansiedade ou estresse, que aliviam seu desconforto com a comida.

Não há dúvida de que a maioria das pessoas come quando sente fome. É uma necessidade física que ajuda a fornecer ao corpo os nutrientes necessários para funcionar adequadamente. De fato, se não comermos, colocamos nossas vidas em sério perigo.

Mas, além dessa fome física e biológica, há uma fome emocional que, em certos casos, é confundida com a primeira e que também pode ter consequências para a nossa saúde.

Isso acontece com você? Faça o teste para ver se você come suas emoções:

É chamado de fome emocional porque a necessidade de comer não vem do nosso corpo, mas da nossa mente . Ou seja, estamos em uma situação especial, com ansiedade, nervos ou estresse, e nossa mente deseja algo para acalmar esse sentimento negativo. Nosso cérebro nos avisa que estamos com fome, mas, na realidade, não precisamos comer fisicamente .

É uma sensação semelhante à que sentimos quando fazemos dieta, que estamos com fome o dia todo, porque o regime imposto pelo médico nos limita a certos alimentos. Além disso, apenas desejamos o que não podemos comer.

Algo semelhante acontece com a fome emocional. Talvez o caso mais claro seja o sentimento que temos nos dias anteriores a um teste ou exame. Há pessoas que não estão com fome, porque têm nervos no estômago e até não se exercitar comem muito pouco.

Mas há outros cujos nervos geram ainda mais fome. Quem não se lembra do tempo no colegial ou da universidade, quando passamos horas sentados estudando e acordamos três vezes para bicar biscoitos, nozes, chocolate, um sanduíche … Porque quando sofremos fome emocional, a glândula pituitária nos faz querer apenas comer alimentos ricos em açúcar ou gordura, sem frutas ou vegetais.

A fome emocional é essa: uma necessidade que não é real e que deve ser controlada, pois, juntamente com as emoções que sentimos naquele momento (nervos, estresse, tensão da ansiedade), é gerada uma perda de autocontrole.

Os especialistas apontam que a fome emocional pode ser causada por uma má consciência interoceptiva , ou seja, que não interpretamos bem as emoções que percebemos, embora também possa ser devido a problemas ao regular ou controlar essas emoções. E é aqui que uma má associação de alimentos com a calma do desconforto emocional pode complicar o problema, porque usamos os alimentos para melhorar quando não estamos com muita fome.

É, portanto, uma resposta a um problema emocional que deve ser tratado de maneira profissional, pois, longe do que acreditamos, depois de comer não percebemos melhora, mas sentimos arrependimento e culpa, o que causa mais desconforto. E voltamos à comida de novo e assim por diante.

Nunca nos sentimos calmos porque emocionalmente não podemos acalmar o sentimento negativo que estamos experimentando. Portanto, apenas o tratamento adequado por um psicoterapeuta nos ajudará a controlar a fome emocional e a regular as emoções negativas associadas a ela.

Dessa forma, a terapia compreenderá a abordagem dos problemas emocionais que causaram fome emocional e nos ensinará a controlar esses sentimentos negativos, para reforçar o autocontrole e não recorrer à comida como um paliativo emocional.

(Fonte: mundopsicologos)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here