Dizem que quem ajuda deve ter uma memória curta, mas quem recebe deve garantir uma memória longa. Ajudar, dar e facilitar são verbos que combinam com gratidão.

Não há dúvida de que ajudar é um ato que nos faz sentir bem em si. Mas não há dúvida de que é muito reconfortante receber agradecimentos pelo esforço, atenção ou tempo fornecidos. Porque pela força de ajudar, sem receber nada em troca, o coração também se esgota.

No entanto, algumas pessoas não compartilham essa perspectiva. São pessoas que podem se qualificar como ingratas porque não reconhecem ou valorizam o que os outros fazem por elas. Essas pessoas não apenas apreciam a ajuda recebida, mas também pedem outro favor. E assim por diante. Até que se torne a norma e obrigação.

E no dia em que decidimos parar, porque temos a leve suspeita de que eles estão nos usando / manipulando, nossa pequena empatia nos joga na cara, fazendo-nos sentir culpados por não ajudá-los novamente. O que realmente está oculto por trás do comportamento de pessoas ingratas?

Gratidão não é apenas um sentimento, é também uma habilidade e uma maneira de ver o mundo.

Durante muito tempo, pensou-se que a gratidão era apenas um sentimento que experimentamos quando estamos sujeitos a ações benéficas de outras pessoas. Se alguém nos dá uma mão quando mais precisamos, nos dá um presente ou dedica parte de seu tempo, um sentimento de gratidão deve ser ativado automaticamente.

No entanto, a gratidão não é apenas uma emoção, mas também possui um componente cognitivo. Para se sentir grato, é preciso primeiro ser capaz de apreciar.

Aprecie o gesto que tiveram por você, aprecie seus efeitos positivos e aprecie o esforço ou a intenção do outro. E a apreciação é uma habilidade que pessoas ingratas não desenvolveram.

Para a psicanalista do Fãs da Psicanálise, Natthalia Paccola , aquele que recebe oferece algo para alguém também deve se sentir grato pela oportunidade de ajudar.

“Esperamos apenas a gratidão daqueles por quem fizemos algo, mas nos esquecemos de agradecer por sermos uteis, por termos a nossa disposição a capacidade de ajudar, doar”, diz a psicanalista.

De fato, psicólogos da Universidade de Manchester deram um passo adiante, sugerindo que a gratidão não é apenas uma habilidade, mas é experimentada no nível disposicional.

Eles afirmam que é uma atitude perante a vida que implica poder perceber e apreciar o lado positivo que existe no mundo. Portanto, pessoas ingratas seriam programadas para ver favores, ajuda e / ou presentes como se não fossem bons o suficiente ou não estivessem dispostos a fazê-lo, para que não pudessem sentir gratidão.

Tudo isso indica que a ingratidão provavelmente será gerenciada durante os primeiros anos de vida. Se os pais não ensinaram seus filhos a valorizar e apreciar o que os outros fizeram por eles, é provável que os filhos acabem desenvolvendo o que é conhecido como Síndrome do Imperador, onde o mundo lhe deve favores.

Como resultado, eles arrastarão essa visão egocêntrica do mundo para a vida adulta e assumirão que outros são obrigados a atender às suas necessidades e desejos. Essa maneira de entender o mundo os impedirá de sentir gratidão.

Segundo Natthalia Paccola, crianças criadas sem o benefício da gratidão se tornam arrogantes e prepotentes pois acreditam que a sociedade deve sempre oferecer-lhes tudo em troca de pouco esforço.

Há também, diz a psicanalista, uma forte tendência dessas crianças se tornarem adultos com baixa resistência a frustração. “Qualquer empecilho que lhes bloqueie aquilo que desejam, é tido como um gatilho para angústias, tristezas e raiva. Estão acostumados a serem servidos, sem verem este ato como bondade, como um empréstimo e por isso não agradecem”, explica.

“Já, quando algo lhes falta ou é negado, se sentem humilhados e não entendem como receberam um não. Praticar a gratidão é ver o mundo com olhos de empatia, saber oferecer o seu melhor, apenas pelo real motivo de proporcionar felicidade e também recebê-la”, conclui Natthalia Paccola.

*Texto escrito com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Imagem: Sebastian Unrau

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here