Todos nascemos com necessidades sentidas e expressas como emoções. Embora todos experimentemos sentimentos de desejo, medo , apego e desespero, novas pesquisas mostram como esses sentimentos estão conectados às nossas necessidades básicas.

Precisamos nos envolver com o mundo. Isso é sentido como curiosidade.
Precisamos de parceiros sexuais. Isso é sentido como luxúria.
Precisamos escapar de situações perigosas. Isso é medo.
Precisamos destruir aquelas pessoas e coisas que se interpõem entre nós e a satisfação. Isso é raiva .
Precisamos nos apegar àqueles que cuidam de nós. A separação daqueles que cuidam de nós pode sentir pânico e desespero.

Desenvolver maneiras saudáveis ​​de atender a essas necessidades resulta em uma sensação de bem-estar. Quando não são atendidas, pode resultar em tentativas de enfrentá-las de maneiras ultrapassadas que funcionavam quando éramos crianças, mas que agora são defeituosas e improdutivas quando adultos. Isso pode levar ao sofrimento em nossas vidas atuais, relacionamentos e no trabalho.

Pesquisas demonstram que a psicoterapia psicanalítica pode ajudar a obter um melhor controle sobre nossas emoções, relacionamentos mais bem-sucedidos e uma vida profissional mais frutífera. Em outras palavras, a psicoterapia psicanalítica nos permite desaprender reações que afetam negativamente nossas vidas e aprender produtivas.

Emoções insuportáveis ​​são causadas por necessidades não atendidas

Imagine um bebê. Quando seus pais saem da sala, o bebê não tem capacidade de saber que voltarão. Tudo o que ele sabe é que precisa deles. Essa necessidade é expressa através de um sentimento de amor quando eles estão presentes e através do sentimento de desespero quando eles se vão. Ele ainda não adquiriu a capacidade de entender que eles voltarão ou a capacidade de se acalmar. Quando tudo corre bem no desenvolvimento, o bebê acaba aprendendo que, quando seus pais saem do quarto, eles sempre voltam. Mas se os pais permanecerem não confiáveis ​​ou negligentes, o medo de não voltar será reforçado.

Quando esse menino se torna criança e adolescente, seus pais continuam não sendo confiáveis, e ele lida com essa rejeição, distanciando-se e convencendo-se de que não precisa deles.

Agora vamos avançar. O garoto tem 40 anos e descobre que não pode sustentar um relacionamento romântico, o que o leva à terapia. À medida que a terapia avança, surge que sempre que ele começa a se sentir dependente de alguém significativo, ele experimenta pânico intenso e se distancia. Esse comportamento de distanciamento, projetado para protegê-lo do desespero, acaba levando a um rompimento.

O desafio é desaprender essa reação padrão com a mente de um adulto. A mente adulta tem a capacidade de entender coisas que uma criança pequena não consegue entender. É aqui que entra a psicoterapia psicanalítica. Foi projetada para abordar e ajudar os pacientes a aprender a tolerar sentimentos dolorosos à medida que surgem. O terapeuta e o paciente seguem esses sentimentos desde o início, onde foram originalmente aprendidos.

Neste exemplo, a necessidade de se distanciar de uma pessoa importante remonta à necessidade e ao medo de perder os pais. Para evitar que isso aconteça, ele deixa o relacionamento antes que qualquer dependência real possa ocorrer. Gradualmente, o paciente desaprende a resposta automática de fuga da dependência. Isso é alcançado através da repetição.

Como funciona a terapia psicanalítica?

A pesquisa estabeleceu que a psicoterapia psicanalítica é tão eficaz quanto a terapia cognitivo-comportamental ( TCC ) a curto prazo. No entanto, a psicoterapia psicanalítica mostra um aumento de seus efeitos após o término do tratamento. Em outras palavras, as pessoas que passam por psicoterapia psicanalítica continuam a se beneficiar e a crescer com o tratamento muito tempo após o término.

No exemplo acima, o terapeuta incentiva o paciente a compartilhar sua dor e reconhecer suas origens. Ele revisa com o terapeuta seu mecanismo usual de distanciamento e desapego. O terapeuta aborda os sentimentos subjacentes e as tentativas do paciente de evitá-los.

Ao contrário de outros métodos psicoterapêuticos que buscam diminuir a intensidade dos sentimentos, o terapeuta psicanalítico ajuda o paciente a permanecer e a tolerar esses sentimentos repetidamente. Eventualmente, essa repetição permite ao paciente deixar de lado a reação original e praticar novas opções de sentimento e enfrentamento.

A psicoterapia psicanalítica permite que o paciente tenha acesso a necessidades não atendidas, que são experimentadas como emoções dolorosas, e aprenda a regulá-las e a se libertar cada vez mais de sua compreensão opressiva e exigente em nossas vidas. Isso leva a uma maior capacidade de viver uma vida mais rica e completa.

(Autora: Eva Patrick é psicóloga de orientação psicanalítica)

(Fonte: psychologytoday)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here