Já dizia o poeta que “é impossível ser feliz sozinho”. Mas será que é melhor mesmo? Ter uma pessoa ao nosso lado apenas para ocupar espaço demonstra a incapacidade de se alcançar uma vida plena e satisfatória através da nossa própria companhia.

Está certo pensar que é bom ter um companheiro que nos respeite e complemente nossos dias com a união de vidas, desde que a nossa individualidade seja mantida.

Segundo a psicanalista e fundadora do site Fãs da Psicanálise, Natthalia Paccola, o que vemos são relacionamentos em que a pessoa busca a sua “tampa da panela” transferindo a responsabilidade de ser feliz para as mãos do seu parceiro.

“O segredo para ser feliz no amor é encontrar uma pessoa que lhe traga paz, que contribua para que você alcance seus objetivos, e não alguém para preencher um espaço carente. A sua felicidade não deve depender de alguém pois se um dia essa pessoa faltar você ficará completamente desestruturada”, analisa a psicanalista.

Ter a falsa sensação de estar acompanhada também é algo que acontece muito e pode ser vivida quando estamos com uma pessoa que prioriza os seus interesses em detrimento dos demais e para isso são ardilosas.

É aí que se sente a famosa solidão acompanhada, quando existem 2 pessoas em um relacionamento, mas apenas uma trabalha para o bem comum.

Quando conseguimos perceber essa realidade podemos sentir uma grande tristeza e frustração, pois deixamos de confiar no relacionamento e vislumbramos o caráter duvidoso naquele que escolhemos para convívio.

Natthalia Paccola diz que é necessária uma dose extra de maturidade nesse momento para que se compreenda as limitações do outro e através do seu exemplo de parceria e lealdade, tentar modificar a realidade em que esse outro está inserido.

“Não há necessidade de se desistir do casamento, por exemplo. Hoje as pessoas exigem cumplicidade mas não respeitam os limites do outro e não tem a paciência necessária para auxiliar nesse crescimento emocional do casal”, explica.

É claro que há casos e casos. Muitas vezes o desgaste mental e físico é tamanho que recorrer à terapia pode ser a única chance de se encontrar uma saída para essa convivência. Outras vezes, a única solução viável é a ruptura.

Caso decida, após uma análise séria, ficar sozinha (o), saiba que esse não é motivo de fracasso. Você tentou, mas apesar de todas as chances, escolheu ficar só.

Estar só depois de um relacionamento que não obteve os resultados esperados é um maravilhoso aprendizado, que só é conhecido por aqueles que passam pela experiência.

Saiba que é através dessas escolhas que fortalecemos nosso auto conhecimento e ficamos mais seguros para fazer novas escolhas que beneficiem a nossa autoestima e valorizem o outro como gostaríamos de ser valorizados.

(Imagem: Artem Beliaikin)

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores. Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.

1 COMENTÁRIO

  1. Prefiro ficar só a ter relacionamentos que sinto não valerem a pena pela forma que sou tratada. A solidão me fortalece mas, as vezes, sinto que devo ser um pouco mais aberta a novos relacionamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here