Há pessoas que pensam que são todas poderosas, muito acima das outras e que sempre pensam que estão certas. São aqueles que sentem tanta paixão por si mesmos que tudo é pequeno demais para eles, ninguém pode ensinar ou mostrar nada a eles, porque eles “já sabiam”.

Seus ouvidos estão fechados e seus olhos estão cegos para tudo que não tem nada a ver com eles. Estão tão concentrados em si mesmos que perdem todo o resto, mesmo que não tenham consciência disso.

Sua aparência é de segurança, mas não há ninguém mais inseguro do que aquele que acredita ser o dono da verdade. Na realidade, o que acontece com ele é que está cheio de orgulho.

“O orgulho nunca cai de onde nasce, mas sempre cai de onde se elevou” (Francisco de Quevedo)

O que é orgulho?

Segundo o psiquiatra Enrique Rojas, o orgulho é uma paixão desenfreada por si mesmo, a armadilha do amor próprio, falta de humildade e lucidez.

É um sentimento de apreciação no qual a pessoa concentra seu foco em si mesma, porque se considera excelente, única e muito acima dos outros.

O orgulho é considerado um dos pecados mais graves pelo cristianismo. Além disso, na Grécia antiga, era falado sob o termo hybris – quando uma pessoa cresceu e desafiou a vontade dos deuses, isto é, quando ele tentou transgredir os limites de sua humanidade e recebeu punição divina por isso. Como exemplo de atitudes arrogantes, podemos mencionar Édipo ou Prometeu.

Quem tem orgulho adora a si mesmo, idolatra-se, mas também ignora que o orgulho é a fonte e a origem de muitos problemas.

No orgulho, os outros não existem. Agora, aqueles que não tomam cuidado com seu orgulho podem ir além e acabar cultivando atitudes arrogantes.

Assim, o orgulho é amigo da vaidade, do desejo de poder, do narcisismo e do egocentrismo.  Quem tem orgulho é egocêntrico, não valoriza as opiniões dos outros porque é cego; no entanto, precisa de um feedback constante da imagem que está projetando para outras pessoas. Tudo é pequeno demais para ele.

A insegurança do orgulhoso

A característica do orgulho é que, além de ilusório e bombástico, é um disfarce que atinge a insegurança, a falta de autoconfiança e um sentimento de inferioridade. Embora em muitas ocasiões também ocorra de maneira mascarada.

A pessoa permanece cega a seus erros porque está presa por seus ares de grandeza, esconde um profundo medo de ser menor do que os outros e tenta sobreviver e ser amado.

Assim, por trás do orgulho há medo: medo de não ser capaz, de não ser bom, suficiente ou reconhecido. E diante da incapacidade de assumi-lo, de aceitar esses medos e feridas, eles compensam. Por esse motivo, o orgulho serve para “equilibrar” essas lacunas e como um mecanismo de defesa, porque ajuda a rejeitar, em vez de ser rejeitado.

Assim, alguém orgulhoso geralmente não admite seus erros, porque isso o lembra de que ele não é tão perfeito quanto pensava e, como conseqüência, será muito difícil pedir perdão, porque considera que nunca está errado. Assim como ele também pensa que está certo, porque incorre na falácia da autoridade.

No entanto, o arrogante se preocupa muito com a opinião e a atenção dos outros, mesmo que seja indiferente , e por isso realiza certos comportamentos para obtê-los.

Como vemos, a autoestima da pessoa arrogante é muito baixa , porque é cheia de insegurança, mas é escondida sob um disfarce altivo. Por esse motivo, quando os orgulhosos se sentem atacados, geralmente ficam com raiva, perdem o controle, desqualificam, ficam na defensiva ou param de falar por um tempo. Eles têm a maturidade emocional de uma criança.

O orgulho nada mais é do que uma barreira defensiva para impedir que outros intuam medos, inseguranças e fraquezas de caráter.

O antídoto para o orgulho: humildade

“Onde houver orgulho, haverá ignorância; mas onde houver humildade, haverá sabedoria” (Solomon)

Em face do orgulho, recomenda-se a humildade: aprender a levar uma vida mais simples, na qual prevaleça o valor do que é importante, como amor, simplicidade e generosidade.

Uma vez que essa realidade é aceita, trata-se de ser honesto consigo mesmo: do que tenho medo? O que me machuca, o que acontece? O que me causa sofrimento? Por que preciso ser reconhecido como o melhor ou o mais válido?

Além disso, também é importante mudar a direção do foco: não existe mais apenas a si mesmo, mas também os outros. É preciso relativizar sua importância e saber olhar para os outros.

Para isso, é importante trabalhar com empatia, que, sabendo se colocar no lugar do outro, aprenda a receber críticas e a aceitar seus próprios erros e defeitos.

Trata-se, aos poucos, de livrar-se do disfarce protetor usado por tantos anos, mas que, por sua vez, causou tantos danos. É baixar a guarda, reconhecer suas próprias limitações e esquecer de se tornar tão grande, porque na realidade você não é tão pequeno.

(Fonte: lamenteesmaravillosa)
(Imagem: Andrea Piacquadio)

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here